Menu
Busca sexta, 14 de maio de 2021
(67) 99257-3397

MEC quer criar 180 mil vagas no Programa Universidade para Todos

13 setembro 2004 - 18h12

O Ministério da Educação pretende criar através do Programa Universidade para Todos (Prouni) 180 mil vagas até 2006 e, em longo prazo, quer oferecer um total de 300 mil vagas. O programa, que foi lançado por medida provisória (MP) nesta segunda-feira, prevê a reserva de vagas para alunos de baixa renda nas universidades particulares. De acordo com a MP, em troca de 10% de sua receita em vagas, as instituições privadas serão beneficiadas com a isenção de quatro impostos: Imposto de Renda de Pessoa Jurídica, a Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL), Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). Já as universidades filantrópicas, que já possuem isenção fiscal, deverão reservar, como contrapatida, 20% de suas vagas para os alunos mais pobres. “Quisemos conjugar duas coisas: a desoneração tributária de um lado e o acesso da população que não pode pagar as mensalidades”, explicou o ministro interino da Educação, Fernando Haddad. Para participar, o aluno deverá ter cursado todo o ensino médio em escolas públicas. A seleção será realizada em duas etapas. A primeira será feita pelo ministério, que irá analisar as notas e os resultados do perfil sócio-econômico do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A segunda será realizada pelas próprias instituições, que deverão definir a lista final com os escolhidos a partir dos nomes enviados pelo MEC. Um artigo publicado da medida provisória prevê que, além dos dados do Enem, o ministério poderá definir outros critérios para selecionar o estudante. De acordo com o ministro interino, não haverá possibilidade de regras que beneficiem um ou outro candidato, em detrimento da competência do aluno. O ministro interino ressaltou que a base do programa é a transparência e que o MEC utilizará os mesmos métodos para a concessão do Financiamento Estudantil (Fies), programa do governo federal. “Qualquer critério que venha a ser estabelecido será um critério transparente. Se vier se agregar um novo instrumento, que seja tão objetivo quanto esse, com o controle social efetivamente empregado na seleção”, destacou. Haddad revelou ainda que o ministério pretendia ter lançado o programa em maio para que houvesse tempo de atender os alunos já matriculados nas instituições. Mas, segundo ele, as dificuldades de tramitação no Congresso Nacional levaram à edição da medida provisória, que vai contemplar os alunos que fizeram o Enem no último dia 29 de agosto.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

PESQUISA
Datafolha: 51% reprovam Bolsonaro na pandemia; 21% aprovam
Torneio de pesca esportivo vai distribuir R$ 100 mil em prêmios
CORUMBÁ
Torneio de pesca esportivo vai distribuir R$ 100 mil em prêmios
Motorista é preso com 45 mil pacotes de cigarros contrabandeados
TACURU
Motorista é preso com 45 mil pacotes de cigarros contrabandeados
TEMPO
Sexta-feira nublada com possibilidade de chuva em Dourados
CASSILÂNDIA
Funcionário de fazenda morre após bater em árvore e ser atropelado por trator
RIO DE JANEIRO
Primeira vereadora trans de Niterói deixa o país após ameaças de morte
TRÁFICO
Polícia do Paraná apreende 2,3 toneladas de maconha que saíram de MS
COMISSÃO NO SENADO
Executivo da Pfizer diz que tentou 6 vezes vender vacinas, e governo não quis
CAMPO GRANDE
Polícia prende mulher que guardava droga a mando de marido preso
PREVIDÊNCIA
Prova de vida do INSS volta a valer a partir de junho nas agências

Mais Lidas

DOURADOS
Descontrolado, pastor xinga policiais por ser orientado a diminuir som de igreja
PESQUISA
Estudo confirma presença de dinossauros em Mato Grosso do Sul
ARTISTA
Desenhista de MS "consagrado" por Silvio Santos terá novo encontro com apresentador
CORONAVÍRUS
Murilo Zauith passa por reabilitação e segue internado em SP