Menu
Busca quinta, 25 de fevereiro de 2021
(67) 99257-3397

MEC adotará medidas contra ensino jurídico "irresponsável"

24 março 2004 - 15h46

O Ministério da Educação vai definir nos próximos dias medidas destinadas a conter a proliferação de cursos jurídicos particulares e disciplinar a sua criação, dentro de critérios sociais, segundo anunciou há pouco o ministro da Educação, Tarso Genro, em entrevista coletiva. "Vamos propor um instrumento normativo para não permitir a reprodução espontânea,  irresponsável e desnecessária de instituições privadas de ensino", informou ele, observando que estão aí incluídos os estabelecimentos de ensino jurídico. "Vamos adotar em breve medidas de curto e médio prazo para disciplinar a proliferação dos cursos jurídicos", acrescentou Tarso Genro. As medidas estão incluídas na reforma estrutural do MEC e do Conselho Nacional de Educação, divulgadas hoje, e atendem em parte às sugestões apresentadas ao ministro da Educação pelo presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Roberto Busato, no  mês passado.Segundo o ministro, as medidas na área do ensino jurídico serão adotadas dentro de 45 dias. Este é o prazo que falta para completar os 90 dias de suspensão de novas autorizações para cursos jurídicos, anunciado pelo ele no dia 12 de fevereiro último, quando o presidente da OAB lhe entregou as reivindicações contra a proliferação desses cursos.Tarso Genro reiterou o que disse na véspera à Comissão de Educação do Senado sobre a criação desenfreada e indiscriminada de cursos superiores em estabelecimentos particulares. Segundo ele, daqui por diante, dentro da reforma do MEC, "não é o mercado quem vai determinar onde serão criadas as escolas universitárias; é o interesse público". Ele acrescentou: "portanto, temos que usar o potencial financeiro do mercado, no caso das instituições privadas, para instalá-las naqueles locais em que for necessário".Para o presidente da OAB, Roberto Busato, que se encontra em Curitiba, "essa é exatamente a posição defendida há anos pela OAB, de que deve ser levada em conta a necessidade social do curso". Busato observou também que "a notícia de que o MEC levará em conta o critério social mais a sério dá início a um processo de redenção do ensino jurídico no País".O ministro da Educação ressalvou, durante a entrevista, que quando usa o termo "irresponsável" quanto ao processo de expansão desenfreada de faculdades particulares não está se referindo aos empresários do ramo. "Eu estou dizendo que o processo sem controle, sem marcos regulatórios de acordo com o interesse público, transforma as instituições em mecanismos que não respondem ao interesse público; portanto, irresponsáveis". E completou: "Existem boas, más, médias e péssimas escolas privadas. Com a reforma, queremos as boas".

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÊS LAGOAS
Foragido, pai que estuprou a própria filha em São Paulo é preso em MS
AJUDA
Bolsonaro fala em pagar 4 parcelas de R$ 250 de auxílio emergencial
BATAGUASSU
Usando nome falso há 12 anos, homem foge da policia e até registra filha
FUTEBOL
Fundesporte e Federação assinam repasse de R$ 820,9 mil para o Estadual 2021
Golpistas pedem dados de idosa para simular empréstimo e 'limpam' a conta dela
VACINA
Ministério assina acordo para comprar 20 milhões de doses da Covaxin
CAMPO GRANDE
Idoso fica em porta-malas por mais de meia hora durante roubo de carro
ECONOMIA
Nova linha de crédito imobiliário da Caixa tem juros atrelados à poupança
CRIME AMBIENTAL
Fazendeiro é multado em R$ 19 mil por desmatamento de bioma protegido
PROTESTO
Servidores públicos realizam ação contra a PEC Emergencial em Dourados

Mais Lidas

REGIÃO
Homem é preso após estuprar menina de 11 anos
POLÍCIA
Identificada vítima fatal de acidente entre carretas
DOURADOS
Câmara aprova projeto do Executivo para elevar remuneração de secretários municipais
BELEZA
Representante de Dourados está na final do Miss Brasil Teen