Menu
Busca quinta, 29 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
POLÍTICA

Para ministro, são 'infundadas' críticas de Rodrigo Maia à visita de secretário de Trump

19 setembro 2020 - 14h20Por G1

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, respondeu neste sábado (19) às críticas do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), à visita a Roraima de Mike Pompeo, secretário de Estado do governo Donald Trump, nos Estados Unidos. Para Araújo, as críticas são "infundadas" e baseadas em "informações insuficientes" e "interpretações equivocadas".

Junto com Araújo, Pompeo visitou nesta sexta-feira (18) as instalações da Operação Acolhida, na fronteira do Brasil com a Venezuela. O secretário fez críticas ao governo venezuelano e disse que os EUA vão "tirar" Nicolás Maduro da presidência da Venezuela.

"Só teme a parceria Brasil-EUA quem teme a democracia. Brasil + Estados Unidos por uma Venezuela livre", escreveu Araújo em uma rede social.

Em nota, Rodrigo Maia disse nesta sexta-feira (18) que a presença de Pompeo no local às vésperas da eleição presidencial nos Estados Unidos não “condiz com a boa prática diplomática internacional” e afronta as políticas brasileiras externa e de defesa.

"Como Presidente da Câmara dos Deputados, vejo-me na obrigação de reiterar o disposto no Artigo 4º da Constituição Federal, em que são listados os princípios pelos quais o Brasil deve orientar suas relações internacionais. Em especial, cumpre ressaltar os princípios da: (I) independência nacional; (III) autodeterminação dos povos; (IV) não-intervenção; e (V) defesa da paz", afirmou Maia.

Além da mensagem na rede social, Araújo publicou texto no site do Ministério das Relações Exteriores, no qual afirma que a nota de Maia é baseada em "informações insuficientes" e "interpretações equivocadas".

"Como Ministro das Relações Exteriores vejo-me também na obrigação de reiterar o disposto no Artigo 4° da Constituição Federal, inciso II, que coloca a “prevalência dos direitos humanos” entre os princípios que devem orientar as relações internacionais do Brasil", escreveu Araújo.

Segundo ele, "o legado da tradição diplomática brasileira não inclui a indiferença aos nossos vizinhos. No caso presente da Venezuela, uma tal indiferença seria imoral e colocaria em risco a segurança dos brasileiros".

Nota

Leia abaixo a íntegra de nota divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores

Visita do Secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo e do Ministro Ernesto Araújo à Operação Acolhida em Boa Vista-RR: comentários do Ministro Ernesto Araújo

O teor da nota do Presidente da Câmara dos Deputados, Deputado Rodrigo Maia, ao criticar a visita feita pelo Secretário de Estado dos EUA, em minha companhia, às instalações da Operação Acolhida em Boa Vista no dia 18/9, baseia-se em informações insuficientes e em interpretações equivocadas, que desejo aqui respeitosamente corrigir e esclarecer.

Permito-me antes de mais nada assinalar que o povo brasileiro é solidário com os povos vizinhos e a Operação Acolhida representa essa solidariedade. O povo brasileiro preza pela sua própria segurança, e a persistência na Venezuela de um regime aliado ao narcotráfico, terrorismo e crime organizado ameaça permanentemente essa segurança. O povo brasileiro tem apego profundo pela democracia e o regime Maduro trabalha permanentemente para solapar a democracia em toda a América do Sul.

Não há “autonomia e altivez” em ignorar o sofrimento do povo venezuelano ou em negligenciar a segurança do povo brasileiro. Autonomia e altivez há, sim, em romper uma espiral de inércia irresponsável e silêncio cúmplice, ou de colaboração descarada, a qual, praticada durante 20 anos frente aos crescentes desmandos do regime Chávez-Maduro, contribuiu em muito para esta que é talvez a maior tragédia humanitária já vivida em nossa região. A triste história da diplomacia brasileira para a Venezuela entre 1999 e 2018 constitui exemplo de cegueira e subserviência ideológica, altamente prejudicial aos interesses materiais e morais do povo brasileiro e a toda a América Latina.

