Menu
Busca quinta, 13 de maio de 2021
(67) 99257-3397

OAB apresenta balanço sobre vistorias em manicômios

16 agosto 2004 - 13h31

A Comissão Nacional de Direitos Humanos (CNDH) do Conselho Federal da Ordem do Advogados do Brasil apresentou hoje, na sede da OAB em Brasília, o balanço nacional das vistorias realizadas no último dia 22, em 38 manicômios de 15 estados e do Distrito Federal. "Depois que os relatórios parciais começaram a chegar às nossas mãos eu passei a dizer que, no Brasil, saúde mental é coisa de louco", afirmou o presidente da CNDH, Edísio Simões Souto. O trabalho foi feito em parceria com a Comissão de Direitos Humanos do Conselho Federal de Psicologia (CFP). Segundo Edísio Souto, o quadro, em quase todos os manicômios visitados "é de extrema preocupação". O relatório informa que foram encontrados pacientes nús em regiões frias, hospitais tratando doentes mentais como presidiários, em enfermarias fechadas com grades e cadeados, hospitais sem plantões médicos no fim de semana, alguns sem terapeutas ocupacionais, e hospitais sem medicamentos indispensáveis aos tratamentos. "Faz-se de conta que se trata, quando na verdade, sem esses profissionais e sem medicamentos não se está tratando ninguém", afirma Souto. O relatório final será encaminhado ao Ministério da Saúde. De acordo com o presidente da comissão, o ministério sinalizou, em nota, que fará inspeção nas unidades psiquiátricas do país. Ainda segundo Souto, diretores de hospitais psiquiátricos reclamam do pagamento do Sistema Único de Saude (SUS) pelas internações nessas unidades e isso também será discutido com o Ministério. O presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB aponta como o maior problema a inexistência de fiscalização nessas unidades hospitalares. "Está faltando fiscalização por parte do SUS, porque o SUS tem uma resolução que estabelece o que uma unidade psiquiátrica tem que ter e nós observamos "in loco" que vários desses ítens não estão sendo cumpridos". Sobre a possibilidade de o relatório fortalecer a luta contra essas instituições, Souto disse que a OAB não pode fazer uma avaliação técnica se é favorável ou não a essa luta. Mas "manter pessoas do jeito que nós vimos aí, a OAB passa a ser contra". Ele admite a internação, "mas com dignidade, com tratamento com medicamentos e, efetivamente, com alguém sendo tratado". O relatório inclui sugestões ao Ministério da Saúde, entre elas maior fiscalização, discussão em nível técnico sobre a internação em hospitais psiquiátricos e uma separação nos manicômios entre pacientes com problemas neurológicos e os que são tratados por problemas mentais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASILÂNDIA
Jovem de 23 anos destrói recepção de hospital durante surto
BRASÍLIA
Secretário Mario Frias é submetido a cateterismo de emergência
TRÊS LAGOAS
Homem que matou cantor a tiros em tabacaria é condenado a 46 anos
BRASIL
Câmara aprova projeto que pode restringir atuação da oposição
Homem contrai dívida de R$ 32 mil ao fazer portabilidade de empréstimo
BENEFÍCIO
Cultura prorroga prazo para entrega de documentação do FIC
POLÍCIA
Condutor de lancha envolvida em acidente com morte presta depoimento
EDUCAÇÃO
Metas do Inep para o ano não incluem aplicação do Enem 2021
IVINHEMA
Três dias depois de ser envenenada pela mãe, criança recebe alta
FERIADO
Comarca de Angélica não terá expediente amanhã e sexta-feira

Mais Lidas

INDÁPOLIS
'Frio' e com roupa ainda suja de sangue, assassino de tio não mostrou arrependimento ao ser preso
PANDEMIA
Novo decreto mantém toque de recolher às 21h e autoriza abertura de cinema em Dourados
DOURADOS
Descontrolado, pastor xinga policiais por ser orientado a diminuir som de igreja
CLIMA
Inmet alerta Dourados para perigo de chuvas intensas e declínio de temperatura