Menu
Busca domingo, 31 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Livro sobre mulher de Solano López reabre debate sobre Guerra do PY

04 janeiro 2010 - 16h26

Prestes a completar 140 anos do seu fim, em março de 2010, a Guerra do Paraguai ainda causa frisson na região e seus reflexos fazem com que o tema volte à tona. O recente lançamento do livro Calúnia – Elisa Lynch e a Guerra do Paraguai, dos escritores Michael Lillis e Ronan Fanning (Editora Terceiro Nome) trouxe dados novos sobre a trajetória da irlandesa, mulher do presidente paraguaio Francisco Solano López, que entrou em guerra, ao mesmo tempo, contra Brasil, Argentina e Uruguai. Durante toda sua história, Elisa foi injuriada por escritores dos três países da chamada Tríplice Aliança e até por paraguaios.

A Guerra do Paraguai, segundo mais cruento conflito do continente americano – depois da Guerra da Secessão (1861-1865) nos EUA -, começou em dezembro de 1864, com a invasão do Mato Grosso (atual Mato Grosso do Sul), ordenada por López. Segundo a historiografia, um erro de cálculo do ditador paraguaio.

López não contava com a aliança entre os rivais brasileiros e argentinos e achava que teria o apoio do caudilho Justo José de Urquiza. O general argentino era adversário do governo central de Bartolomeu Mitre, encastelado em Buenos Aires. Urquiza, porém, ficou do lado da Tríplice Aliança e ampliou sua fortuna pessoal vendendo cavalos aos aliados.

A causa mais direta do conflito foi a ascensão do Paraguai e seu interesse estratégico em manter o Uruguai independente, sem influência brasileira e argentina, para garantir a livre navegação do Rio da Prata – fundamental para o comércio do país na época.

MOBILIZAÇÃO

Para impor seus interesses, Assunção contava com uma ampla superioridade militar: cerca de 80 mil homens e 28 navios. Juntos, as forças da Tríplice Aliança não chegavam a um terço das paraguaias.

No entanto, a capacidade de mobilização do Brasil era muito maior. Estima-se que o Império tivesse cerca de 20 milhões de habitantes, enquanto o Paraguai não passava de meio milhão.

O recrutamento em massa, a formação dos chamados “voluntários da pátria”, principalmente escravos, foi decisiva para a vitória dos aliados.

O conflito terminou em 1870 com cerca de 300 mil paraguaios mortos e aproximadamente 70 mil vítimas do lado da Tríplice Aliança. Segundo Francisco Doratioto, professor da Universidade de Brasília (UnB) e autor de Maldita Guerra (Cia. das Letras), a Guerra do Paraguai acabou um processo de consolidação dos Estados nacionais na região. A Argentina foi unificada e o poder centralizado em Buenos Aires. No Brasil, o conflito ajudou a derrubar a escravidão e a monarquia. Uruguai e Paraguai se firmaram como satélites das duas potências regionais.

DETALHES

O lançamento do livro Calúnia – Elisa Lynch e a Guerra do Paraguai ajudou a reviver a batalha sem fim travada por historiadores sobre os reais motivos que levaram Solano López à guerra. “Com o livro, volta-se a falar sobre o assunto. Sempre haverá algo de novo para falar sobre a guerra”, afirmou Doratioto. Para o especialista, Calúnia ajuda a resgatar a história de uma das mais marcantes personagens do episódio.

“Até mesmo na minha obra, como em várias outras, Elisa Lynch é retratada como se fosse uma prostituta de luxo, o que era quase consensual. O mérito dos autores é a pesquisa exaustiva nos arquivos da polícia francesa para comprovar que ela não poderia ter atuado em uma famosa “casa de tolerância” em Paris”, explicou o professor. A obra de Doratioto e de outros historiadores – como Ricardo Salles, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), autor de Guerra do Paraguai: Escravidão e Cidadania na Formação do Exército, e do professor da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), Alfredo Menezes, que escreveu Guerra do Paraguai – Como Construímos o Conflito – ajudaram a mudar a visão sobre a conflagração no Brasil, até então fortemente influenciada pelo livro Guerra do Paraguai: o Genocídio Americano, escrito pelo jornalista Júlio José Chiavenato, lançado em 1979.

NOVA VISÃO

No livro de Chiavenato, o Paraguai de López, uma nação fortemente armada que invadiu Brasil e Argentina, passa de agressor a agredido.

O presidente paraguaio, visto até mesmo em seu país como um tirano, ganha veleidades quase socialistas e a Grã-Bretanha, potência hegemônica da época, é acusada de insuflar a Tríplice Aliança a atacar o país para destruir sua nascente indústria.

Essa interpretação, elaborada durante a ditadura militar no Brasil, tentava desacreditar o Exército brasileiro. Uma nova visão, mais equilibrada e livre de preconceitos ideológicos, surgiu nos anos 90, liderada por Doratioto.

“O trabalho de Chiavenato teve o mérito de chamar a atenção para o tema, que andava esquecido, mas é datado e tinha o objetivo principal de atacar a ditadura, destruindo seus símbolos, entre eles Duque de Caxias, principal comandante brasileiro, e o imperialismo americano, mirando no imperialismo inglês do século 19?, afirmou Orlando de Barros, professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj).

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Funcionários da sede do Detran/MS passarão por testes rápidos do coronavírus
ECONOMIA
Governo atualiza programação orçamentária
ESPORTE
Em novo conceito, corrida de rua inicia nesta segunda-feira em MS
PANDEMIA
Mais dois municípios de MS entram na rota do coronavírus
CAMPO GRANDE
UFMS abre inscrições para curso de Especialização em Segurança Pública
CIÊNCIA
Equipe da Fiocruz MG trabalha em vacina brasileira para covid-19
PESQUISA
Datafolha: 72% discordam da frase de Bolsonaro sobre dar armas para população
PANDEMIA
Com 71 novas confirmações, MS chega a 1.489 casos de coronavírus
CAPITAL
Mulher morre após acidente de trânsito causado por homem embriagado
PANDEMIA
Dourados registra mais 19 casos de coronavírus em 24 horas

Mais Lidas

DOURADOS
Protocolo é seguido e mulher vítima do coronavírus é enterrada sem despedida de familiares
PANDEMIA
Estado alerta que Dourados deve ser cidade com mais casos de Covid-19 na próxima semana
MAIORIA JOVENS
Vítima fatal da Covid-19 faz parte da faixa etária com mais casos da doença em Dourados
POLÍCIA
Homem encontrado morto sob a ponte do Calarge tinha 38 anos