terça, 21 de maio de 2024
Dourados
27ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
INVESTIGAÇÃO

MPF denuncia cinco agentes da ditadura por morte de Carlos Marighella

14 maio 2024 - 19h50Por Redação

O Ministério Público Federal (MPF) ofereceu denúncia contra cinco pessoas por participação na execução de Carlos Marighella. O líder da Ação Libertadora Nacional (ANL) foi morto em uma operação policial em novembro de 1969, na região dos Jardins, na zona oeste da capital paulista. O assassinato do guerrilheiro foi comandado pelo delegado Sérgio Paranhos Fleury, notório agente da repressão da ditadura militar, com participação em diversas execuções e sessões de torturas.

Foram denunciados os agentes da repressão Amador Navarro Parra, Djalma Oliveira da Silva, Luiz Antônio Mariano e Walter Francisco, que faziam parte das equipes policiais que participaram da operação para eliminar Marighella. A procuradoria ressalva que a ação envolveu diversos agentes identificados, mas que a maior parte já está morta, assim como o próprio delegado Fleury,

Outro denunciado é o legista Harry Shiabata. Segundo o MPF, o médico, em seu laudo, ocultou as informações que indicavam que Marighella foi executado. À época, os policiais apresentaram uma falsa versão de que o guerrilheiro foi morto em uma troca de tiros. Porém, em um dos disparos, há a marca característica de que o cano da arma estava praticamente encostado ao corpo de Marighella.

Como ele estava desarmado, o MPF destaca que Marighella poderia ter sido imobilizado e preso. “O que se verifica é que, desde o início, a intenção da repressão era matar Marighella, e não o prender com vida”, afirma o  autor da denúncia, o procurador Andrey Borges de Mendonça.

O procurador sustenta que a morte aconteceu em um contexto de perseguição sistemática do Estado brasileiro contra a população civil, configurando crime contra a humanidade, sem possibilidade de anistia ou prescrição.

O MPF lembra ainda que o Brasil já foi condenado por duas vezes pela Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) pelos crimes cometidos pelo aparato de repressão entre 1964 e 1985, período da ditadura militar. Por isso, o país deve investigar e responsabilizar os envolvidos em assassinatos, torturas e desaparecimentos forçados no período.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL

Receita abre consulta a maior lote de restituição do IR da história

Corpo de mulher com sinais de violência é encontrado em área de mata
CAMPO GRANDE 

Corpo de mulher com sinais de violência é encontrado em área de mata

Passeio ciclístico reúne estudantes de projeto realizado em Escola Estadual
DOURADOS

Passeio ciclístico reúne estudantes de projeto realizado em Escola Estadual

Dia Internacional da Biodiversidade será celebrado com evento no Bioparque Pantanal
MEIO AMBIENTE

Dia Internacional da Biodiversidade será celebrado com evento no Bioparque Pantanal

Projeto de Liandra aprovado por unanimidade contempla diversos profissionais da área da saúde
DOURADOS

Projeto de Liandra aprovado por unanimidade contempla diversos profissionais da área da saúde

CAMPO GRANDE

Motociclista morre carbonizado após se envolver em acidente na BR-163

REGIÃO

Foragida por tráfico de drogas qualificado é presa

ARRAIÁ

Festa Junina de Dourados será de 19 a 22 de junho

MOVIMENTAÇÃO

Operadores de turismo faturaram R$ 11,55 bi com viagens realizadas dentro do Brasil, em 2023

JUSTIÇA

Zambelli e hacker viram réus no STF por invasão ao site do CNJ

Mais Lidas

DOURADOS 

Funcionário e irmão são presos por furto em supermercado

BRASIL

Adolescente mata os pais e a irmã após ficar sem celular

PARQUE DE EXPOSIÇÕES

Caminhonetes são furtadas durante a madrugada em Dourados

TEMPO

Dourados registra a temperatura mais baixa do ano