Menu
Busca quinta, 05 de agosto de 2021
(67) 99257-3397

Ministério apresenta Plano para enfrentar déficit habitacional

24 novembro 2004 - 15h36

Em menos de duas décadas o déficit habitacional brasileiro poderá chegar a quase o dobro do atual, passando de 7,2 milhões de moradias, em 2004, para 12,45 milhões de domicílios, em 2023. Para evitar que o problema da falta de moradia se agrave nessa proporção, o Ministério das Cidades avalia que é preciso investir cerca de R$ 12,44 bilhões por ano. No esforço para enfrentar o problema do déficit habitacional, assim como tratar de questões relacionadas a saneamento, transporte, trânsito e planejamento urbano, o governo federal traçou a Política Nacional de Desenvolvimento Urbano (PNDU), apresentada nesta quarta-feira (24) durante seminário promovido pelo ministério. Um dos principais pontos é a criação do novo Sistema Nacional de Habitação (SNH), que visa promover o acesso à moradia digna a todos os segmentos da população, especialmente o de baixa renda. Segundo o ministro das Cidades, Olívio Dutra, a tese central do PNDU é que o país atravessa uma "crise urbana", cuja reversão exige uma política que oriente e coordene os esforços dos três níveis de governo, dos poderes Legislativo e Judiciário, do setor privado e da sociedade civil. "O que se busca é a eqüidade social, maior eficiência administrativa, ampliação da cidadania, sustentabilidade ambiental e respostas aos direitos das populações mais vulneráveis, que são as crianças e adolescentes, idosos, pessoas com deficiência, mulheres, negros e índios", ressaltou Dutra, que abriu o seminário ao lado do ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes. Antes da abertura do evento, Olívio Dutra falou à imprensa sobre a reforma ministerial. Dutra garantiu que até o momento o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não deu nenhum sinal indicando que ele teria de deixar o comando do Ministério das Cidades. "Da parte do presidente, não tenho nenhum sinal, nenhuma palavra de qualquer mudança, portanto nós estamos na plenitude do nosso trabalho e vamos estar assim sempre". Durante o seminário, o coordenador do Fórum Nacional de Reforma Urbana, Orlando Júnior, leu um manifesto em defesa da permanência da atual equipe à frente do ministério. Para as 17 entidades que assinaram o manifesto, "uma eventual mudança será um retrocesso na construção de uma nova política de desenvolvimento para o nosso país e a ruptura de um pacto que vem sendo construído com o engajamento e envolvimento de amplos setores da sociedade brasileira".   

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Considerado extremamente violento, traficante é preso com arma
ECONOMIA
Bolsonaro anuncia que novo Bolsa Família se chamará "Auxílio Brasil"
Policial tem prisão preventiva decretada após destruir carro da namorada
REGIÃO
Prorrogadas inscrições de peritos para atuarem no Poder Judiciário de MS
Idoso é preso no Paraguai com arma de fogo e faca tipo adaga
NOVA INVESTIGAÇÃO
TCU decide abrir processo para apurar conduta de Pazuello na pandemia
Ambiental captura 1.337 animais silvestres no primeiro semestre de 2021
GERAL
Governo amplia número de vagas do último concurso da Agepen
Passageira dorme em ônibus e só descobre furto das malas na rodoviária
SELIC
Copom eleva juros básicos da economia para 5,25% ao ano

Mais Lidas

DOURADOS
Assessora vai à polícia e diz que foi ameaçada de morte por vereadora
DOURADOS
Flagrado com pistola, jovem é preso no Parque do Lago II
AMEAÇA
Mulher não aceita relacionamento do ex e ameaça a atual companheira dele de morte
DOURADOS
Casal é preso após transformar casa de homem que morreu por overdose em 'boca de fumo'