Menu
Busca sábado, 15 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Ministros do TCU têm "fim de semana" de cinco dias

19 janeiro 2011 - 13h22

Ministros e procuradores do TCU (Tribunal de Contas da União) usam dinheiro público para esticar os finais de semana quando viajam, na maior parte das vezes, a seus Estados de origem.

As datas das passagens emitidas pela corte em 2010 indicam que, em 38 viagens, autoridades do primeiro escalão esticaram fins de semana e feriados para períodos de 5 dias ou mais.

Ministros do TCU viajam para 'casa' com verba oficial

Destas viagens, 35 foram para os Estados natais.

A rotina do TCU inclui uma sessão plenária, que reúne todos os ministros, às quartas em Brasília. Na terça, há reuniões dos ministros divididos em duas turmas. O restante da semana, em tese, é dedicada principalmente à análise dos processos.

Ao contrário de parlamentares, que esticam os fins de semana alegando a necessidade de contato com os seus eleitores, os ministros e procuradores do TCU não são escolhidos pelo voto, e sim nomeados pelo Executivo.

A Folha revelou ontem que o TCU editou, em 2009, uma resolução interna que estabelece cota anual de passagens que varia de R$ 14 mil a R$ 43 mil para 20 autoridades (ministros, ministros-substitutos, subprocuradores e procuradores junto ao TCU). Para usar a cota, basta uma requisição do gabinete.

Segundo o tribunal, o objetivo é a "representação do cargo", a suposta participação em congressos e eventos.

Na prática, as cotas têm sido utilizadas para viagens aos Estados de origem ou onde as autoridades possuem endereço residencial.

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) considerou a resolução ilegal e afirma que vai pedir sua revogação.

Os registros das passagens mostram que era comum para 11 das 13 autoridades que usaram a cota saírem de Brasília na quarta ou quinta e só retornarem na terça.

O ministro Valmir Campelo, por exemplo, passou por duas vezes 12 dias em seu Estado, o Ceará, segundo os registros de suas passagens.

O TCU reiterou o que dissera à Folha anteontem. Segundo a corte, a resolução é legal e seu uso é controlado. A assessoria disse ainda que haveria apenas uma resposta institucional, e que os ministros não se manifestariam.

Segundo o presidente da OAB, Ophir Cavalcante, o TCU não tem poderes para editar uma resolução que impacte os cofres públicos: "Isso depende de lei. Só o Legislativo poderia fazê-lo."

Deixe seu Comentário

Leia Também

Após discussão, jovem bate veículo em poste e namorada que estava no capô morre
CAMPO GRANDE
Após discussão, jovem bate veículo em poste e namorada que estava no capô morre
Hospital dos Olhos Dourados orienta sobre a importância do acompanhamento oftalmológico na infância
SAÚDE & BEM-ESTAR
Hospital dos Olhos Dourados orienta sobre a importância do acompanhamento oftalmológico na infância
Dourados tem 'Dia D' para 2ª dose da coronavac em idosos acima de 69 anos
ACIMA DE 69 ANOS
Dourados tem 'Dia D' para 2ª dose da coronavac em idosos acima de 69 anos
Temperatura continua amena em Dourados e máxima não passa de 26ºC
TEMPO
Temperatura continua amena em Dourados e máxima não passa de 26ºC
Ato da Mesa Diretora mantém Assembleia fechada para o público na pandemia
LEGISLATIVO DE MS
Ato da Mesa Diretora mantém Assembleia fechada para o público na pandemia
LOTERIA
Prêmio da Mega pode chegar a R$ 33 milhões neste sábado
TV DOURADOS NEWS
Juscelino Cabral fala sobre audiência que discutiu segurança no trânsito de Dourados
CAPITAL
Homem morre após bater motocicleta na traseira de caminhonete
SAÚDE
Dourados vai receber recursos para ampliação de esgotamento sanitário
BATAGUASSU
Ex-marido descarrega revólver contra mulher que fica em estado grave

Mais Lidas

CORONAVÍRUS
Murilo Zauith passa por reabilitação e segue internado em SP
TRÁFICO DE DROGAS
Chefe do 'Comando Vermelho' e foragido há seis meses é preso em Dourados
DOURADOS
Criança encontrada morta apresentou problemas estomacais uma semana antes
CACHOEIRINHA
Polícia fecha ponto de distribuição de drogas e prende abastecedor