Menu
Busca quarta, 25 de novembro de 2020
(67) 99659-5905
ESTADO

Mãe será indenizada após esperar liberação do corpo da filha por oito meses

23 janeiro 2020 - 10h18Por Redação

Uma mulher deverá ser indenizada em R$ 20 mil pelo Estado de Mato Grosso do Sul porque precisou esperar oito meses até que o corpo da filha fosse liberado para sepultamento. A condenação foi tornada pública nesta quinta-feira (23) pelo TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

Conforme a Corte estadual, a sentença foi proferida na 2ª Vara da Fazenda Pública e Registros Públicos de Campo Grande, que julgou procedente a ação movida pela mulher.

Ela alegou que a filha foi assassinada e teve o corpo encontrado no dia 25 de novembro de 2016. Embora tenha sido levado ao Instituto Médico Legal, não foi liberado para o sepultamento porque o órgão alegou não possuir os equipamentos necessários para realizar a identificação.

À Justiça, a mãe disse que se sentiu humilhada porque somente oito meses depois, no dia 22 de julho de 2017, houve a liberação dos restos mortais de sua filha para realizar o enterro. Ela pediu para ser indenizada pelos danos morais suportados.

Em contestação, o Estado defendeu que os fatos ocorreram de modo diverso do exposto pela autora, pois a análise de DNA em amostras biológicas de cadáver é extremamente morosa e, no caso em questão, a demora na liberação do corpo se deu pela necessidade de grande número de extrações até a obtenção de êxito nos resultados.

Sobre a questão, analisou o juiz Ricardo Galbiati que não foi encontrado um corpo em boas condições, mas apenas ossada parcialmente conservada. Assim, uma vez que havia a suspeita de que se tratava dos restos mortais da filha da autora, foi solicitado o exame de DNA.

O juiz observou que o laudo pericial informa que houve falta de material para a realização do exame. "Verifica-se dos documentos dos autos que este atraso se deu em razão do órgão em princípio não poder coletar o material por não dispor de polímeros para realização da perícia genética e, após coletado, por não possuir insumos para a análise do DNA".

Em razão da demora da conclusão da perícia, o cartório de registro civil se negou a emitir certidão de óbito, por isso o sepultamento somente foi realizado em cumprimento a determinação judicial.

"O nexo de causalidade e a culpa do ente público estão comprovados pelos documentos colacionados nos autos, uma vez que é certo que houve demora na liberação do corpo da filha da autora em razão da falta de materiais básicos para a realização da perícia, fato que lhe gerou o dano. Ante o exposto, julgo procedente pedido para condenar o Estado de MS a pagar à autora a importância de R$ 20.000,00 a título de indenização por danos morais", sentenciou. (Com informações do TJ-MS)

Deixe seu Comentário

Leia Também

RECORDE
Dívida Pública Federal sobe 2,47% em outubro
Dourados confirma 73 casos e internações por Covid sobe 39% em cinco dias
PANDEMIA
Dourados confirma 73 casos e internações por Covid sobe 39% em cinco dias
Três são presos com caminhonete furtada na capital
FLAGRANTE
Três são presos com caminhonete furtada na capital
Obra criada por pesquisadores da Uems concorre ao prêmio Jabuti
COLETÂNEA DE LIVROS
Obra criada por pesquisadores da Uems concorre ao prêmio Jabuti
BRASIL
Pessoas que contrariam covid-19 podem doar sangue após 30 dias
CONTRABANDO
Carga com 450 pacotes de cigarros paraguaios é apreendida em distrito
MULTA DE R$ 124 MIL
Atividade agrícola deixa parte do rio Formoso em Bonito com cor vermelha
DOURADOS
A um mês do Natal, comércio aguarda resposta da prefeitura sobre horário estendido
SEM CHUVA
'Calorão' em Dourados terá máximas de 37°C até o final de semana
PANDEMIA
Política de atenção à saúde mental das vítimas da Covid-19 pode ser instituída em MS

Mais Lidas

VIOLÊNCIA
Mulher esfaqueia ex após discussão em hotel no Centro de Dourados
ENTERPRISE
Operação contra tráfico internacional de cocaína cumpre mandado de prisão em Dourados
CAPITAL
Funcionária de restaurante é presa em flagrante após furtar dinheiro do caixa
CRIME BÁRBARO
Suspeita de esquartejar e colocar corpo de namorado em malas se entrega à polícia