Menu
Busca segunda, 21 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
SAÚDE

Ministro defende contribuição para complementar financiamento do SUS

12 junho 2015 - 19h00

Agência Brasil

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, voltou a defender hoje (12) a criação de uma contribuição para complementar o financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS). Chioro, porém, negou que a contribuição será uma nova CPMF.

“Não será uma CPMF como foi no passado. Será uma contribuição financeira com outras características”, afirmou o ministro, que participa do 5º Congresso Nacional do PT, em Salvador (BA). "É preciso dar sustentabilidade ao sistema", complementou.

O retorno do “imposto” também foi defendido pelo presidente nacional do PT, Rui Falcão, e consta de um documento aprovado no congresso do partido, que também propõe a taxação de grandes fortunas e de lucros.

"É necessário mudar o sistema tributário nacional, que é injusto, regressivo e concentrador. Mais de 50% dos impostos da carga nacional são indiretos. É preciso reavivar a CPMF, que é um imposto limpo, não cumulativo e transparente", disse Falcão nesta quinta-feira, em entrevista antes da abertura do encontro do PT.

Chioro explicou que o governo avalia a medida e que pode encaminhar uma proposta nesse sentido até o final do ano. De acordo com o ministro, diferentemente da CPMF, o governo defende que a nova contribuição não afete a classe média e recaia sobre os mais ricos.

Uma das possibilidades analisadas seria estabelecer um piso para o valor da movimentação financeira e sobre o qual a taxação seria aplicada.

Por meio de nota, o Ministério da Saúde (MS) informou que a Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), revelou que 70% da população usam, exclusivamente, o SUS para o acesso à saúde. Na nota, o ministério esclareceu que os dados reforçam a necessidade do debate e que o governo federal não trabalha com nenhum modelo novo de financiamento.

“Especificamente sobre a criação de uma contribuição financeira para a saúde, o ministério acompanha sugestões e debates, tanto da sociedade civil como dos gestores e dos representantes do Poder Público, como prefeitos e governadores. Não há, no âmbito do governo federal - o que abrange a equipe econômica -, nenhuma discussão em curso sobre o tema.”

Conhecida como Imposto do Cheque, a CPMF foi criada em 1996, no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. A contribuição, destinada especificamente ao custeio da saúde pública, teve sua prorrogação extinta pelo Senado em 2007, no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. À época, a CPMF rendia R$ 40 bilhões aos cofres da União.

Deixe seu Comentário

Leia Também

QUEIMADAS
PMA aguarda laudo para autuar fazendas por crime ambiental no Pantanal
CORUMBÁ
Jovem é morto a facadas e namorada de 17 anos é suspeita do crime
REGIÃO
IFMS abre 1.520 vagas para cursos técnicos em dez municípios
TV DOURADOS NEWS
Sargento Cidão comenta sobre os 28 anos de serviços prestados na Polícia Militar
DOURADOS
Entidades têm até hoje para se inscrever no Núcleo Gestor da revisão do Plano Diretor
AMAMBAI
Veículo que seguia com mais de meia tonelada de maconha foi apreendido
EDUCAÇÃO
UFGD abre as inscrições para o Vestibular 2021 nesta segunda-feira
AJUDA
Caixa conclui nesta segunda-feira pagamento do FGTS emergencial
ITAQUIRAÍ
Polícia apreende carreta com mais de três toneladas de maconha
TEMPO
Segunda-feira nublada com chuva a qualquer hora do dia em Dourados

Mais Lidas

RIO BRILHANTE
Homem de 56 anos cai de trator e morre atropelado em fazenda
ESTADO
Confraternização em fazenda termina com tragédia após briga familiar
TRAGÉDIA
Bombeiro em Dourados morre durante acidente em Santa Catarina
DOURADOS
Amigos e familiares de entregador morto em acidente pedem que justiça seja feita