Menu
Busca quinta, 28 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Médicos suspendem atendimento no hospital regional de Ponta Porã

16 dezembro 2009 - 14h08

Os dez médicos que ainda prestam serviço à Prefeitura de Ponta Porã entraram em greve ontem por uma remuneração mais justa e contra a jornada considerada “desumana” à que estão sendo submetidos diariamente, por conta do acúmulo de serviço. A paralisação dos atendimentos ocorreu ontem e não tem data para acabar. Nenhum paciente está sendo recebido no hospital regional.

Só os pacientes que estão internados receberão atendimento. Esta é a pior crise na área da saúde em Ponta Porã nos últimos dez anos. Dos quinze médicos que atendiam a população, um se mudou de cidade e quatro tiveram que se afastar por causa de problemas cardíacos. Eles ainda estão em tratamento e não se sabe se após a convalescença irão voltar aos plantões.

Os dez clínicos restantes reclamam que estão tendo de trabalhar de manhã, à tarde e à noite para receber um salário não condizente com o serviço que prestam. Por cada plantão os profissionais recebem R$ 500. Anteontem eles entregaram uma carta ao secretário de Saúde, Josué da Silva Lopes, reivindicando R$ 1 mil por plantão. Sem autonomia para resolver o problema, Josué levou o caso ao conhecimento do prefeito Flávio Kayatt (PSDB).

O prefeito teria sinalizado com um aumento para R$ 600 por plantão e depois para R$ 750, mas não convenceu os médicos. Ontem, o secretário foi informado oficialmente sobre a paralisação no pronto-socorro. Para a manhã de hoje está prevista uma reunião entre os médicos e os secretários municipais de Saúde, Josué Lopes e de Governo, Dulce Manosso, para tentar um acordo. Enquanto isso a população permanece sem assistência.

A greve dos médicos em relação à emergência é prenúncio do colapso iminente do sistema de Saúde em Ponta Porã, só comparado ao que foi registrado em 2000, quando o hospital e os postos de Saúde acabaram fechados. Autoridades do setor acreditam que embora a crise esteja relacionada à incompetência gerencial do Poder Executivo, ela pode provocar a queda do secretário de Saúde.

PIOR

Se a greve dos médicos é ruim, é possível que a situação fique ainda pior por conta da provável adesão de enfermeiros e funcionários administrativos do hospital regional. Descontos ainda não explicados na folha do 13º salário estão provocando protestos entre os que trabalham na unidade. Cortes de até 30% nos vencimentos recebidos estariam entre os motivos da revolta interna.

Como é de praxe, nenhum funcionário ou superior quis falar ontem sobre o problema. Eles pediram que fosse feito contato com a assessoria de imprensa da prefeitura, que aparentemente não tinha conhecimento do tamanho da crise. A Câmara Municipal também não foi informada oficialmente sobre a suspensão dos atendimentos no hospital regional.

Parlamentares consultados ontem disseram que estão sabendo “extra-oficialmente” sobre o problema, mas que o assunto não foi levado à discussão no Poder Legislativo. Os vereadores entraram de férias e só voltam ao trabalho no dia 1º de fevereiro do ano que vem. Embora nada os impeça de pressionar o Executivo por uma solução, é possível que o assunto seja acompanhado “à distância”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MATO GROSSO DO SUL
Projeto prevê suspensão da restrição do CPF por dívidas relativas ao IPVA
PANDEMIA
Ainda com baixa incidência, taxa de contágio de MS é uma das maiores do país
BRASIL
Aras se manifesta contra pedido para apreender celular de Bolsonaro
PANDEMIA
Novo coronavírus ainda não chegou aos distritos de Dourados
DOURADOS
Primeiro dia de barreira sanitária flagrou três suspeitos de coronavírus
ARTIGO
Home Office
COVID-19
MPE pede multa diária de R$ 30 mil ao município por falta de estudo epidemiológico de casal
COVID-19
Curva segue ascendente e Dourados ultrapassa 200 casos de coronavírus
APARECIDA DO TABOADO
Proprietário de fazenda é autuado em quase R$ 13 mil por exploração ilegal de madeira
DOURADOS
Na reta final, vacinação contra Influenza só atingiu meta em dois grupos até agora

Mais Lidas

DOURADOS
Paciente com suspeita de coronavírus afasta mais de 20 profissionais da saúde no HV e UPA
PANDEMIA
Dourados é "campeã" de casos de coronavírus em MS pelo 3º dia consecutivo
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher