Menu
Busca sábado, 30 de maio de 2020
(67) 99659-5905

PEC do divórcio segue para segundo turno no Senado

10 dezembro 2009 - 15h08

O processo de divórcio, reconhecido pela lei brasileira desde 1977, está prestes a ganhar um trâmite mais ágil. É o que se pretende com a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 28/2009, que deve ser votada em segundo turno pelo plenário do Senado nos próximos dias. Se aprovado, o texto extinguirá a exigência de cumprimento de um ano de separação judicial ou de dois anos do rompimento de fato para a dissolução legal da união, simplificando a vida de cerca de 500 mil brasileiros, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"A PEC propõe eliminar o instituto da separação judicial. Ou seja, deixa de existir a figura do separado e elimina o prazo de dois anos de espera para o chamado divórcio direto. Se o Estado não pede às pessoas que aguardem dois anos para ter a certeza de que querem se casar, o Estado não tem o direito de pedir que aguardem dois anos para que possam por fim a uma relação mal-sucedida, proibindo-as de buscarem a felicidade num segundo relacionamento", argumenta o deputado Sérgio Barradas Carneiro (PT-BA), autor da proposição - originalmente sugerida pelo Instituto Brasileiro de Direito de Família (Ibdfam).

Na avaliação do relator da PEC na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), senador Demostenes Torres (DEM-GO), há entendimento suficiente para a aprovação da proposta. "Os senadores estão cientes de que parte da sociedade quer a desburocratização para o divórcio". Líder da bancada do Partido Social Cristão na Câmara dos Deputados, o deputado Hugo Leal (RJ) é um ferrenho opositor da chamada PEC do divórcio. "É um absurdo. Querem transformar o divórcio em um procedimento expresso, delivery. O fim desse tempo tira a oportunidade de o casal fazer a discussão, que é uma questão programada do ponto de vista judicial e psicológico%u201D, critica.

Luto amenizado
Pai de três filhos, o empresário Gil Vicente Gama, 45 anos, defende a celeridade do processo. "Sou totalmente favorável a essa PEC. Uma separação envolve um luto, em que as duas pessoas perdem. Não é necessário um tempo tão longo para decidir se a união tem volta", opina. Em junho último, ele deu entrada a seu segundo divórcio. Em outra ocasião, Gil também pôs fim a união estável de sete anos. "Já vivi os dois lados", relata. Curiosamente, os três filhos do empresário foram concebidos fora dos casamentos. "Dois eu tive dentro da união estável e o outro, com uma namorada. Até porque, como diz o ditado, 'juntado com fé, casado é%u2019".

Se aprovada em segundo turno pelo plenário do Senado, a PEC, que já tramitou na Câmara dos Deputados, será promulgada pelo Congresso Nacional, sem a necessidade da sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Deixe seu Comentário

Leia Também

INFLUENZA
Estado chega a quase 2 mil notificações de Síndrome Respiratória Agua Grave
POLÍCIA
Abordado em carro com placas da capital, viciado entrega traficante em Dourados
CAPITAL
Primo desaparecido pode ser oitava vítima do "pedreiro assassino"
DATAFOLHA
Pesquisa aponta que 67% reprovam aproximação de Bolsonaro com 'Centrão'
TERÇA-FEIRA
Rua Júlio Marques de Almeida no Parque Alvorada será preferencial
AUTORIZAÇÃO
PF diz ao Supremo para ouvir Bolsonaro em inquérito sobre interferência
ECONOMIA
Quarto sorteio do Nota MS Premiada será realizado neste sábado
DOURADOS
Jovem morre no Hospital da Vida 19 dias após acidente de moto
DOURADOS
Motorista fica ferido após colisão entre carros na Oliveira Marques
LOTERIA
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 38 milhões neste sábado

Mais Lidas

DOURADOS
Protocolo é seguido e mulher vítima do coronavírus é enterrada sem despedida de familiares
MAIORIA JOVENS
Vítima fatal da Covid-19 faz parte da faixa etária com mais casos da doença em Dourados
COVID-19
Curva segue ascendente e Dourados ultrapassa 200 casos de coronavírus
PANDEMIA
Comitê diz que Dourados não é epicentro do novo coronavírus e descarta lockdown