Menu
Busca segunda, 25 de maio de 2020
(67) 99659-5905
ROTEIRO&VIAGENS

Paraty no Rio de Janeiro mistura natureza e história

12 setembro 2017 - 13h24

Era uma vez uma linda cidade colonial que nasceu no ciclo da cana-de-açúcar e enriqueceu no ciclo do ouro -- mas que, depois de perder a posição de mais importante porto de escoamento dos produtos brasileiros, foi sendo aos poucos abandonada até se ver em virtual isolamento durante toda a primeira metade do século 20.

Só depois da abertura da (precaríssima) estrada Cunha-Paraty, em 1964, e da inauguração da Rio-Santos, em 1972, a beleza de Paraty -- preservada pela falta de progresso e pelo tombamento pelo IPHAN em 1958 -- pôde ser redescoberta pelos forasteiros.

Paraty não tem um Aleijadinho como as cidades históricas mineiras, nem altares dourados como os de Salvador ou Olinda. Seu encanto está na singeleza de seu traçado, nos símbolos maçônicos gravados nas quinas das casas, no mar que invade as ruas próximas ao cais na maré cheia (nossa acqua alta!), na visão do mar e das montanhas, na topografia surpreendentemente plana para uma cidade portuguesa.

Paraty pode não ter ladeiras, mas tem outro poderoso redutor de velocidade de pedestres: o calçamento de pedras irregulares, conhecido como pé-de-moleque, que é inimigo de saltos de sapato e requer cuidado em qualquer caminhada. Graças ao calçamento, é impossível não seguir o melhor conselho para explorar o centro histórico: vagar sem pressa.

No primeiro dia de sol, saia de barco pelas ilhas e prainhas da baía de Paraty. Mas se não fizer sol, não tem problema: nossa bela adormecida é encantadora com qualquer tempo.

O extremo sul do litoral fluminense se caracteriza por verões quentes e chuvosos e invernos sujeitos a ondas de frio -- exatamente como o litoral norte paulista, região com a qual compartilha o paredão da Serra do Mar, que retém a umidade responsável pela existência da mata atlântica.

Em qualquer época do ano, Paraty estará mais charmosa e aprazível fora de feriadões e de férias escolares. A cidade é especialmente mágica em dias de semana, quando a densidade demográfica de visitantes é pequena, e você fica mais à vontade para zanzar pelo centro histórico e descobrir seus segredos.

A época mais seca, ideal para fazer passeios de barco e, dependendo da temperatura, pegar praia, vai de junho a setembro. No melhor cenário, esses meses oferecem dias quentes e noites agradáveis. Mas a passagem de frentes frias pode ocasionar mínimas de 15ºC ou menos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Mato Grosso do Sul ultrapassa mil casos confirmados do novo coronavírus
DOURADOS
Prefeitura estende toque de recolher em 2h em Dourados
BRASIL
Inep ajusta prazos e procedimentos do Censo Escolar 2020
GELAAAAADOOOO!!!
Dourados tem maio mais frio em quatro anos
PANDEMIA
Após números baixos e aumento do coronavírus, população de Douradina ‘se isola’ e tem melhor índice de MS
PRECAUÇÃO
Após golpes na capital, Procon orienta fim de ambulantes em estacionamentos de comércios em Dourados
COVID-19
Mais da metade dos municípios de MS tem casos confirmados de coronavírus
ELEIÇÕES 2020
Sensatez em adiarmos as eleições para dezembro
BR-463
Abacaxi atômico: polícia encontra maconha misturada a frutas
SANEAMENTO
Com cobertura acima da média, Dourados deve universalizar rede de esgoto em 10 anos

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Homem morre atropelado por rolo compactador
PANDEMIA
Dourados ultrapassa marca de 100 casos confirmados de coronavírus
MARACAJU
Homem morre após tentativa de fuga e troca de tiros com a polícia
MS-145
Motorista disse não ter visto momento que atropelou e matou ciclista