Menu
Busca quinta, 28 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Mulher que derrubou Papa Bento XVI é levada para hospital

25 dezembro 2009 - 09h47

Susanna Maiolo, 25 anos, que derrubou o papa Bento XVI durante a Missa do Galo, realizada na noite de quinta-feira, foi levada para o hospital, segundo o porta-voz do Vaticano, Frederico Lombardi, informou nesta sexta.

Ela foi contida ao pular as barreiras de proteção e estava sob a custódia da polícia local. Ela derrubou o papa Bento XVI enquanto ele caminhava em direção ao altar da Basílica de São Pedro para iniciar a missa.

O reverendo Ciro Benedettini disse que Bento XVI rapidamente se levantou e não ficou ferido. O Papa, 82 anos, calmamente continuou a caminhada e começou a missa.

O porta-voz do Vaticano descreveu Sussanna como "aparentemente desequilibrada". Ele afirmou que o ataque não foi perigoso porque a mulher não estava armada. O Vaticano informou ainda que ela também teria tentado atacá-lo em 2008.


Com informações da AFP

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORENINHAS
Idoso morre carbonizado durante incêndio em residência
IMPOSTO
Licenciamento de veículos com placas final 1 e 2 vence nesta sexta
INVESTIGAÇÃO
Governo pede ao STF que suspenda depoimento de Weintraub
SIDROLÂNDIA
Motociclista morre em acidente com caminhão boiadeiro na BR-060
TEMPO
Quinta-feira de sol com algumas nuvens em Dourados; não chove
CORREIOS
Cadela encontra droga avaliada em R$ 200 mil em encomendas despachadas
ECONOMIA
Senado Federal aprova MP do aumento salário mínimo para R$ 1.045
CORUMBÁ
Cinco funcionários são presas acusadas de venda e receptação de tijolos
PROTOCOLOS
Comitê de ações da UEMS publica Plano de Biossegurança Institucional
POLÍTICA
Planalto teme que quebra de sigilo repercuta na cassação de Bolsonaro

Mais Lidas

DOURADOS
Paciente com suspeita de coronavírus afasta mais de 20 profissionais da saúde no HV e UPA
PANDEMIA
Dourados é "campeã" de casos de coronavírus em MS pelo 3º dia consecutivo
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher