Menu
Busca sábado, 04 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Ministério da Saúde cria Comitê de Atenção à Pessoa Celíaca

19 dezembro 2012 - 12h09

O Ministério da Saúde criou um Comitê Intersetorial de Atenção Integral às Pessoas Celíacas para elaborar, planejar, monitorar e avaliar as políticas de atenção voltadas para cerca de 1 milhão de celíacos que existem hoje no Brasil. A medida foi publicada nessa terça-feira (18).

A doença celíaca é autoimune. O portador tem intolerância permanente ao glúten, uma proteína encontrada no trigo, na cevada, no centeio, na aveia e em seus derivados. Nos celíacos, o glúten, que está presente em pães, biscoitos e uma infinidade de alimentos, desencadeia a produção de anticorpos no intestino delgado, que inflamam as paredes intestinais e dificultam a absorção de nutrientes.

De acordo com a nutricionista Lucélia Costa, presidente da Federação Nacional das Associações de Celíacos (Fenacelbra), os sintomas podem variar, mas os mais comuns são diarreia crônica (de mais de 30 dias), prisão de ventre, anemia, falta de apetite, vômitos, emagrecimento, perda ou pouco ganho de peso, atraso de crescimento ou da puberdade, humor alterado, irritabilidade ou desânimo e distensão abdominal.

A nutricionista acrescenta que a doença pode causar uma série de problemas associados, como o hipotireoidismo, vitiligo, a asma, dores articulares, entre outros. “[A doença celíaca] ainda é desconhecida e subestimada pela maioria da população e pelos profissionais de saúde [no Brasil]”. Ela pode levar anos para ser diagnosticada, já que os exames de sangue existentes são, às vezes, insuficientes para uma conclusão. No entanto, pode ser confirmada por meio de uma endoscopia, com a biópsia de uma amostra do tecido do intestino delgado.

O celíaco deve se privar de comidas que contenham glúten por toda a vida. “Qualquer quantidade pode desencadear reações”, ressalta Lucélia. Ela explica que pode haver ainda restrições a outros alimentos, como o leite, a soja, o açúcar, o milho e até a alguns medicamentos e produtos de higiene e beleza. Os alimentos que contêm glúten podem ser substituídos por produtos com fécula de batata, farinha de milho, amido de milho, polvilho, farinha ou creme de arroz, araruta ou fubá.

Lucélia alerta que a doença celíaca é herdada dos pais. “Nascemos com a predisposição genética e o desenvolvimento dependerá dos fatores ambientais e alimentares“.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORONAVÍRUS
Higienização de cabines de caminhões continuam nos postos da PRF em Dourados e na Capital
EM ASSUNÇÃO
Preso há um mês, Ronaldinho segue no Paraguai aguardando desfecho
DOURADOS
Universidade vai produzir álcool 70% para atender demanda do HU
MATO GROSSO DO SUL
Homem esfaqueado por sobrinho irritado com buzina recebe alta
FEMINICÍDIO
Assassinada pelo ex, vítima havia solicitado medida protetiva após ameaças
COVID-19
Detentos de MS confeccionam uniformes e máscaras para equipes de saúde
MATO GROSSO DO SUL
Com 32 mil inativos, Ageprev quer que bancos flexibilizem consignados
DETALHADA
Pacientes com coronavírus em Dourados terão situação de saúde monitorada em boletins
Campanha Solidária
Todos contra o Coronavírus
TECNOLOGIA
Ainda de quarentena, AL testa aplicativo e fará sessão por vídeoconferência

Mais Lidas

DOURADOS
Exame de jovem que morreu no HU testa negativo para coronavírus
COVID-19
Dourados tem mais um caso confirmado de coronavírus
DOURADOS
Jovem morre no HU e município pede agilidade no resultado do exame de coronavírus
CORONAVÍRUS
Dourados registra mais dois casos de Covid-19 e MS tem 60 confirmações