Recordo que os Estados Unidos da América já doaram 50 milhões de dólares para a Operação Acolhida e que, no dia de ontem, o Secretário Mike Pompeo anunciou a doação de mais 30 milhões de dólares para essa Operação. Trata-se de quantia vultuosa, tendo em vista que o governo brasileiro já dispendeu 400 milhões de dólares com a Operação Acolhida. Os EUA já dedicaram igualmente quantias expressivas para ajudar no acolhimento de imigrantes e refugiados venezuelanos na Colômbia e em outros países. Brasil e Estados Unidos, portanto, estão na vanguarda da solidariedade ao povo venezuelano, oprimido pela ditadura Maduro.

Como Ministro das Relações Exteriores vejo-me também na obrigação de reiterar o disposto no Artigo 4° da Constituição Federal, inciso II, que coloca a “prevalência dos direitos humanos” entre os princípios que devem orientar as relações internacionais do Brasil. Assinalo que, em 16/9, uma missão de verificação do Conselho de Direitos Humanos da ONU (criada com copatrocínio do Brasil) apresentou relatório no qual estima que Nicolás Maduro e ministros do seu regime cometeram crimes de lesa-humanidade ao praticarem sistematicamente a tortura, assassinatos, prisões arbitrárias e outras atrocidades. Fazer prevalecer os direitos humanos, como estipula a Constituição, requer que o Brasil continue a pronunciar-se, mais do que nunca, para expor o sofrimento dos venezuelanos à atenção mundial e trabalhar em favor da redemocratização da Venezuela, único caminho para o retorno do respeito aos direitos humanos naquele país.

Absolutamente nada no posicionamento do Brasil contra a ditadura de Maduro e em favor de uma Venezuela livre fere qualquer dos princípios do Artigo 4° da Constituição. Muito pelo contrário, nossa atuação descumpriria a Constituição se fechássemos os olhos à tragédia venezuelana.

Buscar a paz não significa acovardar-se diante de tiranos e criminosos. A independência nacional não significa rejeitar parcerias que nos ajudem a defender nossos interesses mais urgentes e nossos valores mais caros. Promover a integração latino-americana não significa facilitar a integração dos cartéis da droga. A não-interferência não significa deixar os criminosos agirem sem serem incomodados. Consultem-se a respeito os ensinamentos da boa tradição diplomática, consagrada em próceres como José Bonifácio, Honório Hermeto Carneiro Leão, Joaquim Nabuco e Oswaldo Aranha, além do próprio Barão do Rio Branco.

O legado da tradição diplomática brasileira não inclui a indiferença aos nossos vizinhos. No caso presente da Venezuela, uma tal indiferença seria imoral e colocaria em risco a segurança dos brasileiros.

Muito me orgulho de estar contribuindo, juntamente com o Secretário de Estado Mike Pompeo, sob a liderança dos Presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump, para construir uma parceria profícua e profunda entre Brasil e Estados Unidos, as duas maiores democracias das Américas. Só quem teme essa parceria é quem teme a democracia.

Ernesto Araújo

Ministro de Estado das Relações Exteriores

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Arma é apreendida em residência após mandado de busca e apreensão
CLIMA
Após madrugada de ventos fortes e chuva, Dourados tem novo alerta de tempestade
REGIÃO
UFGD prorroga prazo para solicitar isenção da taxa dos vestibulares
LOTERIA
Mega-Sena acumula e pode pagar prêmio de R$ 52 milhões no sábado
COMER BEM
5 benefícios de beber água
TV DOURADOS NEWS
Rio Dourados tem 150 competidores no torneio "Pesca de Gigantes"
PONTA PORÃ
Soropositivo invade hospital e ameaça jogar sangue em funcionários
JUSTIÇA
Semana da Conciliação 2020 será de 30 de novembro a 4 de dezembro
MEIO AMBIENTE
MPF recorre a tribunal para afastar o ministro Ricardo Salles do cargo
IMPOSTO
Prazo para pagar licenciamento de veículo com placas final zero termina amanhã

Mais Lidas

DOURADOS
Enquanto filma chuva, interno mostra ‘plantação’ de maconha em cela da PED
BR-463
Homem para carro em bloqueio, desce atirando e morre em confronto com a polícia
PANDEMIA
Menino de 5 anos é a primeira criança a morrer de coronavírus em MS
PROCURADO
Acusado pela morte de ator falsificou documento e disse ter nascido em MS