Menu
Busca terça, 20 de abril de 2021
(67) 99257-3397

Movimento indígena é oportunista, diz secretário

01 julho 2005 - 11h13

O movimento de um grupo de índios da aldeia Jaguapiru, que está desde a noite de ontem tentando invadir propriedades rurais vizinhas à Reserva Indígena, não representa as lideranças indígenas de Dourados e trata-se de uma manobra política para desestabilizar o projeto político envolvendo os governos Federal, Estadual e Municipal para melhorar a infra-estrutura entre a comunidade indígena no Município.
A afirmação é do secretário Municipal de Governo, Ermínio Guedes dos Santos, que conversou esta manhã com as principais lideranças indígenas de Dourados e foi informado que não partiu delas a iniciativa de invadir as fazendas localizadas no entorno na Reserva local.
Ermínio também destacou que, além das 3.530 hectares de área que formam a Reserva Indígena de Dourados, não existe nenhum tipo de estudo antropológico ou indicativo de que as áreas ameaçadas de invasão pertenceram a índios ou são remanescentes de aldeias indígenas, transformando uma possível ocupação em crime contra o patrimônio e simples baderna provocada liderada por um grupo de índios da etnia Terena e mestiços.
Ermínio afirmou que os índios guarani-caiuás, que formam a maioria da Reserva Indígena de Dourados, não estão participando desse movimento, que também não representa suas lideranças. “Trata-se apenas de um oportunismo, um movimento que chega à armação por parte de índios que já têm suas terras na própria Reserva de Dourados e de mestiços, ou que moram na cidade, ou que vieram de outras regiões para ameaçar a tranqüilidade, tanto da comunidade indígena, quanto dos produtores rurais que têm suas propriedades localizadas próximo às duas aldeias”, destacou Ermínio.
O secretário também lembrou que a Aldeia Indígena, como ela existe hoje, foi formada no início do século passado, quando índios da região do Panambi foram trazidos para essa área, que não era terra indígena. “Esse movimento ilegítimo está aproveitando-se dos conflitos na região de fronteira para desestabilizar a comunidade indígena douradense”, afirmou o secretário.
Ermínio também questiona quem são e por quê esses grupos estão se mobilizando com essa armação e atendendo a interesse de quem?, indaga o secretário, enfatizando que o projeto apresentado para melhorar as condições de vida dos índios nas duas aldeias já está em execução. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

LEGISLATIVO DE MS
CCJR dá aval a mudanças na estrutura administrativa do governo
Homens pularam muro e furtam botijão de gás e churrasqueira de escritório
DOURADOS
Homens pularam muro e furtam botijão de gás e churrasqueira de escritório
Vacinados contra Covid-19 em Dourados somam 43 mil
IMUNIZAÇÃO
Vacinados contra Covid-19 em Dourados somam 43 mil
Policiais recebem elogio do governador por ação que deixou sequestradores mortos há cinco anos
DOURADOS
Policiais recebem elogio do governador por ação que deixou sequestradores mortos há cinco anos
Essence Care tem manicure diferenciada com menor risco de cortes e cor perfeita; conheça aqui
BELEZA & ESTÉTICA
Essence Care tem manicure diferenciada com menor risco de cortes e cor perfeita; conheça aqui
DOURADOS
Loja de artigos militares é furtada durante a madrugada
DOURADOS
Homem denuncia quarto furto em construção em menos de um mês
OPORTUNIDADE
Leilão do Detran/MS com 260 veículos sucatas será aberto nesta terça-feira
CAARAPÓ
Onça é resgatada após ser atropelada em rodovia
LEGISLATIVO DE MS
Deputados devem votar quatro propostas na Ordem do Dia desta terça-feira

Mais Lidas

ASSALTO
Mulher tem carro roubado ao parar no semáforo em Dourados
POLÍCIA
Irmãos morrem após serem atropelados por caminhonete em rodovia
LOTERIAS
Mega-Sena premia uma aposta com R$ 40 milhões e 11 douradenses acertam a Quadra
DOURADOS/ITAPORÃ
Produtor rural morto em acidente na MS-156 voltava de aniversário em pesqueiro