Menu
Busca domingo, 28 de fevereiro de 2021
(67) 99257-3397
DECISÃO

Locatário que teve imóvel demolido será indenizado

19 janeiro 2021 - 16h08Por Da redação

A justiça negou provimento ao recurso de uma construtora condenada ao pagamento de danos materiais e morais após ter demolido construção erguida pelo locatário de imóvel. A decisão é da 2ª Câmara Cível que refutou a tese de exercício regular de direito.

Segundo o processo, em 2002 um comerciante tornou-se locatário de um terreno baldio, no bairro Jardim Clímax, em Dourados. O locatário então ergueu uma pequena construção de 22 m² para funcionar como ponto de venda de produtos importados e passou a exercer sua atividade laboral no local. Passados mais de 10 anos, uma construtora adquiriu a propriedade do terreno e começou a buscar meios de retirá-lo.

Em fevereiro de 2014, a prefeitura de Dourados interditou o estabelecimento comercial por falta de recolhimento de tributos, o que motivou o comerciante a impetrar mandado de segurança. Enquanto ainda esperava a decisão judicial sobre o ato administrativo, no entanto, a construtora, na madrugada do feriado de Corpus Christi daquele mesmo ano, demoliu o prédio.

O comerciante ingressou com ação na justiça requerendo indenização por danos materiais, referentes ao valor gasto com a construção do “box”, e por danos morais, uma vez que viu sua fonte de renda e sustento da família ser derrubada sem autorização. O juízo de 1º grau julgou o pedido procedente e condenou a empresa a pagar o valor de construção do imóvel, estimado em cerca de R$ 19 mil, e indenização por danos morais no montante de R$ 20 mil.

Insatisfeita, a construtora apresentou recurso de apelação e alegou ter sido notificada pela prefeitura de Dourados para sanar irregularidades do imóvel e que possuía alvará determinando a demolição do prédio. Apontou também que o imóvel estava interditado antes da demolição, inocorrendo dano moral. Por último, sustentou que a parte requerente não provou o valor do dano material supostamente sofrido.

O relator do recurso, Des. Vilson Bertelli, ao proferir seu voto, ressaltou que o alvará mencionado pela construtora e trazido aos autos não contém determinação de demolição do imóvel, mas tão somente permissão para reforma a ser realizada pelo proprietário. 

“Por isso, o referido alvará não justifica e tampouco torna válido o ato praticado pela empresa, por serem atos administrativos distintos a autorização e a determinação de demolição de imóvel”, asseverou.

Quanto ao fato de o imóvel estar interditado, o magistrado destacou que isso se deu por pendências tributárias, não por precariedade ou ausência de segurança da construção, com quis fazer parecer a empresa. 

No entender do relator, ainda que fosse o caso, a construtora poderia ajuizar demanda de rescisão de contrato cumulada com despejo, mas, de forma alguma, poderia demolir o imóvel locado a seu bel prazer na vigência do contrato. Ele também frisou que a realização da demolição na madrugada de um feriado apenas reforça a má-fé da construtora. 

Quanto aos argumentos de falta de prova da quantia gasta na construção, o desembargador assinalou que é inviável exigir notas fiscais de serviços e produtos de uma construção ocorrida há 12 anos e que é possível apurar valor justo e razoável, valendo-se de pesquisas divulgadas pelo IBGE sobre valor médio de construção de imóveis, o que, inclusive, foi feito pelo juízo de 1º grau.

“Importante considerar que a inviabilidade de apurar o valor efetivo do prejuízo se deve exclusivamente à conduta ilícita da empresa, por ter demolido o imóvel na madrugada de feriado nacional, sem autorização do Poder Judiciário ou determinação do Poder Executivo Municipal”, apregoou.

Em relação aos danos morais suportados pela parte autora, o magistrado julgou igualmente presentes, vez que a demolição trouxe, além de indignação, constrangimento e humilhação, insegurança quanto à garantia do seu sustento e da família, devendo, portanto, ser mantida a quantia de R$ 20 mil estipulada pelo juízo singular.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Contribuinte não pode mudar declaração de IR simplificada para completa após prazo de entrega
JUSTIÇA FEDERAL
Contribuinte não pode mudar declaração de IR simplificada para completa após prazo de entrega
Ceará lança lista inédita de animais encontrados no estado
BRASIL
Ceará lança lista inédita de animais encontrados no estado
Ampliados setores que vão abrir durante lockdown no Distrito Federal
PANDEMIA
Ampliados setores que vão abrir durante lockdown no Distrito Federal
Liminar impede uso da tese de legitima defesa da honra em processos criminais
STF
Liminar impede uso da tese de legitima defesa da honra em processos criminais
Bia Ferreira é campeã no Torneio de Strandja, na Bulgária
BOXE
Bia Ferreira é campeã no Torneio de Strandja, na Bulgária
DOURADOS
MPE e Defensoria não se opõem a júri para assassino de ex-secretário
STJ
Sexta Turma nega habeas corpus a réu condenado por estupro de vulnerável mesmo sem contato físico
BRASIL
Fábricas de Cultura investem em tecnologia de inteligência artificia
MS
Preso com agrotóxicos é autuado em R$ 180 mil pela PMA
FUTSAL
Minas vence Dois irmãos e encara Magnus na final da Supercopa

Mais Lidas

DOURADOS 
Mulher é esfaqueada na região central e encaminhada ao HV em estado grave
DOURADOS 
Mulher que esfaqueou rival é autuada em flagrante por tentativa de homicídio
DOURADOS 
Mulher é presa após furtar residência no Altos do Indaiá
ITAQUIRAÍ
Acusado de matar homem com tiro na nuca diz que vítima ameaçava ex