Menu
Busca segunda, 18 de janeiro de 2021
(67) 99659-5905
LAVA JATO

Ministro autoriza quebra de sigilo bancário e fiscal de Renan Calheiros

19 dezembro 2015 - 18h30

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a quebra de sigilo bancário e fiscal do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), no período entre 2010 e 2014. A informação foi divulgada pela revista "Época" e confirmada pela TV Globo.

O pedido para quebrar os sigilos de Renan foi enviado ao Supremo pela Procuradoria Geral da República na Operação Catilinárias, desdobramento da Operação Lava Jato, que cumpriu mandados de busca e apreensão na residência oficial do presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Também foram alvos de mandados dois ministros, um ex-ministro, um prefeito e parlamentares – a maioria ligada ao PMDB.

No mesmo despacho em que autorizou a quebra do sigilo de Renan, o ministro Teori Zavascki rejeitou mandado de busca na residência do presidente do Senado, mas autorizou a coleta de provas na sede do PMDB em Alagoas, reduto eleitoral dele.

Segundo as investigações, Renan recebia propina pelos contratos da Transpetro, à época presidida por Sérgio Machado, indicado pelo PMDB para ocupar o cargo.

De acordo com a "Época", no despacho do ministro Teori Zavascki que autorizou a quebra do sigilo de Renan, um dos pagamentos veio do contrato de R$ 240 milhões para a construção de 20 comboios de barcaças.
Ao longo da concorrência que definiria quem construiria as barcaças, as empresas que viriam a vencer a disputa fizeram doações para a direção estadual do PMDB de Alagoas, cujo responsável é Renan. De acordo com o despacho, em seguida, o diretório repassava o dinheiro para a campanha de Renan.

"Constata-se que em 19 de julho de 2010 ocorreram duas transferências para a campanha de José Renan Vasconcelos Calheiros, ambas no valor de R$ 200 mil perfazendo-se o total de R$ 400 mil correspondentes aos valores depositados pelas empresas que fraudulentamente venceriam a licitação em comento", diz o documento do ministro Teori, obtido pela "Época".

A defesa do presidente do Senado afirmou ter ficado "perplexa" com a determinação de quebra de sigilo já que, segundo o advogado Eugênio Pacelli, Renan havia colocado as informações bancárias e fiscais à disposição da Justiça desde maio.

O advogado disse ainda que o peemedebista nunca teve resistência em entregar os dados e que, na opinião dele, não havia necessidade do pedido da Procuradoria.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Alerta do Inmet para chuvas intensas em Dourados é estendido
CLIMA
Alerta do Inmet para chuvas intensas em Dourados é estendido
Vacina contra o coronavírus deve chegar no início da tarde em MS
PANDEMIA
Vacina contra o coronavírus deve chegar no início da tarde em MS
BRASIL
Ministro Jorge Mussi assume a presidência do STJ pelos próximos 15 dias
Funcionários públicos são flagrados em bar fechado por aglomeração
NOVA ANDRADINA
Funcionários públicos são flagrados em bar fechado por aglomeração
MS se aproxima de 151 mil infectados por coronavírus e 582 estão hospitalizados
PANDEMIA
MS se aproxima de 151 mil infectados por coronavírus e 582 estão hospitalizados
BRASIL
Caixa libera saque do auxílio emergencial para nascidos em agosto
BRASIL
Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro, diz Banco Central
DOURADOS
Agesul comunica paralisação da obra na Hayel Bon Faker
TRÁFICO DE DROGAS
Veículo é apreendido com drogas na BR-163 e dois são presos
PANDEMIA
Dourados registra mais um óbito por coronavírus e soma 2.026 casos ativos

Mais Lidas

DOURADOS
Morto por descarga elétrica pode ter tentado consertar portão
ACIDENTE
Homem morre após sofrer descarga elétrica em Dourados
DOURADOS 
Jovem cai de moto e pede ajuda após levar facada
DOURADOS
Comitê alerta para crescente da Covid e prefeito expede decreto com novas regras