sexta, 21 de janeiro de 2022
Dourados
38°max
23°min
Campo Grande
35°max
22°min
Três Lagoas
37°max
23°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

MEC lançará programa virtual para tornar aulas mais atraentes

12 janeiro 2004 - 15h29

Tornar a aula de matemática mais atraente pode parecer uma tarefa bastante difícil. A última avaliação de desempenho realizada pelo Ministério da Educação, em 2001, revelou que pelo menos 67% dos alunos do terceiro ano do ensino médio possuem desempenho considerado muito crítico nesta disciplina.Para tentar mudar essa realidade, o Ministério da Educação lançará neste ano a Rede Internacional Virtual de Educação (Rived), um projeto que pretende enriquecer as aulas nas disciplinas que os resultados são os piores da educação: matemática, física, química e biologia.O Rived consiste na elaboração de módulos de ajuda para o professor que poderá trabalhar o planejamento das aulas com mais facilidade e mais criatividade. “A escassez de material e a evolução das disciplinas nas áreas de ciências e exatas é muito grande. O livro didático se torna defasado, longe do dia-a-dia do adolescente”, explica o coordenador do programa, Jean Marc Mutzig.Com o programa, o professor precisará apenas de um computador para aplicar as dicas e metodologias sugeridas, desde joguinhos até desafios para estimular a participação nas aulas. “A tecnologia permite uma melhor visualização do que está sendo ensinado, da aplicação real que a matemática, por exemplo, pode ter”, afirma o coordenador.Inicialmente o Rived será testado nas escolas de ensino médio do Distrito Federal e logo depois poderá ser estendido para todo o país e outros países, como Peru e Venezuela. O projeto conta com 20 temas, mas deverá contar com o apoio das universidades para multiplicar o número de módulos. “A intenção é mobilizar também os alunos de licenciatura das universidades para que eles possam participar da criação de novos módulos e também para que cheguem às salas sabendo como funciona o programa”, disse Mutzig. A professora de matemática Maria Jurema Martins reconhece que as aulas não são muito atraentes. “Eu acho o ensino de matemática monótono. Ficar 50 minutos dentro de uma sala só ouvindo enunciados e fazendo exercícios não dá. O ideal é ir para o laboratório de informática com o professor, que poderá acompanhar a aprendizagem de cada aluno”, defende ela.Lecionando há mais de 25 anos no Centro Educacional Gisno, em Brasília, a professora fala da necessidade de renovar os métodos pedagógicos nessas disciplinas. “Confesso que a falta do aspecto lúdico principalmente para o ensino médio causa a desmotivação do aluno. Não adianta ele ter um computador em casa e chegar na escola e voltar para idade da pedra!”, alerta.A partir de quinta-feira (15), os interessados poderão acessar o endereço http://rived.proinfo.mec.gov.br para se cadastrar e conhecer melhor o projeto. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRIME AMBIENTAL

Arrendatário é multado em R$ 22 mil por manter gado em área protegida 

MERCADO FINANCEIRO

Dólar sobe para R$ 5,45, mas tem segunda semana seguida de queda

RIO BRILHANTE 

Homem cobra R$ 5 mil para deixar de fazer ameaças a ex-mulher

NÚMEROS DA PANDEMIA

Brasil registra 396 mortes por Covid em 24 h; média bate novo recorde

CAPITAL

Homem invade casa de vizinho e estupra menina de 12 anos

PEQUENOS NEGÓCIOS

Empresas terão até março para regularizar dívidas do Simples

VIOLÊNCIA

Idoso é assassinado a pauladas por não querer pagar bebida em bar

IMUNIZAÇÃO

Alan diz que Dourados aguarda orientação para aplicação de Coronavac em crianças

SETE QUEDAS

Mulher agredida no Natal morre e suspeito é preso tentando fugir

REGIÃO 

TJ/MS convoca candidatos do Concurso Extrajudicial para prova escrita

Mais Lidas

REGIÃO

Jovem acusado de assassinar diretor de escola em 2012 troca tiros com a polícia e morre

REGIÃO

Trabalhador morre após sofrer descarga elétrica na BR-463

FRONTEIRA

Líder do PCC que tinha fugido de presídio do Brasil, é preso junto a comparsas no Paraguai

FRONTEIRA

Ostentação levou polícia até professor que faturava alto para guardar drogas