Menu
Busca domingo, 16 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Morre no Rio de Janeiro, aos 74 anos, o ator Nildo Parente

01 fevereiro 2011 - 14h03

Morreu na noite de ontem, o ator Nildo Parente, aos 74 anos, no Hospital Adventista Silvestre, no Rio de Janeiro.

Nildo estava internado havia dois meses devido a um AVC (Acidente Vascular Cerebral) e morreu por conta de suas complicações.

O corpo do ator é velado no Cemitério São João Batista, também no Rio de Janeiro, e o enterro acontecerá no mesmo local, às 17 horas desta terça-feira.

Biografia

Nildo Parente nasceu em 1936, em Fortaleza, e estreou no cinema em 1968, em O Homem que Comprou o Mundo, de Eduardo Coutinho. Já em 1969 conquistou o papel de protagonista no longa Azyllo Muito Louco (1969), de Nelson Pereira dos Santos. Ele ainda voltaria a filmar com Nelson em Quem é Beta? (1972), Tenda dos Milagres (1977) e Memórias do Cárcere (1983).

Parente teve seu principal período de atuação na década de 70, quando fez mais de 20 filmes - entre eles Anjos e Demônios (1970), de Carlos Hugo Christensen, São Bernardo (1972), de Leon Hirszman, Os Condenados (1973), de Zelito Viana, e Coronel Delmiro Gouvêa (1977), de Geraldo Sarno. Nos anos 80 e no começo dos 90 fez mais de dez filmes, incluindo Rio Babilônia (1982), de Neville D'Almeida, O Beijo da Mulher-Aranha (1984), de Hector Babenco, e Natal da Portela (1988), de Paulo Cezar Saraceni.

Nos anos 90, participou dos longas Bela Donna (1998), de Fábio Barreto, Seja o que Deus Quiser (2002), de Murilo Salles, e Inesquecível, de Paulo Sérgio Almeida. O ator ainda tem em seu currículo passagens por novelas como Pátria minha, A viagem, O Dono do Mundo, Vereda Tropical, América, Senhora do Destino e Celebridade, todas na Rede Globo. Ele também atuou no polêmico curta-metragem Depois de tudo, de Rafael Saar, em que contracenou com Ney Matogrosso. Na trama, ator e cantor vivem um casal de homossexuais.

Nildo Parente também teve uma longa carreira teatral, encenando peças como Hoje é Dia de Rock, de Rubens Correia, e Ai Ai Brasil, de Sergio Brito. Em 2008, subiu aos palcos ao lado de Francisco Cuoco, com a peça Circuncisão em Nova York.

Seus últimos trabalhos de destaque foram no longa Chico Xavier, de Daniel Filho, na minissérie da Rede Record A Lei e o Crime e na novela global Paraíso Tropical. No teatro, seu último trabalho foi o espetáculo Medida por Medida.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mulher mata o marido a facadas após discussão em MS
REGIÃO
Mulher mata o marido a facadas após discussão em MS
Queiroga diz que ministério estuda campanha de testagem contra covid
MINISTRO
Queiroga diz que ministério estuda campanha de testagem contra covid
Mato Grosso do Sul confirma 1,2 mil casos de Covid-19
PANDEMIA
Mato Grosso do Sul confirma 1,2 mil casos de Covid-19
Dourados confirma três mortes, 64 diagnósticos e 169 recuperados da Covid-19
PANDEMIA
Dourados confirma três mortes, 64 diagnósticos e 169 recuperados da Covid-19
Dourados terá novo bloco para campanhas educativas e Central de Exames de Trânsito
DETRAN-MS
Dourados terá novo bloco para campanhas educativas e Central de Exames de Trânsito
BRASIL
Eva Wilma morre em São Paulo, aos 87 anos
DOURADOS
Assassino de secretário municipal vai a júri popular nesta semana
REGIÃO
Jovem aluga carro, carrega mais de 300 tabletes de maconha e acaba preso
ESTADO
Cachês da Lei Aldir Blanc estão sendo pagos em maio, afirma João César Mattogrosso
REGIÃO
Casal de moto morre atropelado por caminhonete na MS-164

Mais Lidas

CAMPO GRANDE
Após discussão, jovem bate veículo em poste e namorada que estava no capô morre
TRÁFICO DE DROGAS
Chefe do 'Comando Vermelho' e foragido há seis meses é preso em Dourados
FEMINICÍDIO
Mulher baleada na cabeça pelo ex-marido morre no hospital
CAPITAL
Jovem sai para comprar narguilé e morre após colidir moto contra poste