Menu
Busca segunda, 17 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Mortes relacionadas à gravidez são maiores entre negras

18 agosto 2004 - 17h41

A garantia legal do acesso igualitário e universal aos serviços de saúde não tem assegurado aos negros o mesmo tratamento dispensado aos brancos. Essa é a opinião de representantes de organizações sociais ligadas ao movimento negro, que participam do Seminário Nacional de Saúde da População Negra. A pesquisadora Fernanda Lopes apresentou números para mostrar as desigualdades raciais na área de saúde. Um estudo feito por ela revela, por exemplo, que o número de mortes de mulheres entre 10 e 49 anos, por causas relacionadas à gravidez, parto e complicações no período pós-parto, é três vezes maior entre as negras que entre as brancas, devido à falta de assistência pré-natal. Em 2002, 8,9% das mulheres negras que tiveram filhos na Região Norte não fizeram consultas de pré-natal, contra 6,5% das brancas. No Sul e Sudeste, a diferença foi ainda maior: a proporção de negras que não tiveram acesso a esses cuidados durante a gravidez foi o dobro das brancas. No Nordeste, 10,1% das gestantes negras não tiveram assistência pré-natal, contra 6,9 % das brancas. E no Centro-Oeste, a diferença foi de 3,9% contra 1,8%. Os números foram apresentados durante o seminário, que se realiza até amanhã. Outro dado do levantamento revela que em 1980 a mortalidade infantil de negros era 21% superior à de crianças brancas. Em 2000, essa diferença saltou para 40%. Segundo a autora da pesquisa, os fatores gênero e renda ajudam a piorar o quadro. “A pobreza no Brasil tem uma face bem definida, que tem a cor negra e que, prioritariamente, é uma face feminina, porque a análise dos dados oficiais nos tem apresentado que as mulheres negras, chefes de família, são aquelas que vivem com os seus, nas piores condições”, ressaltou. Fernanda espera concluir o estudo até novembro. O levantamento, que reúne dados de pesquisas feitas em todo o país, foi realizado para a Fundação Nacional de Saúde, em parceria técnico-financeira com o Banco Mundial, com órgãos que desenvolvem o Programa de Combate ao Racismo Institucional no Brasil e com o Ministério Britânico para o Desenvolvimento Internacional. Para a autora do estudo, é fundamental que o componente raça passe a ser considerado na definição de proridades de ações, programas e políticas públicas para a população negra, na área de saúde. A secretária-adjunta de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Maria Inês Silva Barbosa, destacou que os números são importantes porque mostram que os desigualdades de fato existem. "Um dos problemas anteriores era a ausência de dados, porque permitia negar os fatos".

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dourados tem 35 pacientes com Covid-19 na espera por vaga pública de UTI
OCUPAÇÃO MÁXIMA
Dourados tem 35 pacientes com Covid-19 na espera por vaga pública de UTI
ECONOMIA
Abono salarial do PIS-PASEP de até R$ 1,1 mil tem calendário unificado
EDUCAÇÃO
Projeto 'Astrominas' oferece vagas para meninas adolescentes em atividades online de ciências
EMPREGO
Processo seletivo da Prefeitura de Maracaju terá salários de até R$ 8,5 mil
EDUCAÇÃO
Prazo para pedir isenção de taxa do Enem começa nesta segunda-feira
POLÍCIA
Foragido da Justiça é preso após agredir namorada adolescente
POLÍCIA
Mulher encontra seus três cachorros envenenados e suspeita de vingança do ex
ESPORTE
Grêmio vence Inter de virada e larga em vantagem na final do Gauchão
ESPORTES
Palmeiras domina o Corinthians, vence em Itaquera e vai à final do Paulistão
POLÍCIA
Homens são flagrados carneando vaca furtada e um deles tenta agredir policial a facada

Mais Lidas

CAMPO GRANDE
Após discussão, jovem bate veículo em poste e namorada que estava no capô morre
POLÍCIA
'Apaixonado', rapaz furta objetos na PED para ser preso e reencontrar marido
FEMINICÍDIO
Mulher baleada na cabeça pelo ex-marido morre no hospital
REGIÃO
Mulher mata o marido a facadas após discussão em MS