Menu
Busca terça, 27 de julho de 2021
(67) 99257-3397

Palocci diz que correção do IR ajudará quem ganha menos

07 dezembro 2004 - 18h47

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, informou hoje que "não há qualquer definição" sobre correção das alíquotas do Imposto de Renda. Ele ressaltou que as negociações entre Executivo e Legislativo prosseguem, e que cabe ao Congresso Nacional decidir a questão. "Meu papel é fechar as contas". Palocci fez as afirmações no início da tarde, ao deixar o gabinete do presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP). Ele conversou com o parlamentar sobre a Lei de Falências e revelou a João Paulo sua inteira confiança de que o texto será aprovado ainda neste ano. A nova legislação permitirá maior controle das operações das empresas e a redução dos riscos de calote na praça, contribuindo para reduzir o spread (diferença entre o que o banco paga para captar e cobra para emprestar recursos). Sobre a correção do Imposto de Renda, Palocci ressaltou que o imposto no Brasil "é baixo, comparado a outros países". Para ele, a alíquota máxima, de 27,5%, "não é excessiva". No entanto, o ministro considerou justa a reivindicação de que a tabela seja corrigida e disse que o governo busca "alguma melhora", principalmente para quem ganha menos. Palocci visitou o Congresso Nacional para assistir ao lançamento do sistema Siga Brasil, criado pela Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle do Senado Federal. O sistema permite acompanhar todas as fases dos gastos públicos: desde o projeto de lei até a execução final. O siga Brasil é diferente do portal Transparência, da Corregedoria-Geral da República, que mostra apenas a execução dos gastos. O lançamento foi no Salão Nobre do Congresso, quando os presidentes do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e da Câmara assinaram convênio para transferência da tecnologia, possibilitando a que todos os parlamentares tenham acesso às informações do sistema por computador. Inicialmente, também terão acesso aos dados os técnicos do Tribunal de Contas da União (TCU) e dos ministérios da área econômica, além dos comitês de imprensa. De acordo com o senador Sarney, a intenção é ampliar o acesso a toda a sociedade, pela internet, no ano que vem. Por enquanto, qualquer cidadão pode acessar os dados nos computadores instalados no Salão azul do Senado. Palocci manifestou confiança de que o sistema de acompanhamento, que opera com cruzamento de dados dos diferentes setores envolvidos na execução orçamentária, contribua para a organização das contas públicas, dando total transparência aos gastos da União. Para o ministro da educação, Tarso Genro, que também participou do lançamento, o siga Brasil "será uma prestação real de contas ao contribuinte".  

Deixe seu Comentário

Leia Também

CREDENCIAMENTO
Escolagov divulga pontuação de candidatos em processo seletivo
FRONTEIRA
Polícia prende acusado de tentativa de estupro contra estudantes de medicina
FUTEBOL
Final da Libertadores no Uruguai é transferida para dia 27 de novembro
Passageiro de ônibus é preso com mais de 30 quilos de maconha 
TRÁFICO
Passageiro de ônibus é preso com mais de 30 quilos de maconha 
BRASIL
Revisão de 170 mil benefícios do INSS começa no mês de agosto
REGIÃO
Durante investigação, policiais encontram droga em casa abandonada
NÚMEROS DA PANDEMIA
Brasil registra mais 1.320 mortes por Covid e se aproxima de 552 mil
CAMPO GRANDE
Tia e sobrinho são presos tentando esconder maconha no telhado
POLÍCIA
Caminhão é abandoando em rodovia com 20 mil pacotes de cigarros
CAPITAL
Sobrinha identifica ciclista que morreu após atropelamento na BR-163

Mais Lidas

DOURADOS
Revoltados por morte de adolescente, populares atacam casa de acusado
POLÍCIA
Adolescente de 13 anos morre após ser atropelado no Estela Porã; motorista fugiu
DOURADOS
Homem é esfaqueado na Rua Monte Alegre e encaminhado em estado grave ao HV
ESTRELA PORÃ
Homem que atropelou e matou adolescente de 13 anos é preso em Dourados