Menu
Busca segunda, 12 de abril de 2021
(67) 99257-3397

Leia o artigo Pesquisa, meio ambiente e produção no Pantanal

10 maio 2005 - 07h11

PESQUISA, MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO NO PANTANAL.O Pantanal brasileiro é a maior área continental inundável do planeta e abrange os estados de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. Por sua importância, foi declarado pela Unesco como Reserva Mundial da Biosfera. De todas as características do Pantanal, a que mais causa admiração a quem visita, é a abundância e riqueza de sua vida selvagem. Espécies pouco comuns em outras regiões do Brasil têm populações densas e vigorosas no Pantanal, como a capivara e o jacaré.Áreas de pesquisa da Embrapa PantanalFaunaDesde 1987, a área de Fauna da Embrapa Pantanal tem realizado estudos sobre a biologia e ecologia das populações de jacaré-do-pantanal, visando desenvolver o conhecimento necessário para o aproveitamento sustentado deste recurso. À partir destes estudos, mitos foram desfeitos. Hoje sabemos que o jacaré-do-pantanal não está em extinção, que, ao contrário, suas populações são densas e estão distribuídas por quase todos os corpos de água permanente no Pantanal. Estas pesquisas subsidiaram o governo dos EUA para excluir o jacaré-do-pantanal da Lista Norte-Americana das Espécies Ameaçadas. As pesquisas com o jacaré incluíram também um projeto de manejo experimental  que deu origem a numerosas recomendações para a adequação da legislação e regulamentação existentes, flexibilizando as formas de manejo do jacaré-do-pantanal e o seu uso sustentado, no âmbito das propriedades do Pantanal, e não apenas nos centros urbanos e entorno do Pantanal. Além dos estudos com o jacaré, a equipe ainda desenvolve um programa de monitoramento, através de levantamentos aéreos, das populações de cervo-do-pantanal, veado campeiro e capivaras.     Recursos PesqueirosA pesca (esportiva e profissional) é a segunda maior atividade econômica do Pantanal, movimentando cerca de R$ 150 milhões/ano. Grande parte da legislação referente a pesca das principais espécies comerciais do Pantanal, desde longa data vêm utilizando informações geradas pelas pesquisas da EMBRAPA. Tamanhos mínimos de captura e época de locais de pesca tem sido aspectos norteadores da administração pesqueira da região. A demanda crescente quanto à sustentabilidade das populações de peixes resultou no desenvolvimento de linhas de pesquisas para ampliar o conhecimento da biologia a ecologia de espécies utilizadas como iscas-vivas pela pesca esportiva, particularmente da tuvira, cuja comercialização foi estimada em cerca de 17 milhões de unidades em 1997. Entre outros projetos, a Embrapa Pantanal está desenvolvendo, ainda, o de "Banco de Sêmen Congelado de Peixes do Pantanal", com o objetivo de assegurar a conservação e utilização da diversidade genética dos peixes neotropicais brasileiros.  Uma ferramenta importante para a administração dos recursos pesqueiros da região é o sistema de Controle da Pesca (SCPESCA),  desenvolvido pela Embrapa Pantanal em parceria com a Fundação Meio Ambiente Pantanal - MS e a polícia Ambiental - MS em seu sétimo ano de execução. Graças a esse Sistema foi possível detectar a necessidade de se aumentar o tamanho mínimo de captura do pacu e do jaú  na última temporada de pesca, a fim de evitar a diminuição das populações dessas espécies.Flora A flora pantaneira também caracteriza-se pela riqueza e abundância, tendo sido catalogadas 1.800 espécies, documentadas em um acervo de aproximadamente 18 mil exemplares, registrados no herbário da Embrapa Pantanal. Encontram-se descritas cerca de 800 espécies (aquáticas e terrestres), com informações sobre os diversos usos (medicinal, apícola, ornamental, etc.), sobre cultivo, princípios ativos, ecologia, ocorrência e distribuição. Essas informações têm contribuído para o zoneamento agroecológico da Bacia do Alto Paraguai, para a elaboração de seu plano de manejo e para a definição de reserva ecológicas.  