Menu
Busca quarta, 27 de maio de 2020
(67) 99659-5905

ONU encerra buscas e desafio é reerguer Haiti

24 janeiro 2010 - 07h00

"Os que sobreviveram caminham como se estivessem mortos." A frase, de um jovem haitiano que perdeu a mãe e a irmã mais nova, definiu com terrível precisão as pessoas que vagavam pelas ruas nos primeiros dias depois da "catástrofe", como é chamado aqui o terremoto do dia 12. A cada dia que passou, a frase foi perdendo sentido. Sem chance de enterrar seus mortos, o luto e o choque dos haitianos deram lugar a um impulso mais primitivo: o da sobrevivência.

Vieram os saques, a disputa desesperada nas distribuições de alimentos e água, os últimos gourdes (a moeda local) trocados por verduras e frutas e, finalmente, as filas imensas na reabertura das agências de transferência de dinheiro e dos bancos poupadas pelo terremoto. O Haiti e sua economia renascem. Mas, além da metade dos 200 mil mortos estimados, que não foi retirada dos escombros, o que mais do Haiti foi sepultado pelo terremoto?

Desde a queda do presidente Jean-Bertrand Aristide, em fevereiro de 2004, o país passa por um árduo processo de estabilização e construção de instituições. "O Haiti perdeu uma geração e retornou a um passado desconhecido, já que jamais se encontrou, em toda a sua história, tão enfraquecido e dependente do exterior, como agora", avalia Ricardo Seitenfus, há um ano representante especial da Organização dos Estados Americanos no Haiti.

Estavam previstas eleições para o Parlamento em fevereiro e para presidente em novembro. O Conselho Eleitoral sequer se reuniu para decidir se as datas serão mantidas. Para Seitenfus, diretamente envolvido no processo eleitoral, o país "perdeu uma oportunidade única de ingressar num círculo virtuoso que havia sido preparado ao longo de 2009: reorganização institucional, reforma constitucional, consolidação do Estado de Direito e da democracia e, finalmente, retomada dos investimentos externos."

De acordo com o general Floriano Peixoto, comandante da força militar da ONU no Haiti, do ponto de vista da segurança, "não mudou praticamente nada" com o terremoto. "Já havia sequestros, saques e estupros. Essa é a razão por que estamos aqui", diz o comandante, que fez parte do primeiro contingente da ONU no Haiti, em 2004. Ele admite que os milicianos que fugiram da Penitenciária Nacional de Porto Príncipe, destruída pelo tremor, estão "reagrupando-se e planejando ações para o futuro". Até porque, agora, nem têm sequer o que roubar. "Eles poderão tentar alguma coisa, e vão levar na cabeça como levaram a partir de 2006."

Já no processo institucional, o general compara o Haiti a "uma pessoa que sai caminhando feliz da vida e leva um soco de um homem fortíssimo que a derruba no chão". Ele afirma que as instituições, o Parlamento, o sistema prisional, os hospitais e outros serviços vinham funcionando. "De repente, isso acaba."

Peixoto garante que o Haiti tem solução, desde que a comunidade internacional o ajude a reerguer-se: "O haitiano é um povo bom, com autoestima e talento muito acima do normal e orgulho nacional enorme", como a primeira nação das Américas que proclamou a independência e ao mesmo tempo aboliu a escravatura, em 1804. "Isso criou um amálgama." Mas o general não tem dúvida de que a reconstrução vai demorar mais que uma geração.

O embaixador do Brasil no Haiti, Igor Kipman, diz que, apesar de "catastrófico", o terremoto pode ter duas consequências positivas. A primeira é a união dos políticos haitianos. O país tem 150 partidos, dos quais mais de 50 apresentaram candidatos à eleição. Ele observa que líderes de outras correntes políticas foram visitar o presidente René Préval para prestar solidariedade. "A catástrofe faz que todos criem um certo pacto pela reconstrução do país." Além disso, diz o embaixador, muitos dos países que o estão agora ajudando nunca tinham tido qualquer envolvimento com ele. "Eu nunca tinha visto pousar um avião russo nesse aeroporto", exemplifica.

Seitenfus também vê duas esperanças no terremoto: primeiro, a compreensão da dimensão do desafio do Haiti. "Além de imoral, não há como estabilizar um país com 80% de desemprego, 50% de analfabetismo, desníveis socioeconômicos imensos, déficit em educação e saúde", enumera, lembrando que 90% do gasto da comunidade internacional era destinado à área militar. A segunda esperança é a possibilidade de um consenso nacional, um pacto político. "Espero que a dor imensa que se esparrama pelo país leve seus políticos a tomar consciência dessa imperiosa necessidade."

var keywords = "";

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÊS LAGOAS
Empresária paulista perde R$ 50 mil ao negociar compra de sucata
ECONOMIA
Governo Federal libera mais R$ 28,7 bilhões para auxílio emergencial
TRÁFICO
PRF apreende 254 quilos de maconha e prende batedores na fronteira
SUPREMO
Celso de Mello envia à PGR requerimento contra Carla Zambelli
PONTA PORÃ
Motorista não explica procedência de R$ 68 mil e acaba na Polícia Federal
ARTISTA
Pagamento da 1ª parcela do edital “MS Cultura Presente” está disponível
POLÍTICA
Governo vai disponibilizar lista de quem recebeu auxílio emergencial
JUSTIÇA
Após 26 dias presa, mulher que matou marido a facadas ganha liberdade
BANDEIRA TARIFÁRIA
Conta de luz não terá cobrança extra até o fim do ano, informa Aneel
BR-262
Veículo furtado na Bahia é recuperado durante barreira sanitária

Mais Lidas

DOURADOS
Prefeitura estende toque de recolher em 2h em Dourados
PANDEMIA
Dourados tem mais de 150 casos de Covid-19 e secretário diz ser assustadora a crescente na região
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher