Menu
Busca quinta, 13 de maio de 2021
(67) 99257-3397

O povo é um detalhe , por Paulo Renato Netto

10 fevereiro 2011 - 12h45

O que causa espécie e chama a atenção na acaçapante votação do Projeto de Lei Complementar que incluiu a Expogrande entre as exceções à Lei do Silêncio é o resultado unânime: 19 votos favoráveis e uma abstenção, por ausência, de um vereador. O presidente da Casa não votou. Só o faria em caso de empate.

Basicamente, se os vereadores representam a população de Campo Grande e estes votaram em peso em favor dos shows que infernizam milhares de moradores que têm o azar de morar perto do Parque Laucídio Coelho, significa, pela ótica dos vereadores, que não existe absolutamente um único cidadão que seja contra o som insuportável que a feira emite em suas edições.

Só que na matemática política dois mais dois não são quatro. Na democracia, vereadores, deputados estaduais, federais e senadores são eleitos justamente para o exercício do debate e da controvérsia. Não fosse isso, não seriam necessários 513 deputados federais para representar o povo na Câmara Federal. Cada um ganhando a bagatela de quase R$ 30 mil por mês.

Em síntese, no universo político um tema é colocado em debate e a votação final é o denominador comum do proposto inicialmente. O Projeto de Lei chega às câmaras ou Senado, passa por adaptações e, muitas vezes, é sancionado completamente diferente como surgiu. O nome disso é democracia. Aqui imperou a unanimidade no caso da Lei do Silêncio.

Impossível, aliás, falar em unanimidade sem mencionar o dramaturgo Nelson Rodrigues. “A opinião unânime está a um milímetro do erro, do equívoco, da iniquidade. (…) Toda unanimidade é burra. Quem pensa com a unanimidade não precisa pensar.”

O que aconteceu na Câmara Municipal de Campo Grande entre os dias 3 e 8 de fevereiro de 2011 vai entrar para a história como um dos capítulos políticos mais psicodélicos da atualidade em Mato Grosso do Sul.

O retrospecto, para que ninguém se perca, é o seguinte: mobilizados para garantir os shows durante a Expogrande, diretores da Acrissul convenceram os vereadores a colocar em pauta, em regime de urgência, projeto que altera a Lei do Silêncio em Campo Grande. Isso no dia 3, uma quinta-feira.

Os vereadores, portanto, tiveram somente sexta-feira e segunda para discutir o assunto. Na terça, dia 8, na hora do almoço, 19 representantes da população entenderam que os shows vão continuar e que os incomodados que se mudem.

Tudo no afogadilho, no açodamento

O couro na Expogrande vai continuar comendo solto e com a anuência dos legisladores municipais, contrariando decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul que impedia o excesso de decibéis com suas aporrinhações durante o evento.

As apresentações na exposição começam por volta da meia noite e só terminam altíssimas horas da madrugada. Um paraíso se todo mundo na cidade tivesse 18 anos e dinheiro de sobra para frequentar lugares como a Expogrande.

Com a decisão unânime da Câmara Municipal, crianças, bebês, idosos, donas-de-casa, trabalhadores e pessoas com algum tipo de enfermidade que moram perto da Expogrande precisam aturar a festa. Não há para quem reclamar.

Ao tomar decisão desse porte, isolada da realidade social e do povo que o elegeu para, nada mais, representá-lo, é fácil entender porque os políticos - como os vereadores de Campo Grande - foram colocados em último lugar em pesquisa de credibilidade feita em 2010 pelo grupo alemão GfK.
De acordo com o levantamento, apenas 11% da população brasileira confia nos políticos. O estudo foi realizado no Brasil e em outros 17 países. Por aqui a classe política ficou em último lugar no ranking das profissões confiáveis.

Ao confiscar o único dinheiro da poupança de milhões de brasileiros, a ministra Zélia Cardoso de Melo, do então governo Collor, declarou que “o povo é apenas um detalhe”. Collor hoje é senador, Zélia foi morar em nova Iorque e tudo corre na mais santa paz para os dois.

Para muitos políticos o povo sempre será apenas um detalhe. Pelo menos até o cidadão valorizar e entender a importância do voto.
* é jornalista, pós-graduado em marketing pela UCDB e autor do livro “Mato Grosso do Sul”. www.paulorenato.net.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASILÂNDIA
Jovem de 23 anos destrói recepção de hospital durante surto
BRASÍLIA
Secretário Mario Frias é submetido a cateterismo de emergência
TRÊS LAGOAS
Homem que matou cantor a tiros em tabacaria é condenado a 46 anos
BRASIL
Câmara aprova projeto que pode restringir atuação da oposição
Homem contrai dívida de R$ 32 mil ao fazer portabilidade de empréstimo
BENEFÍCIO
Cultura prorroga prazo para entrega de documentação do FIC
POLÍCIA
Condutor de lancha envolvida em acidente com morte presta depoimento
EDUCAÇÃO
Metas do Inep para o ano não incluem aplicação do Enem 2021
IVINHEMA
Três dias depois de ser envenenada pela mãe, criança recebe alta
FERIADO
Comarca de Angélica não terá expediente amanhã e sexta-feira

Mais Lidas

INDÁPOLIS
'Frio' e com roupa ainda suja de sangue, assassino de tio não mostrou arrependimento ao ser preso
PANDEMIA
Novo decreto mantém toque de recolher às 21h e autoriza abertura de cinema em Dourados
DOURADOS
Descontrolado, pastor xinga policiais por ser orientado a diminuir som de igreja
CLIMA
Inmet alerta Dourados para perigo de chuvas intensas e declínio de temperatura