Impactos AmbientaisNas últimas três décadas, o Pantanal vêm sofrendo agressões praticadas não somente na planície, mas principalmente nos planaltos adjacentes.  Atualmente, os impactos ambientais e sócio-econômicos no Pantanal são bastante evidentes, decorrentes da inexistência de um planejamento ambiental que garanta a sustentabilidade dos recursos naturais desse importante bioma.  A expansão desordenada e rápida da agropecuária, com a utilização de pesadas cargas de agroquímicos, a exploração de diamantes e de ouro nos planaltos, com utilização intensiva de mercúrio, são responsáveis por profundas transformações regionais detectadas pela Embrapa Pantanal, como por exemplo a contaminação de peixes e jacaré por mercúrio e o levantamento dos principais pesticidas utilizados.Pecuária de Corte No Pantanal a bovinocultura de corte, em regime extensivo, tem sido a principal atividade econômica. Atualmente , a raça predominante é a Nelore.  A maior parte do Pantanal, em função das condições naturais impostas pelo ambiente, tem aptidão para a fase de cria, e desta forma, os produtores rurais concentram-se na produção e vendas de bezerros.  Embora, os índices zootécnicos ainda sejam relativamente baixos, podem ser melhorados através da implantação e adaptação de determinadas tecnologias já desenvolvidas pela Embrapa Pantanal, entre as quais a  utilização de monta controlada, uso da formulação mineral apropriada, desmama antecipada, descarte técnico de matrizes, everminação estratégica dos bezerros, etc.  Outros estudos, mais recentes, vêm sendo desenvolvidos pela Embrapa Pantanal, visando um desenvolvimento sustentável dos diferentes sistemas de produção (convencionais e orgânicos).  Para isto, estão sendo desenvolvidas metodologias de avaliação e monitoramento dos diferentes sistemas de produção com base em indicadores ambientais, econômicos e sociais de sustentabilidade, bem como definidas medidas estratégicas de manejo para cada sistema em particular.      Por:  André Steffens MoraesGuilherme de Miranda MourãoAgostinho Carlos CatellaCristina Aparecida Gonçalves RodriguesLuiz Marques VieiraJosé Aníbal Comastri Filho.    André Steffens Moraes (andre@cpap.embrapa.br), Guilherme de Miranda Mourão (gui@cpap.embrapa.br), Agostinho Carlos Catella (catella@cpap.embrapa.br), Cristina Aparecida Gonçalves Rodrigues (crisagr@cpap.embrapa.br),  Luiz Marques Vieira (lvieira@cpap.embrapa.br),   José Aníbal Comastri Filho (comastri@cpap.embrapa.br), são pesquisadores da Embrapa Pantanal, Corumbá-MS.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LIMINAR
Rosa Weber derruba trechos de decretos de Bolsonaro sobre porte de armas
BRASILÂNDIA
Funcionário de fazenda descobre furto de 50 cabeças de gado
GERAL
INSS retoma atendimentos presenciais nas regiões Norte e Centro-Oeste
Pedida prisão preventiva de ex-marido que matou professora a pauladas
SIDROLÂNDIA
Pedida prisão preventiva de ex-marido que matou professora a pauladas
AGEHAB
Renda para adesão a programas habitacionais varia de R$ 1,3 mil a R$ 4,7 mil
COTAÇÃO
Eletricista é agredido até desmaiar após colegas descobrirem maconha em carro
TENNESSEE
Tiroteio em escola deixa um morto e vários feridos nos Estados Unidos
Polícia prende homem por roubo de veículo e descobre outros dois furtos
COMISSÃO NO SENADO
Pacheco fará consulta para saber se CPI pode investigar governadores
CRIME AMBIENTAL
Campo-grandense é multado em R$ 10 mil por construção em matas ciliares

Mais Lidas

HOMICÍDIO
Jovem é morta com tiros de escopeta em Itaporã
DOURADOS
Motociclista tem suspeita de fratura nas pernas após ser atingido por carro
ITAPORÃ
Jovem morta com tiros de escopeta tinha passagem por tráfico de drogas
PANDEMIA
Covid mata 11 pessoas em Dourados em dia de 149 novos casos