Menu
Busca domingo, 28 de fevereiro de 2021
(67) 99257-3397

Marçal Filho defende aposentados e pensionistas na Câmara Federal

20 agosto 2009 - 08h53

O deputado federal Marçal Filho (PMDB/MS)  elogiou ontem, em pronunciamento, a decisão anunciada pelo presidente da Câmara Federal, Michel Temer (PMDB/SP), de acelerar as discussões sobre o projeto de Lei 1/07, que assegura o mesmo reajuste concedido ao salário mínimo a todos os benefícios mantidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), como pensões, aposentadorias e auxílio-doença. A medida pode beneficiar mais de oito milhões de aposentados e pensionistas brasileiros que recebem acima de um salário mínimo.
“Seja através de um acordo entre o governo, a Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas e as centrais sindicais, seja por uma decisão do Colégio de Líderes, é preciso que se dê uma resposta a essa sofrida parcela de brasileiros, que devido a vários mecanismos (como o famigerado Fator Previdenciário) vem a cada dia tendo mais reduzido o poder de compra dos benefícios que recebem, após anos a fio de contribuição”, conclamou o deputado sulmatogrossensse. A mesma reflexão, segundo ele,  vale para o Projeto de Lei 3299/08, que extingue o Fator Previdenciário, e para o Projeto de Lei 4434/08, que cria um índice específico de correção previdenciária, ambos em discussão nas Comissões da Casa.
“Os números são de clareza solar no que se refere à injustiça que vem se perpetrando contra os aposentados que ganham mais que um salário mínimo. E aqui vale até uma abordagem semântica: o “mínimo” nesse caso é tratado como “máximo”, como se aqueles que ganham mais que esse teto (mínimo) fossem uma casta privilegiada, quando sabemos que não é bem assim”, ponderou o parlamentar, apresentando números que, segundo ele, justificam as mudanças. “Para se ter uma idéia os aposentados que recebiam um salário mínimo em 2006 tiveram reajuste de 16,6%, e os que recebiam acima de um salário tiveram reajuste de 5,1%. Agora, em 2009, os que recebiam um salário mínimo tiveram correção de 8,6%, enquanto os que recebiam acima de um salário, só tiveram reajuste de 3,3%”, apontou.
Marçal Filho citou como exemplo o caso de um homem que tenha começado a trabalhar aos 16 anos e decida se aposentar aos 51 anos, com 35 de contribuição. “O valor do beneficio integral a que teria direito,considerando-se a média das maiores contribuições,seria de R$ 1 mil.Pela regra atual,esse trabalhador teria um fator previdenciário de 0,629. Ou seja, ele receberia de aposentadoria R$629-perda de 37,1%”, constatou Marçal, ressaltando considerar a regra “verdadeiramente um absurdo”.
Marçal Filho afirmou concordar, “em gênero, número e grau”, com a Confederação Brasileira dos Aposentados e Pensionistas, COBAP, entidade representativa dos aposentados e pensionistas e principal defensora das mudanças . “A Previdência Social deve ser discutida, sobretudo, com responsabilidade social, resgatando o modelo de Seguridade Social determinado pela Constituição Federal, que preconiza o uso dos recursos orçamentários para custear as ações de uma nova e abrangente política social baseada na inclusão e na expansão das aposentadorias e pensões urbanas e rurais”, propôs Marçal Filho, questionando o argumento recorrente do déficit previdenciário. “Se diversos dados oficiais, como os divulgados pela Associação Nacional dos Fiscais da Previdência (Anfip) apontam que a Seguridade Social teve, em 2006, mais de R$ 47 bilhões de superávit e, entre 2000 e 2007, mais de R$ 270 bilhões, por que continuar entoando a injustificável cantilena da falta de recursos?”, indagou.
O deputado afirmou, porém, estar “exultante” com a possibilidade palpável de participar da correção de uma injustiça histórica. “Desde há muito tempo que aposentar-se deixou de ser sinônimo de tranqüilidade. Antigamente, mas antigamente mesmo, aposentadoria significava missão cumprida. Atualmente, deixar de trabalhar, passou a ser um tormento para a maioria dos brasileiros”, assinalou Marçal Filho, lembrando que o cidadão, já em idade avançada e a saúde fragilizada, é obrigado a fazer os chamados “bicos” para sobreviver, já que os seus proventos não pagam nem os seus medicamentos de uso diário.
“De uns tempos para cá, o trabalhador quando se aposenta passa a receber menos do que quando estava na ativa e seus ganhos passaram a ser cada vez mais achatados”, reiterou Marçal. “Essa (a correção dos salários dos aposentados que ganham acima de um salário mínimo de acordo coma inflação) é uma luta de mais de uma década que esperamos seja coroada de êxito”, vislumbrou o peemedebista. Ele concluiu dizendo estar confiante na sensibilidade do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de todos os líderes partidários para que as proposições que beneficiam os aposentados e pensionistas sejam votadas o mais breve possível pelo plenário.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Jovem é flagrada carregando drogas em ônibus
TRÁFICO DE DROGAS
Jovem é flagrada carregando drogas em ônibus
Governo do Acre inicia atendimentos médicos a desabrigados
ENCHENTE
Governo do Acre inicia atendimentos médicos a desabrigados
Serpente com mais de 2 metros atrapalha trânsito e é resgatada na Capital
REGIÃO
Serpente com mais de 2 metros atrapalha trânsito e é resgatada na Capital
TREINAMENTO
Google oferece capacitação profissional gratuita para mulheres
Mato Grosso do Sul fecha fevereiro com 371 óbitos por coronavírus
PANDEMIA
Mato Grosso do Sul fecha fevereiro com 371 óbitos por coronavírus
TECNOLOGIA
Satélite brasileiro Amazonia-1 é lançado com sucesso
FISCALIZAÇÃO
Homem é autuado por pescar durante período da piracema
SAÚDE
Campanha vai divulgar informação segura sobre as doenças raras
PANDEMIA
MS tem quase 6 mil casos sem encerramento em plataforma
PANDEMIA
Instituto Butantan entrega 600 mil de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde neste domingo

Mais Lidas

DOURADOS 
Mulher é esfaqueada na região central e encaminhada ao HV em estado grave
DOURADOS 
Mulher que esfaqueou rival é autuada em flagrante por tentativa de homicídio
DOURADOS 
Mulher é presa após furtar residência no Altos do Indaiá
ITAQUIRAÍ
Acusado de matar homem com tiro na nuca diz que vítima ameaçava ex