Menu
Busca quarta, 12 de maio de 2021
(67) 99257-3397

O PT está perdendo um companheiro histórico, por Biasotto

27 janeiro 2011 - 13h30

O Partido dos Trabalhadores perdeu um companheiro insubstituível. Perdemos Enio Ribeiro de Oliveira que se desfiliou ontem do Partido dos Trabalhadores. Insubstituível, porque ninguém repetirá a histórica trajetória de Enio no partido e, além do mais, essa conversa de de que ninguém é insubistituível é besteira inventada pela burguesia para tapear os trabalhadores.

Conheci Enio Ribeiro em meados da década de 1980, quando cursava Geografia do CEUD/UFMS, hoje UFGD. Em 1988 trabalhamos irmanados em uma campanha que tinha Laerte Tetila como candidato a prefeito e Hilario Paulus a vice. Nós fomos candidatos à Câmara. Éramos sete, sete Quixotes lutando contra moinhos de vento, na esperança de darmos consistência ao PT em Dourados: Iara, Onildo, Israel, Antonio Leopoldo, João da Saúde, Nilson, Enio e eu. Quanto trabalho, quanta dedicação, quanto acreditávamos que o nosso partido poderia contribuir na construção de administrações sérias, voltadas para o povo. Quanto acreditávamos na construção de uma sociedade melhor!

Tenho guardada até hoje uma fita com a gravação de um discurso que fizemos na vila São Pedro. Essa fita gravei posteriormente em CD, mas deve estar tão bem guardada que não a encontro. Assim que topar com ela a minha primeira ação será reproduzi-la para presentear o Enio com uma cópia.
Enio tinha desde aquela época um discurso firme, bem embasado em uma ideologia socialista que prega a existência de uma sociedade mais justa, mais fraterna e mais igualitária.

Desde então e até hoje, o professor Enio mantêm os seus princípios. Na Administração Tetila, na primeira gestão, foi Superintendente da Secretaria de Serviços Urbanos e na segunda foi Superintendente na Secretaria de Educação. No PT foi um militante exemplar, tendo participado várias vezes do Diretório Municipal, onde foi inclusive Presidente e do Diretório Estadual. Por último foi coordenador de uma das principais correntes internas do partido, a Democracia Socialista – DS.
Em todos os lugares por onde passou deixou a sua marca de honestidade, responsabilidade com a coisa pública, dedicação e capacidade politico-administrativa.

Eis que agora, 23 anos depois, Enio torna pública a sua desfiliação do Partido dos Trabalhadores. Não que tenha se cansado, não que tenha envelhecido, não que tenha feito alguma inimizade, apenas e simplesmente entendeu que a sua luta, a sua fé, a sua ideologia não é mais a mesma expressa pelo PT da atualidade. A coligação DEM e PT foi apenas a gota d’água. Muitos companheiros históricos não se conformam com os rumos que o PT tem tomado.

Eu disse, companheiros. E tenho comigo que a palavra companheiro é de origem latina e significa, na mais radical concepção, aqueles que compartilham o pão (panem). Penso que Enio seja um desses companheiros capazes de realmente compartilhar o pão. Mas compartilhar com quem, hoje em dia, dentro do PT?

Enio se desfiliou. Presumo que não tenha sido fácil, havia um laço entre ele e o partido que parecia inquebrantável. E esse laço se rompeu. Deve ter sido doloroso, como são todos os rompimentos, desde o primeiro que experimentamos na vida que é o do cordão umbilical, até o rompimento derradeiro com a vida, que também não deve ser indolor.

Entristeço-me com a desfiliação de Enio, como da mesma forma me entresteci com a saída da Iara, do Aquiles, de Heloisa Helena e de tantos outros tão valorosos companheiros. Mas de uma coisa estou convencido, se o Brasil é hoje o que é, se deixou de ser considerado um país de terceira categora para ser respeitado no concerto das nações, estou certo de que a luta de Enio e de tantos outros não foi em vão.

Não sei quantos outros companheiros deixarão o PT, mas de uma coisa estou absolutamente convicto, para onde Enio Ribeiro de Oliveira for, irá com ele princípios inabálaveis.
Consola-me o fato desse mundo ser pequeno e dar muitas voltas, então canto com Fernando Brant e Milton Nascimento a Canção da Améria: “Pois seja o que vier, / venha o que vier / Qualquer dia, amigo, eu volto a te encontrar / Qualquer dia, amigo, a gente vai se encontrar.

Suas críticas são bem vindas: biasotto@biasotto.com.br

* Membro da Academia Douradense de Letras; aposentou-se como professor titular pelo CEUD/UFMS, onde, além do magistério e desenvolvimento de projetos de pesquisas, ocupou cargos de chefia e direção.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 27 milhões nesta quarta-feira
LOTERIA
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 27 milhões nesta quarta-feira
Ministério aprova zoneamento agrícola de risco climático para soja em MS
SAFRA 2021/2022
Ministério aprova zoneamento agrícola de risco climático para soja em MS
Homem morre após ser encontrado ferido em frente residência
DOURADOS
Homem morre após ser encontrado ferido em frente residência
Descontrolado, pastor xinga policiais por ser orientado a diminuir som de igreja
DOURADOS
Descontrolado, pastor xinga policiais por ser orientado a diminuir som de igreja
Com 5 mil casos de Covid-19, sistema prisional mantém visitas suspensas
MS
Com 5 mil casos de Covid-19, sistema prisional mantém visitas suspensas
DOURADOS
Adolescente é apreendido com mala recheada de drogas na rodoviária
PANDEMIA
Anvisa determina vacinação apenas em grávidas e puérperas com comorbidades
ASSEMBLEIA DE MS
Na sessão desta quarta-feira, deputados devem apreciar seis projetos
DOURADOS
Servidores que tomaram ou recusaram vacina devem retornar ao trabalho presencial
INDEPENDÊNCIA
PF deflagra operação contra fraude em licitação na reforma de praça

Mais Lidas

PANDEMIA
Levado pela Covid-19, "João da União" deixa legado para família e em Dourados
INDÁPOLIS
'Frio' e com roupa ainda suja de sangue, assassino de tio não mostrou arrependimento ao ser preso
DOURADOS
Homem morre no HV após acidente com condutor que empinava moto
PANDEMIA
Novo decreto mantém toque de recolher às 21h e autoriza abertura de cinema em Dourados