Menu
Busca domingo, 24 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397

Lula volta a criticar protecionismo de países ricos

27 outubro 2003 - 16h09

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a defender hoje a reconstrução da Organização das Nações Unidas (ONU) de maneira adequada à realidade atual. Ao abrir o 22° Congresso da Internacional Socialista, o presidente disse que a reconstrução da ONU é fundamental para que se alcance a igualdade social no mundo. O encontro vai até quarta-feira (29), na capital paulista.Segundo o presidente, para que o mundo seja mais solidário, democrático e menos desigual, é preciso adotar novas políticas para as relações econômicas, comerciais e culturais internacionais. “Há economias que pregam o livre comércio, mas praticam intensamente o protecionismo. Querem tarifa zero nas relações comerciais, mas não abrem mão de subsídios, que hoje alcançam US$ 1 bilhão por dia. Querem liberalizar serviços, investimentos, propriedade intelectual e compras governamentais, mas utilizam cotas e medidas antidumping para proteger setores ineficientes de suas economias”, disse Lula. O governo brasileiro tem procurado desenvolver uma agenda positiva para a Área de Livre Comércio das Américas (Alca), afirmou Lula. “Em todos esses encontros, defendemos apenas o interesse nacional, nas políticas acordadas no âmbito do Mercosul e em outros foros criados pelos países em desenvolvimento", ressaltou. O Brasil tem governo e quer, como outros países, uma ordem econômica mundial mais justa e equilibrada, com igualdade de oportunidade para todos, afirmou.Aproveitando a oportunidade para responder às críticas a seu governo, o presidente disse que “governar não é uma corrida de 100 metros para se resolver tudo em 10 segundos”, mas uma “maratona”, que deve reunir ações tomadas com calma e outras mais rapidamente. Ele voltou a dizer que não pode errar nos quatro anos de mandato. “Se eu errar, a frustração será muito grande, dentro e fora do Brasil”, disse Lula, ressaltando que dará os passos necessários para que isso não ocorra. O presidente lembrou que, há exatamente um ano, foi eleito presidente da República. Segundo ele, “não foi vitória de um homem, mas de um movimento de massa que soube juntar, por 30 anos, o que pensam os maiores grupos e a própria sociedade”. Lula criticou os líderes que, ao deixarem o governo, passam a morar no exterior e garantiu que, quando deixar o Palácio do Planalto, vai continuar vivendo no Brasil, em São Bernardo do Campo, porque seu apartamento fica a 600 metros do Sindicato dos Metalúrgicos, lugar de onde ele se projetou para todo o mundo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Especial Caiu no Enem realiza correção das provas neste domingo
BRASIL
Especial Caiu no Enem realiza correção das provas neste domingo
Empresário é multado em R$ 10 mil por retomar obra embargada
MS
Empresário é multado em R$ 10 mil por retomar obra embargada
BRASIL
MPT alerta para risco de fragilização e precarização do instituto da aprendizagem profissional
Estados brasileiros começam a receber vacina de Oxford
COVID-19
Estados brasileiros começam a receber vacina de Oxford
Covid-19 mantém 258 sul-mato-grossenses em leitos de UTI
PANDEMIA
Covid-19 mantém 258 sul-mato-grossenses em leitos de UTI
PANDEMIA
Estado aguarda atualização de 4,7 mil possíveis casos de Covid-19 nos municípios
BRASIL
Prêmio Sesc de Literatura abre inscrições para obras inéditas
DOURADOS
Pré-matrículas na rede municipal vão de segunda a sexta-feira
PANDEMIA
Fiocruz negocia mais 15 milhões de doses de vacina da AstraZeneca
CLIMA
Em alerta, Dourados pode ter janeiro mais chuvoso da história

Mais Lidas

CENTRO
Primeiro acidente de trânsito com vítima fatal neste ano é registrado em Dourados
TRAGÉDIA
Segundo acidente de trânsito com vítima fatal é registrado em Dourados
TRAGÉDIA
Vídeo mostra momento exato de acidente com vítima fatal em Dourados
DOURADOS
Motociclista que morreu após colisão em cruzamento invadiu via preferencial