Menu
Busca segunda, 18 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397
MUNDO

Países firmam acordo histórico que indica mudança no combate ao aquecimento

12 dezembro 2015 - 20h00

Aprovado por consenso, o Acordo de Paris indica uma virada decisiva em como o mundo encara a questão das mudanças climáticas. Ao aceitar um objetivo ousado -- de limitar as emissões bem abaixo de 2ºC acima dos níveis pré-industriais, e em direção a 1,5ºC--, os países assumem o compromisso de adotar medidas para esse fim. O acordo deve começar a vigorar em 2020.

Este é um acordo histórico: é a primeira vez que todos os países do mundo se comprometem em reduzir suas emissões (o Protocolo de Kyoto de 1997 era apenas para os países ricos), e com um objetivo que exige ações drásticas e imediatas -- já aquecemos 1ºC. E é aí que entram os entraves.

O documento não descreve quais ações os países devem fazer para reduzir suas emissões e nem traz metas para isso - nem as tidas como voluntárias -, ele apenas afirma que é necessário desenhar o caminho que deve ser perseguido nos próximos anos. Espera-se que até 2020, essas informações já estejam melhor delineadas, já que os países reúnem-se ano a ano para discutir mais detalhes do acordo. Revisões já estão marcadas para 2018 e 2019.

Também foi acertado o fundo de US$ 100 bilhões ao ano provido por países desenvolvidos para os países mais pobres reduzirem suas emissões e se adaptarem às mudanças climáticas. Os países emergentes são convidados a participar com doações. Este fundo deve ser revisto em 2025.

Com os objetivos claros no texto, a pressão por ações também se torna mais embasada. O clima entre ONGs ambientalistas é de comemoração. Para a maioria deles, o acordo é bom o suficiente para colocar o mundo no caminho das renováveis: seria o início do fim dos combustíveis fósseis (carvão, petróleo e derivados).

Mas, se por esse lado o acordo é bom, pensando no que já deveríamos estar fazendo, a cena muda de figura. O texto traz muito mais promessas e desejos do que ações concretas a serem realizadas. Para ser aprovado, todos os pontos que obrigavam os países a reduzirem suas emissões e até a aumentarem as metas (como é necessário para manter o aumento da temperatura em 1,5ºC) foram cortados.

A falta de garantia preocupa: "A grande preocupação é que não há nenhuma garantia de assistência para aqueles que sofrem de os impactos imediatos das mudanças climáticas, especialmente as populações mais pobres e vulneráveis", afirma Tasneem Essop, chefe da delegação do WWF na Conferência da ONU para o Clima.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Profissionais de transportes entram no grupo prioritário da vacinação
IMUNIZAÇÃO
Profissionais de transportes entram no grupo prioritário da vacinação
Homem que mantinha aves em cativeiro é multado em mil reais pela PMA
CRIME AMBIENTAL
Homem que mantinha aves em cativeiro é multado em mil reais pela PMA
ATUALIZAÇÃO
Covid-19: Brasil passa das 210 mil mortes causadas pela pandemia
ECONOMIA
Produção de aço caiu 4,9% em 2020, informa o Instituto Aço Brasil
ESPORTES
Brasil terá caras novas em jogos finais das eliminatórias da AmeriCup
MATO GROSSO DO SUL
"É preciso despolitizar a vacina", diz governador durante vacinação simbólica
ECONOMIA
Dólar fecha em leve queda com mercado atento a vacinação e trajetória de taxa de juros
LEVANTAMENTO
Óbitos em cartórios apontam 2020 como o ano mais mortal da história de MS
EDUCAÇÃO
Correios entrega 5,5 milhões de provas na primeira etapa da operação Enem 2020
TRAGÉDIA
Casal morre após caminhonete colidir contra carreta na BR- 163

Mais Lidas

DOURADOS
Morto por descarga elétrica pode ter tentado consertar portão
ACIDENTE
Homem morre após sofrer descarga elétrica em Dourados
DOURADOS 
Jovem cai de moto e pede ajuda após levar facada
DOURADOS
Comitê alerta para crescente da Covid e prefeito expede decreto com novas regras