Menu
Busca sábado, 15 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Perto das eleições no Congresso, Planalto libera mais dinheiro

03 fevereiro 2011 - 08h42

A liberação de recursos do Planalto para emendas propostas por parlamentares por meio dos chamados "restos a pagar" cresceu 17% em janeiro deste ano, comparado ao mesmo período de 2010, segundo reportagem desta quinta-feira do jornal O Estado de S. Paulo. O aumento ocorreu nos dias que antecederam as votações no Congresso para eleger os componentes das Mesas e também os presidentes do Senado e da Câmara. Em crise com os partidos da base aliada pela disputa de cargos no governo, o Planalto chegou a receber ameaças de retaliação em votações importantes nas Casas.

O levantamento publicado pelo jornal foi feito pelo Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi). A liberação do dinheiro foi feita por meio do aumento da liberação de “restos a pagar” - recursos para obras públicas de anos anteriores e cujo o pagamento está pendente - de emendas propostas por congressistas. Os restos a pagar são uma ocorrência rotineira na administração pública. Essas despesas passam de um ano para outro porque os ministérios muitas vezes contratam uma obra que não é concluída até dezembro. Como o governo se comprometeu a pagar a despesa, a conta acaba sendo jogada para o ano seguinte.

É com o dinheiro liberados para suas emendas que senadores e deputados conseguem fazer obras que, muitas vezes, beneficiam seus redutos eleitorais. Dessa forma, a liberação das emendas se transformou em uma moeda de troca entre Legislativo e Executivo. Ainda segundo o levantamento, até 31 de janeiro, o Planalto liberou 148 milhões de restos a pagar de emendas específicas. No mesmo período do ano passado, o montante foi de 216 milhões de reais.

A ameaça mais contundente foi feita pelo PMDB, partido do vice-presidente da República, Michel Temer. A bancada peemedebista tem feito duras críticas à divisão de cargos, sobretudo os do chamado segundo escalão, que incluem o comando de estatais com polpudos orçamentos. Membros do partido chegaram a insinuar que se vingariam do PT em votações como a que definirá o valor do salário mínimo. E foi justamente o PMDB o partido que mais se beneficiou do aumento da liberação de recursos do Planalto em janeiro: 12 milhões de reais.

Nas eleições da última terça-feira, o PT conseguiu eleger Marco Maia (RS) para a presidência da Câmara dos Deputados. José Sarney (PMDB-AP) foi o escolhido para comandar o Senado - cargo que ocupará pela quarta vez.


Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Homem morre após bater motocicleta na traseira de caminhonete
Dourados vai receber recursos para ampliação de esgotamento sanitário
SAÚDE
Dourados vai receber recursos para ampliação de esgotamento sanitário
BATAGUASSU
Ex-marido descarrega revólver contra mulher que fica em estado grave
EDUCAÇÃO
Professores desenvolvem projeto que busca integrar Escola e Universidade
Jovem de 21 anos é autuada por incêndio em vegetação e resíduos
Jovem de 21 anos é autuada por incêndio em vegetação e resíduos
SAÚDE
Anvisa autoriza produto à base de cannabis em projeto com a Fiocruz
POLÍCIA
Suspeito de assassinar artista plástica em Campo Grande é morto pela polícia
Governo libera R$ 2,61 bilhões para as universidades federais
AQUIDAUANA
Quadrilha especializada em abigeato é presa enquanto dividia carcaça de vaca
REGIÃO
Barbosinha ressalta trabalho de Tereza Cristina ao prestigiar entrega de títulos

Mais Lidas

DOURADOS
Descontrolado, pastor xinga policiais por ser orientado a diminuir som de igreja
PESQUISA
Estudo confirma presença de dinossauros em Mato Grosso do Sul
ARTISTA
Desenhista de MS "consagrado" por Silvio Santos terá novo encontro com apresentador
CORONAVÍRUS
Murilo Zauith passa por reabilitação e segue internado em SP