Menu
Busca segunda, 01 de março de 2021
(67) 99257-3397

Mercado de luxo cresce menos com a crise, mas mantém perfil

10 agosto 2009 - 14h21

A crise econômica atingiu todos os setores da economia, incluindo o mercado de luxo, que deve ter uma alta menor no faturamento neste ano. Segundo dados de estudo da MCF Consultoria e da Gfk Brasil, a previsão de crescimento do setor é de 8% em 2009 --para US$ 6,45 bilhões--, ante expansão de 12,5% no ano passado.

Os investimentos do setor devem ficar em torno de US$ 830 milhões neste ano, contra US$ 950 milhões em 2008, de acordo com o estudo.

Para Carlos Ferreirinha, diretor-presidente da MCF, porém, os problemas trazidos pela crise não mudam o perfil do mercado de luxo. "Nenhuma marca de luxo está criando produto mais barato, mas elas estão criando categoria de produtos com preços distintos para categorias distintas", disse.

Renato Stockler/Folha Imagem

Consumidores observam vitrine na Oscar Freire, em São Paulo
"Em meio à crise, todos nós, mesmo que não tenhamos tido perda nenhuma, nós repensamos nossos gastos. Há uma reação natural de retração. E o movimento agora vai ser de destaque para os pequenos luxos. Vamos ver os mercados de perfumaria, cosmética, ganhando um espaço mais acentuado", afirmou.

"A crise assustou, sim, o setor e está fazendo com que muitas empresas redesenhem seu negócio. Mas isso não quer dizer que elas estão mudando sua atividade principal. Elas estão fazendo categorias novas, mudando a forma de aproximação do consumidor, repensando sua distribuição. Mas não criando produtos mais baratos", explicou.

Consumidores

Os consumidores do mercado de luxo ainda estão bastante concentrados em São Paulo, com 61% do total, mas já se espalham por outras regiões do país. A capital Brasília, por exemplo, é considerada a cidade mais promissora para o setor em 2009, apontada por 48% dos empresários entrevistados.

PUBLICIDADE

A pesquisa mostra ainda que as mulheres são a maioria entre os compradores de produtos de luxo, representando 63% do mercado. A maior parte dos consumidores do segmento --40%-- tem entre 26 e 35 anos. Os brasileiros entre 36 e 45 representam 24% dos clientes.

Os efeitos da crise no comércio de luxo e as diretrizes do segmento serão discutidos em evento organizado pela MCF no próximo mês.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Preço pago pelo quilo do mel em MS tem alta de 36% em relação a 2020
RURAL
Preço pago pelo quilo do mel em MS tem alta de 36% em relação a 2020
BRASIL
Técnicos da Anvisa inspecionam laboratório indiano que produz Covaxin
Acesso à UPA recebe nova sinalização em Dourados
TRÂNSITO
Acesso à UPA recebe nova sinalização em Dourados
Produção industrial de MS apresenta bom desempenho em janeiro
ECONOMIA
Produção industrial de MS apresenta bom desempenho em janeiro
Com central telefônica 'problemática', município vai criar site para agendar vacinação
DOURADOS
Com central telefônica 'problemática', município vai criar site para agendar vacinação
MEIO AMBIENTE
Filhote de anta é capturado após ser atacado por cachorros
MATO GROSSO DO SUL
Pesca esportiva está liberada nas bacias do Paraguai e Paraná
CORUMBÁ
Homem é preso acusado de estuprar adolescente de 15 anos
PANDEMIA
Vacinômetro aponta que 4% da população de MS está imunizada contra o coronavírus
BRASIL
Universidades federais têm até dezembro para adotar diploma digital

Mais Lidas

ACIDENTE
Veículo pega fogo ao colidir em coqueiro entre Dourados e Itaporã
DOURADOS
Jovem colide moto e embriagado tenta fugir do hospital, mas é detido
PANDEMIA
Mais uma pessoa morre por covid em Dourados e casos confirmados se aproximam de 21 mil
DOURADOS
Homem é suspeito de incendiar carro de vizinho após ser mordido por cachorro