Menu
Busca domingo, 27 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
ESTADO

MP vai à Justiça para barrar porto na fronteira de MS

23 janeiro 2020 - 13h20Por Redação

Ação civil pública ajuizada pelo MPF (Ministério Público Federal) e pelo MPE (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) requer a suspensão da construção de um porto fluvial às margens do Rio Paraguai, no município de Porto Murtinho.

De propriedade da empresa Itahum Export Comércio de Cereais Ltda, a obra foi liberada pelo Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) sem a exigência de prévio Estudo de Impacto Ambiental/Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA), conforme a denúncia.

“O IMASUL considerou como atividade principal do empreendimento o escoamento de grãos e suficiente, nesse caso, somente a apresentação de Estudo Ambiental Preliminar. O Ministério Público, no entanto, argumenta que as atividades portuárias têm necessariamente que ser precedidas de EIA/RIMA, conforme expressamente disposto no art. 2º da Resolução Conama 01/86”, pontuam MPF e MPE.

Segundo os órgãos, o EIA/RIMA é fundamental para que sejam avaliados possíveis danos ambientais como degradação de área de proteção ambiental, alteração de paisagens, fuga e atropelamento da fauna, implantação de dique, rebaixamento do lençol freático, tráfego de veículos pesados, área de segurança aeroportuária, emissão de poluentes e material particulado na atmosfera e acidentes.

“O projeto da obra prevê que a frota de caminhões do tipo bitrem circulará sobre o dique que contorna toda a cidade de Porto Murtinho, cuja devida conservação é objeto de questionamento em ação civil pública, ainda sem julgamento”, aponta.

“Também não foi realizado estudo de impacto arqueológico, embora o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) tenha enquadrado a obra como de Nível III, sendo imprescindível a elaboração de Projeto de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico prévio. Em análise ao procedimento administrativo para a concessão de licença, descobriu-se que não houve projeto de avaliação e nem mesmo portaria autorizando o projeto do empreendimento, por parte do IPHAN”, acrescenta.

Os autores da ação indicam ainda ser necessária a atuação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) na fiscalização da obra, em razão de sua complexidade, a envolver supressão da mata ciliar, pavimentação de estradas, projeto de escoamento de esgoto e construção de silos às margens do Rio Paraguai, que é bem da União e limite de fronteira entre o Brasil e o Paraguai.

Em julho de 2019, cautelarmente foi proposta ação antecedente com pedido de tutela para a suspensão preventiva da obra, bem como os efeitos de todas as licenças emitidas pelo Imasul em favor do empreendimento, a qual ainda não foi apreciada pelo Juízo.

Em 2020, foi ajuizada ação civil pública requerendo decisão liminar que determine à empresa Itahum Export Comércio de Cereais a suspensão imediata de todas as suas atividades na obra do terminal portuário fluvial de Porto Murtinho, até a realização de EIA/RIMA. A multa sugerida é de R$ 100 mil por dia de descumprimento de eventual decisão judicial.

Já quanto ao Imasul, é pedido que suspenda imediatamente os efeitos de todas as licenças emitidas para o empreendimento e que exija o processo de licenciamento ambiental adequado à atividade “Porto em Geral ou Terminal de Minério, Petróleo e Produtos Químicos”.

Já o Ibama, de acordo com o pedido liminar, deve passar a acompanhar todas as etapas do processo de licenciamento ambiental do empreendimento, a fim de averiguar se os impactos dele decorrentes, por si só, e também cumulados com outros, não o caracterizam como empreendimento com efeitos em outros países limítrofes.

No mérito, o MP pede que seja julgado procedente o pedido para confirmar a liminar e declarar a nulidade do processo administrativo nº 71/400883/2019 - 57569 do Imasul, bem como de todas as autorizações e licenças ambientais dele resultantes, com relação à obra do terminal portuário.

Pede ainda a condenação de Ibama e Imasul a realizar o processo de licenciamento ambiental do empreendimento, adequado à atividade “Porto em Geral ou Terminal de Minério, Petróleo e Produtos Químicos”, além da condenação do Estado de Mato Grosso do Sul a cumprir as obrigações impostas ao Imasul, em caso de omissão deste. (Com informações do MPF)

Deixe seu Comentário

Leia Também

STF
Leis estaduais sobre taxa de religação de energia elétrica são inconstitucionais
PANTANAL
Força-tarefa combate incêndio na RPPN Eliezer Batista, um dos maiores na Serra do Amolar
PANDEMIA
Hospital de Campanha do Ibirapuera dá alta ao último paciente
ABAV COLLAB
Turismo sul-mato-grossense realiza promoção dos destinos, capacitações e tutorial de gastronomia
FUTEBOL
Série B: Figueirense e Guarani empatam em 2 a 2, em Florianópolis
STJ
Em promissória com duas datas de vencimento, prevalece a que melhor reflete a vontade do emitente
FUTEBOL
Time principal do Fluminense tem cinco jogadores com covid-19
STF
2ª Turma autoriza extradição de proprietário da Telexfree
ESTADO
Justiça do Trabalho pede prioridade a ações que envolvam profissionais da saúde que atuam na pandemia
BRASIL
Profissionais podem se increver até 6 de outubro no CNJ Inova

Mais Lidas

POLÍCIA
Caminhoneiro de Dourados morre ao capotar na serra de Maracaju
PANDEMIA
Novo decreto diminui toque de recolher e libera venda de bebidas em bares até as 23h
PROSSEGUIR
Governo atualiza mapa da Covid e Dourados volta para "bandeira vermelha"
PONTA PORÃ
Polícia apreende comboio com contrabando avaliado em R$ 1 milhão