Menu
Busca terça, 02 de junho de 2020
(67) 99659-5905

Menina morre após ser feita de 'escudo' por padrasto em Natal

18 dezembro 2009 - 13h54

Uma menina de 4 anos morreu depois de ser obrigada pelo padrasto a servir como "escudo humano" em Felipe Camarão, em Natal, no Rio Grande do Norte. O homem colocou a criança em sua frente para se proteger de disparos feitos por um desafeto. A menina brincava com a irmã em casa na noite de quarta-feira, quando o padrasto a colocou no colo para se defender dos tiros. Os moradores do bairro estão revoltados com o caso.
Segundo policiais, um rapaz conhecido como "Djon" teria atirado contra o padrasto da menina, Aldecir Virgílio da Silva, que tem passagens pela polícia. De acordo com os policiais, "Djon" atirou em Silva por causa de uma antiga rixa entre os dois.
- Depois que ele levou um tiro na perna, para não levar outro, colocou a menina na frente. Aí o tiro foi e pegou no peito dela. Matou na hora - disse um tio da criança.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MARACAJU
Mulheres denunciam tarado que se tocava em terminal rodoviário
COVID-19
'Lamento todos os mortos, mas é o destino de todo mundo', diz Bolsonaro
DOURADOS
Prefeitura selecionará apresentações culturais para exibições on-line
FUTEBOL
Flamengo e Jesus aparam arestas e acertam renovação até junho de 2021
COSTA RICA
Em reconstituição, ex assume morte de casal, mas alega legítima defesa
QUARENTENA
Moro não poderá advogar por 6 meses e receberá salário de ministro
ECONOMIA
Prazo de pagamento da inscrição no Enem é prorrogado para o dia 10
RIO PIQUIRI
Corpo de adolescente que saiu para pescar sozinho é encontrado em rio
AVANÇO DA PANDEMIA
Brasil registra 1.262 mortes por Covid-19 em 24 horas e chega a 31.199
IVINHEMA
Mulher é suspeita de forçar filha de 6 anos a participar de sessões de estupro

Mais Lidas

DOURADOS
HU emite nota de esclarecimento sobre atendimento de mulher que morreu com Covid-19
PANDEMIA
Com mais 27 casos, Dourados ultrapassa 300 confirmações de coronavírus
PANDEMIA
Dourados registra mais 19 casos de coronavírus em 24 horas
6ª VARA CÍVEL
Empresário vai à Justiça contra toque de recolher em Dourados