Menu
Busca domingo, 31 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Novas regras para venda de remédios começam amanhã

17 fevereiro 2010 - 11h10

As novas regras da Agência Nacional de Vigilância Sanitária para venda de medicamentos entram em vigor na quinta-feira, dia 18 de fevereiro. Analgésicos, antitérmicos, antiácidos e remédios agora devem ficar do lado de dentro do balcão. Para ter acesso a esses medicamentos, é preciso pedir ao funcionário da farmácia.

“O farmacêutico vai funcionar como um filtro, ou seja, vai trazer uma informação para dar mais segurança ao usuário de medicamentos e orientar sobre os riscos que ele vai ter com a automedicação”, explica o farmacêutico Richard Congio.

As mudanças na venda foram determinadas em uma resolução que a Anvisa baixou há seis meses. Nessa quinta-feira termina o prazo para as farmácias se adequarem.

“O que a Anvisa está dando é a segurança maior para que ele leve aquilo que precisa e aquilo que não dê problema na sua saúde. Medicamento é aquela falsa ideia de que só faz bem, pelo contrário. Se não tomar com a adequada orientação do profissional farmacêutico, ele pode prejudicar a saúde dos consumidores”, diz Rodnei Veloso, do Conselho Regional de Farmácias de São Paulo.

A resolução da Anvisa determina que só podem ficar nas gôndolas, com livre acesso, produtos fitoterápicos e de perfumaria. Alimentos só os funcionais, como a granola. As farmácias também devem ter um espaço próprio para prestação de serviços como medição de pressão e do nível de açúcar no sangue.

Para quem não respeitar as novas regras, a resolução da Anvisa prevê multas que variam de R$ 2 mil a R$ 1,5 milhão. As penalidades incluem ainda apreensão de mercadoria e até cancelamento do alvará de funcionamento da empresa. Mas grandes redes de farmácia entraram na Justiça e conseguiram liminar para ficarem desobrigadas de cumprir as determinações.

As associações e sindicatos que entraram na Justiça alegam que as mudanças para se adequar à nova legislação vão trazer prejuízos aos donos de farmácia.

“Se o produto está por trás do balcão dificulta a ação de levar o produto de forma espontânea. Isso traz prejuízo financeiro”, diz Natanael Costa, do Sindicato Varejista de Produtos Farmacêuticos/SP.

“Eu preciso comprar balcões, gôndolas, mudar a farmácia toda e isso traz custos”, reclama o presidente de rede de farmácias Adilson Santos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA
Central de Atendimento à mulher registrou 1,3 milhão de chamadas em 2019
TRÁFICO DE DROGAS
Após tentativa de fuga, motorista é detido com 1,1 toneladas de maconha
DOURADOS
HU emite nota de esclarecimento sobre atendimento de mulher que morreu com Covid-19
CAMPO GRANDE
Funcionários da sede do Detran/MS passarão por testes rápidos do coronavírus
ECONOMIA
Governo atualiza programação orçamentária
ESPORTE
Em novo conceito, corrida de rua inicia nesta segunda-feira em MS
PANDEMIA
Mais dois municípios de MS entram na rota do coronavírus
CAMPO GRANDE
UFMS abre inscrições para curso de Especialização em Segurança Pública
CIÊNCIA
Equipe da Fiocruz MG trabalha em vacina brasileira para covid-19
PESQUISA
Datafolha: 72% discordam da frase de Bolsonaro sobre dar armas para população

Mais Lidas

DOURADOS
Protocolo é seguido e mulher vítima do coronavírus é enterrada sem despedida de familiares
PANDEMIA
Estado alerta que Dourados deve ser cidade com mais casos de Covid-19 na próxima semana
MAIORIA JOVENS
Vítima fatal da Covid-19 faz parte da faixa etária com mais casos da doença em Dourados
POLÍCIA
Homem encontrado morto sob a ponte do Calarge tinha 38 anos