Menu
Busca sábado, 26 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
CAPITAL

Perícia não realiza exames de DNA por falta polímero

07 junho 2015 - 08h30

O número de exames mensais de DNA no Instituto de Análises Laboratoriais Forenses (IALF), ligado à Coordenadoria-Geral de Perícias de Mato Grosso do Sul, caiu de 500 para zero. As análises estão paradas desde 2014 porque faltam materiais básicos para os testes. O governo do estado admite o problema.

O principal produto em falta é o polímero, usado para a leitura do DNA. Um frasco custa em torno de R$ 1,5 mil e é suficiente para a análise de quase mil amostras.

“Não tem o que fazer. Por mais boa vontade que você tenha, de fazer o trabalho e terminar aqueles exames que foram designados ao perito, ele não tem como fazer. Sem material não tem como”, afirmou o presidente da Associação dos Peritos Oficiais de Mato Grosso do Sul (APO-MS), Antônio César Moreira de Oliveira.

Conforme o secretário estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), Sílvio Cesar Maluf, a culpa é da gestão anterior por não pagar uma dívida com a única empresa que fornece o produto no país.
“O governo atual fica impedido de pagar conta que o governo anterior fez. Foi realizada a compra, entretanto foi anulado o pagamento”, declarou.

São muitos os ofícios enviados por delegados e juízes cobrando urgência na entrega dos laudos. Só de estupro são 41 casos à espera do resultado dos exames.

“O retrato falado bate, as testemunhas indicam pessoas com aquelas características, então a gente fica na dependência deste exame para que se comprove 99,9% de que efetivamente ele é o autor do fato”, explicou a delegada Rosely Molina, titular da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam).

“Se o processo criminal é mal instruído, não tem provas suficientes para formar a convicção do juiz, para o juiz ter a certeza que aquela pessoa acusada cometeu um crime, o juiz vai absolver, porque, na dúvida, na falta de provas suficientes, absolve-se”, destacou o presidente da Associação dos Magistrados de Mato Grosso do Sul (Amamsul), Luiz Felipe Medeiros Vieira.

Casos

Há ainda dezenas de casos que dependem dos exames de DNA para o reconhecimento de corpos. Um deles estava entre as 11 pessoas que morreram após acidente entre uma van e uma carreta na BR-267 há um ano e meio.

Outro caso que nem chegou à Justiça é o de uma jovem de 22 anos que foi violentada. Isso porque o exame de DNA para comprovar quem estuprou a vítima não foi feito. O suspeito era um amigo da família.



Deixe seu Comentário

Leia Também

MARACAJU
Menina procura a avó e diz que foi obrigada a ver filmes pornográficos
CRISE AMBIENTAL
Papa cita na ONU 'perigosa situação da Amazônia e dos indígenas'
TAQUARUSSU
Ambiental autua quatro em R$ 8,4 mil e apreende 139 quilos de pescado
UEMS
Abertas inscrições para seleção de docentes temporários na área de Letras
TRÁFICO
Casal morador em Ponta Porã é preso com maconha em Minas Gerais
SAÚDE
Setembro Verde: Central de Transplantes realiza live no próximo domingo
POLÍCIA
“Ordem do presídio”, diz ladrão de 17 anos que atirou em caminhoneiro
FUTEBOL
STJD indefere pedido e confirma Palmeiras e Flamengo para domingo
MEIO AMBIENTE
Polícia desmonta acampamento, apreende arma e munição e evita caça ilegal
RIO DE JANEIRO
Lava Jato denuncia Wassef e mais 4 por peculato e lavagem de dinheiro

Mais Lidas

POLÍCIA
Caminhoneiro de Dourados morre ao capotar na serra de Maracaju
PANDEMIA
Novo decreto diminui toque de recolher e libera venda de bebidas em bares até as 23h
PROSSEGUIR
Governo atualiza mapa da Covid e Dourados volta para "bandeira vermelha"
PONTA PORÃ
Polícia apreende comboio com contrabando avaliado em R$ 1 milhão