Menu
Busca quinta, 25 de fevereiro de 2021
(67) 99257-3397

OAB cobra de Lula limite no número de medidas provisórias

28 abril 2004 - 09h28

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Roberto Busato, afirmou hoje, que o Brasil "parece um país surrealista, em que nem mesmo um compromisso escrito e assumido publicamente pela mais alta autoridade é cumprido". A observação foi feita ao comentar as críticas do presidente da Câmara dos Deputados, João Paulo Cunha (PT-SP), ao número exagerado de medidas provisórias editadas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Busato lembrou que Lula assumiu compromisso com a OAB, em 1998, de  "acabar com o uso indiscriminado de MPs".O presidente da Câmara dos Deputados  afirmou que "está na hora do Executivo maneirar na edição de medidas provisórias" e acrescentou que "elas em excesso atrapalham". O presidente da OAB observou que o presidente Lula, criticado até por parlamentar de seu próprio partido por exagerar no uso das MPs, prometeu que não utilizaria indiscriminadamente esse instrumento, que a entidade dos advogados considera antidemocrático. "Temos cobrado o cumprimento dessa promessa do presidente, assumida publicamente com a entidade", lembrou Busato. "Infelizmente,  não está havendo nenhuma fidelidade ao compromisso por parte de sua excelência. Seu governo já editou, em termos proporcionais, mais medidas provisórias que o anterior. E, a exemplo do anterior, não respeitou também os pressupostos de urgência e relevância", criticou Roberto Busato.O compromisso do presidente Lula de não fazer uso indiscriminado das MPs, lembra Busato, foi assumido em julho de 1998, perante o Conselho Federal da OAB, quando ele apresentou vários pontos de seu programa de governo na condição de candidato à Presidência da República. Na época, ele concorreu pela chapa Muda Brasil, contra o também candidato Fernando Henrique Cardoso, que conquistou seu segundo mandato nessa disputa.Em documento contendo o pensamento de Lula e encaminhado então à OAB traz nove compromissos assumidos publicamente por ele com a entidade e, quanto às medidas provisórias,  afirma textualmente: "Assumo o compromisso de acabar com o uso indiscriminado de medidas provisórias. O atual governo (FHC) adotou mais MPs do que os decretos-lei editados pelos governos militares. Limitar-me-ei ao que prescreve a Constituição Federal - para cuja elaboração contribuí - de só editar medidas provisórias em situações de excepcionalidade e emergência". 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CHAPADÃO DO SUL
Capataz cai de moto ao sair para trancar porteira e morre no hospital
BRASIL
Bolsonaro entrega projeto que abre caminho para privatização dos Correios
POLÍCIA
Acusado de estupro, vice-presidente da OAB em MS se afasta da função
ECONOMIA
Clientes da Caixa podem acessar serviços do governo pelo aplicativo
TRÊS LAGOAS
Mulher é mantida refém e sofre tentativa de estupro por invasor de casa
MS
Mais de 1,2 mil privados de liberdade realizam o Enem em MS
CRIME AMBIENTAL
Mulher é presa e multada em R$ 2 mil por pescar em local proibido
EMPREGO
Depen suspende provas de concurso público para 309 vagas
CAPITAL
Idoso morre horas após cair quando fazia manutenção em telhado
TECNOLOGIA
Detran/MS agora tem sinal de wi-fi gratuito em agências do interior

Mais Lidas

REGIÃO
Homem é preso após estuprar menina de 11 anos
POLÍCIA
Identificada vítima fatal de acidente entre carretas
DOURADOS
Câmara aprova projeto do Executivo para elevar remuneração de secretários municipais
BELEZA
Representante de Dourados está na final do Miss Brasil Teen