Menu
Busca terça, 02 de junho de 2020
(67) 99659-5905

Lula em 2003 é que esqueceu tudo o que pregou antes, diz FHC

23 dezembro 2009 - 17h33

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (de 1994 a 2002) respondeu a um pequeno questionário do iG, por email, sobre o fato de 2010 ser a primeira eleição sem Luiz Inácio Lula da Silva como candidato.

iG - O senhor acha que a não-candidatura de Lula à Presidência terá algum peso no imaginário popular?

Fernando Henrique - Certamente a não-candidatura de Lula afeta o imaginário popular, pois será a primeira vez, desde 1989, que ele não será candidato. Nenhum dos potenciais candidatos poderá se apresentar, como Lula, como "igual ao povão".
iG - Terá algum significado eleitoral? Sociológico?
Fernando Henrique - Quanto ao significado eleitoral desse fato, depende do desempenho dos candidatos. Qual deles, sem a trajetória de Lula, será capaz de abrir um caminho de esperança e de inspirar confiança? Não é preciso ter a mesma trajetória para vencer. Não nos esqueçamos que eu venci Lula duas vezes em primeiro turno e os preconceitos anti-intelectuais e anti-elite foram usados contra mim.
Sociologicamente, o jogo já foi jogado. A eleição e o desempenho de um líder sindical com as origens sociais de Lula mostram a flexibilidade da sociedade brasileira no sentido democrático e, também, a força das instituições para moldar comportamentos. O Lula-presidente se tornou um membro tradicional da elite dirigente.
iG - Em 89, Fernando Henrique Cardoso votou em Lula no 2º turno?
Fernando Henrique - Sim, votei em Lula no segundo turno contra Collor, embora apreensivo com o que pudesse ocorrer com sua eleição, dada a imaturidade política do candidato e de seu partido na época.
iG - Em 94 e 98, o senhor disputou contra ele e venceu. Aí o PSDB e o PT passaram a ter projetos irremediavelmente diferentes?
Fernando Henrique - Eu não creio que os caminhos do PSDB e do PT sejam irremediavelmente divergentes. Os projetos de poder se chocam. O PT ainda mantém a visão tradicional de que o partido e seus militantes devem ocupar a máquina pública - o estado - e a partir dele mudar a sociedade na linha do modelo mais burocrático-autoritário do que na linha mais pluralista do PSDB. Mas o governo Lula seguiu, no geral, as orientações econômicas e mesmo os programas sociais de meu governo, aprofundando alguns.
iG - Quem era o Lula que disputou contra o senhor e o de agora?
Fernando Henrique - Noutros termos, Lula de 2003 em diante,  ele sim, esqueceu tudo o que pregou antes e, infelizmente, não se limitou a absorver o que de bom e de novo se fez antes dele no país, mas regrediu quanto ao clientelismo e à permissibilidade diante de práticas menos transparentes na política e na administração.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FUTEBOL
Flamengo e Jesus aparam arestas e acertam renovação até junho de 2021
COSTA RICA
Em reconstituição, ex assume morte de casal, mas alega legítima defesa
QUARENTENA
Moro não poderá advogar por 6 meses e receberá salário de ministro
ECONOMIA
Prazo de pagamento da inscrição no Enem é prorrogado para o dia 10
RIO PIQUIRI
Corpo de adolescente que saiu para pescar sozinho é encontrado em rio
AVANÇO DA PANDEMIA
Brasil registra 1.262 mortes por Covid-19 em 24 horas e chega a 31.199
IVINHEMA
Mulher é suspeita de forçar filha de 6 anos a participar de sessões de estupro
JUSTIÇA
Empresa de telefonia é condenada em R$ 10 mil por cancelamento de linha
DOURADOS
Na cidade com mais casos de Covid-19, quatro pessoas estão internadas em leitos públicos
CORONAVIDAS HUB/DOURADOS
Grupo entrega protetores faciais para atender profissionais da saúde e de áreas de risco

Mais Lidas

DOURADOS
HU emite nota de esclarecimento sobre atendimento de mulher que morreu com Covid-19
PANDEMIA
Com mais 27 casos, Dourados ultrapassa 300 confirmações de coronavírus
PANDEMIA
Dourados registra mais 19 casos de coronavírus em 24 horas
6ª VARA CÍVEL
Empresário vai à Justiça contra toque de recolher em Dourados