quarta, 17 de agosto de 2022
Dourados
29°max
19°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

Ouvidor denuncia milícia armada em fazenda de prefeito

02 setembro 2004 - 23h38

O ouvidor agrário nacional Gercino José da Silva denunciou ao Ministério Público Estadual a presença de 70 jagunços armados na fazenda Nazaré, em Marabá Paulista, no Pontal do Paranapanema. A área pertence à família do prefeito de Presidente Prudente, Agripino de Lima (PTB). Segundo ele, o grupo estaria ameaçando de morte integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) que estão acampados em um sítio vizinho. Silva pediu providências para "garantir a ordem pública e a incolumidade das famílias de trabalhadores rurais sem-terra". A denúncia foi feita no último dia 12, ao promotor de Presidente Venceslau, Lincoln Gaklya, mas somente hoje o administrador da fazenda, Paulo Arruda, genro do prefeito, tomou conhecimento, ao ser notificado pela justiça. Ele negou a denúncia e entrou em contato com a União Democrática Ruralista (UDR). O presidente da entidade, Luiz Antonio Nabhan Garcia, divulgou nota informando que a UDR vai processar o ouvidor agrário por denunciação caluniosa e por infringir o princípio da legalidade. O promotor não foi encontrado ontem no fórum. O Departamento de Ouvidoria Agrária e Mediação de Conflitos, do qual Silva é o ouvidor nacional, é vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Agrário e à Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República. No requerimento enviado ao promotor, Silva invoca também sua condição de presidente da Comissão Especial de Combate á Violência no Campo, criada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com a incumbência de garantir os direitos das pessoas envolvidas em conflitos fundiários e zelar pela paz na zona rural. Segundo ele, a presença dos jagunços armados foi constatada pela mediadora de conflitos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Sabrina Bitencourt. A fazenda foi invadida duas vezes este ano pelo MST. Na terceira tentativa, no início deste mês, os militantes foram repelidos. Segundo Nabhan, como a ordem judicial de interdito proibitório não vinha sendo respeitada pelos sem-terra, os proprietários contrataram "alguns funcionários, e não jagunços, para evitar crimes de danos, destruição, furto e incêndio, como ocorreu recentemente".

Deixe seu Comentário

Leia Também

IVINHEMA

Jovem é preso suspeito de estuprar uma colega de escola de 12 anos

POLÍTICA

Soraya Thronicke propõe substituir impostos federais por um só tributo

Vendedor é preso após oferecer carona e beijar menina de 12 anos

JUDICIÁRIO

STF retoma nesta quinta julgamento sobre nova Lei de Improbidade

CORUMBÁ

Homem é preso por agredir e manter esposa em cárcere

GERAL

Jogos da Copa da Juventude começam no dia 26 de agosto em Dourados

PM é denunciado por tortura cometida quando 'caçava' assassinos do filho

ECONOMIA

Empréstimo consignado do Auxílio Brasil deve começar em setembro

PF cumpre mandado de busca no envio de drogas sintéticas pelos Correios

ECONOMIA

Saiba como declarar o Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural

Mais Lidas

TRAGÉDIA

Passageiro tem corpo dilacerado ao cair de moto e ser atropelado por carreta 

BELA VISTA

Acidente em estrada vicinal mata líder sindical em MS

ESTADO GRAVE

Mulher é esfaqueada por vizinho por se recusar a emprestar carregador

NOVA ANDRADINA

Funcionário de companhia de água encontra feto de bebê em esgoto