Menu
Busca segunda, 08 de março de 2021
(67) 99257-3397
SEU BOLSO

Órgãos de proteção alertam consumidor sobre compra de material escolar

17 janeiro 2021 - 18h00Por Gizele Almeida

Atentos às dúvidas sobre a compra de material escolar, os órgãos que atuam na defesa do consumidor divulgaram neste início de ano recomendações para que os pais fiquem atentos ao que pode ou não ser solicitado pelas escolas.

No contexto da pandemia de covid-19, a recomendação geral é que as compras sejam feitas online, o que facilita inclusive a comparação de preços. O consumidor, porém, deve verificar se a loja virtual é confiável, divulgando um canal de atendimento claro, como telefone ou email, por exemplo. É importante também guardar registros das transações e ficar atento a prazos de entrega.

Em relação às listas de materiais, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) alerta que itens de uso coletivo, como de higiene e limpeza, não devem ser solicitados pelas escolas. Nem mesmo itens como álcool-gel, muito utilizado em função da pandemia.  

O órgão também alerta que as instituições de ensino não podem exigir marcas ou locais de compra específicos. “Isso configura venda casada e é proibida pelo Código de Defesa do Consumidor”, destacou a Senacon em nota. As exceções são os materiais que não são vendidos no comércio em geral, como apostilas próprias.

O Instituto de Defesa do Consumidor do Distrito Federal (Procon-DF) frisa que, além da marca, as escolas também não podem exigir itens de um modelo específico. A exceção são os uniformes.   

O Procon ressalta que, sobretudo no contexto da pandemia, a legislação permite aos pais a entrega parcelada do material, que deve ser feito, no mínimo, oito dias antes do início das atividades.

Ainda em função da pandemia, o Procon recomenda que os pais verifiquem com a escola a cobrança repetida de materiais que não foram utilizados em 2020, devido à suspensão das aulas e do fechamento das instituições de ensino. “É esperado que a lista escolar seja menor e mais barata esse ano, com o reaproveitamento de itens que não foram utilizados no ano passado”, assinala o órgão.

No caso dos livros didáticos, as escolas também não podem recomendar que o aluno não reaproveite material que já foi utilizado por um irmão, por exemplo. Isso só é permitido se a publicação estiver desatualizada.

Vale lembrar que a lista de material deve vir acompanhada de um plano de execução, que deve descrever, de forma detalhada, os quantitativos de cada item de material e a sua utilização pedagógica.

A volta das aulas presenciais depende do sinal verde das administrações municipais, e os pais devem ficar atentos à situação de sua cidade, pois as autoridades locais podem adiar o retorno, a depender dos números da pandemia. Nesse caso, a lista de materiais pedida pela escola também pode sofrer alterações.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADE
Pátio Zero: Detran abre novo leilão e 75 veículos poderão voltar a circular
Homem é autuado em R$ 3 mil por derrubada de árvores e exploração de madeira 
CRIME AMBIENTAL
Homem é autuado em R$ 3 mil por derrubada de árvores e exploração de madeira 
DISTÂNCIA
IFMS prorroga prazo para matrícula em cursos de qualificação profissional
Ex-pastor que fez mulher refém por 12 horas é encontrado morto
CAPITAL
Ex-pastor que fez mulher refém por 12 horas é encontrado morto
PANDEMIA
Média de mortes por Covid chega a 1.540 e é recorde pelo 10º dia seguido
FRONTEIRA
Procurado por roubo tem braço esquerdo decepado em bebedeira com amigos
PANDEMIA 
Dourados fecha o dia com 94% dos leitos de UTI Covid ocupados
PONTA PORÃ
Polícia fecha entreposto de drogas e apreende de 4 toneladas de maconha
REGIÃO
UEMS divulga lista de inscritos no processo seletivo permanente
POLÍCIA
Após tentativa de suicídio, PRF apresenta quadro de saúde estável

Mais Lidas

PONTA PORÃ
Homem é assassinado na região de fronteira e autores deixam recado ao lado do corpo
CENTRO
Douradense é assaltado ao sair de casa para pedalar na madrugada
IMUNIZAÇÃO
Vacinação contra a Covid faz idosos 'amanhecerem' na fila em Dourados
DOURADOS 
Bebê de 9 meses espancado pela mãe é transferido para o HU