quinta, 20 de junho de 2024
Dourados
34ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

Pesquisa mostra diferença entre tarifas bancárias de até 369,5%

04 novembro 2004 - 18h24

Comparar os preços dos serviços bancários continua a ser um desafio para os consumidores. Pesquisa divulgada nesta quinta-feira pelo Procon-SP mostra que os preços das tarifas variam até 369,57% de um banco para outro.Essa é a diferença constatada na emissão de um cartão magnético uma conta especial no Santander e no Itaú. Enquanto o primeiro cobra R$ 2,30, o segundo cobra R$ 10,80. Há preços intermediários e igualmente altos, como os R$ 9 cobrados na Caixa Econômica Federal ou os R$ R$ 6 da Nossa Caixa.É possível também não pagar nada por este serviço, se o consumidor abrir a conta no HSBC, Banco do Brasil, Real ou no Unibanco. Na manutenção do cartão magnético, clientes do HSBC e da CEF são isentos de tarifa, mas em todos os demais bancos ela é cobrada e varia 300%, de R$ 18 no Real a R$ 72 na Nossa Caixa.Na maioria dos bancos, o cliente pode optar entre ser isento de pagar por folhas de cheque ou pelo cartão, e cada deles tem sua regra, o que dificulta saber em qual banco o serviço é mais barato. Perder, quebrar ou ter esse cartão roubado é despesa adicional na certa.CEF e HSBC isentam seus clientes, mas nos demais bancos o custo varia de R$ 2,30 (Santander) a R$ 10,80 (Itaú). Para se ter idéia de alguns outros preçoso custo é de R$ 8,00 no Banespa, de R$ 9,00 no Banco do Brasil e R$ 7,90 no Unibanco. Outro serviço bastante usado por correntistas é o saque em caixa eletrônico, já que a maioria foge das filas na boca do caixa. São isentos os clientes do HSBC, BB, Caixa, Itaú e Nossa Caixa. Nos demais o preço varia de R$ 0,90 a R$ 2,05. A menor tarifa é a do Bradesco e o cliente só paga depois da 11ª transação do mês, incluindo aí não só os saques, mas as transferências entre contas e o pagamento de contas.Os preços mais altos são pagos pelos usuários do Banco 24 Horas e variam de acordo com o banco onde o usuário tem conta. Se for cliente do Unibanco vai pagar R$ 2,05. Os do Bradesco pagam R$ 1,75 e os do Real R$ 1,95. Os clientes das demais instituições financeiras pagam R$ 2, mas é bom verificar no próprio banco porque nem sempre o preço é este, como ressalta o próprio Procon em suas observações. Outra curiosidade está nos preços dos DOC (Documento de Ordem de Crédito) tipo C ou D, que são iguais. Ou seja, o preço é o mesmo para mandar para uma terceira pessoa ou para o próprio dono da conta (DOC D, entre contas de mesma titularidade). E o serviço não é barato. O preço é R$ 11,50 no HSBC, R$ 10,00 no Bradesco, R$ 12,00 no Itaú, R$ 10,90 no Unibanco. Em alguns bancos o serviço tem outro nome, DOC E, e, por isso, o Procon não computou os preços em sua pesquisa. Nenhuma instituição isenta o cliente. E coitado de quem acabe com seu nome inscrito no cadastro do Banco Central por não pagamento. Alguns bancos cobram até para colocar o nome no cadastro (R$ 14 no Real e R$ 7,50 no Banespa e no Santander). Para tirar, o BC cobra R$ 6,82 dos bancos e eles cobram de seus clientes com tarifa adicional. A diferença de preço é 38,42%. A mais barata custa R$ 20,82 no Real. A mais cara, R$ 28,82 no HSBC. O cliente que levar dinheiro para os cofres do banco na forma de cheque também pagará por isso. Isenção só no Bradesco e na CEF. Nos demais, o preço varia de R$ 0,20 (Nossa Caixa, a partir do 31º depósito) a R$ 1,10 no Itaú (a partir do 6º no mês) e no Real (não há franquia informada).O Procon-SP realizou a pesquisa entre os dias 1 e 3 de setembro em dez bancos: HSBC, Banespa, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Santander, Banco Nossa Caixa, Banco Real e Unibanco. Segundo Cláudia Costa, é possível que a uniformização da nomenclatura das tarifas e dos pacotes voltem a ser discutidas com o Banco Central, embora o órgão não tenha sido sensibilizado pelo assunto até agora. Pela legislação, os bancos são livres para oferecer os serviços que quiser e, também, para estabelecer seus preços. A diretora do Procon alerta que todas as agências bancárias devem manter o preço das tarifas expostos, de forma clara e ostensiva para o consumidor. O consumidor deve verificar se isso está sendo feito e, se não estiver, deve denunciar ao Procon. "O consumidor desconhece essa orbigatoriedade, por isso não denuncia", diz ela.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Sancionada lei de Juscelino que proíbe 'linguagem neutra' em escolas públicas e privadas de Dourados
É LEI

Sancionada lei de Juscelino que proíbe 'linguagem neutra' em escolas públicas e privadas de Dourados

RECOMENDAÇÃO

MPF recomenda anulação de processo de Conselho de Fisioterapia de MS

Passageiro de ônibus é flagrado com vários pacotes de skunk na MS-164
REGIÃO

Passageiro de ônibus é flagrado com vários pacotes de skunk na MS-164

PROJETO

Comissão aprova projeto que obriga aplicativo de transporte a pagar seguros

Brasil comemora abertura de mercado nos Estados Unidos para óleo de cozinha usado
EXPORTAÇÃO

Brasil comemora abertura de mercado nos Estados Unidos para óleo de cozinha usado

TURISMO

Brasil é recordista em rotas domésticas mais voadas na América Latina

CUIDADOS

Festas juninas aumentam acidentes com queimaduras

CAPACITAÇÃO

Magistratura de MS debaterá inteligência artificial nos dias 20 e 21

DEBATE

Inclusão do esporte no vale-cultura divide a opinião de debatedores na CE

CAPITAL

Testemunha vê cadela mancando e homem vai preso por abusar sexualmente do animal

Mais Lidas

TEMPO

Meteorologia aponta inverno dos 'extremos' com geada e onda de calor em MS

INFORME PUBLICITÁRIO

Escola de Dourados conquista o 1° lugar do estado no Enem e a 2ª melhor colocação do Brasil

DOURADOS

Exército diz que pista do Aeroporto será entregue até 30 de junho

CENTRO DE CONVENÇÕES

Festa Junina de Dourados começa nesta semana com shows nacionais e regionais