Menu
Busca quinta, 28 de outubro de 2021
(67) 99257-3397

Leia 'Eleições: Parente ajuda ou atrapalha?' de Manoel Afonso

01 abril 2008 - 13h30

Para qualquer candidato o ideal seria que todos os seus parentes fossem cidadão probos e de postura extremamente ética, não dando margem à qualquer comentário ou exercício de imaginação na comunidade. Mas infelizmente não é assim em qualquer lugar do planeta.  E o mais interessante é que  durante a campanha, principalmente se o candidato é favorito, o parentesco aflora com intensidade impressionante. No interior ouve-se muito frases como essa: “Será que esse o fulano ganhar a eleição, vamos ter que agüentar aquele bando de parentes espertos na prefeitura”?
Qualquer candidato fica de saia justa com esse problema, porque o envolvimento na campanha não fica restrito apenas a sua família propriamente dita. Irmãos, tios, primos, sobrinhos e até cunhados (logo eles!) acabam envolvidos de alguma forma. E é clássico o argumento: “voto não se dispensa”. Quanto aos apoios, é preciso analisar bem se eles ajudam ou atrapalham aos olhos da opinião pública.
Cabe ao candidato, com sutileza compatível caso a caso, determinar o afastamento de determinado parente do núcleo da campanha. Em alguns casos, o pedido de fim das manifestações públicas do parente acaba resolvendo ou evitando problemas maiores. Como eu disse: é preciso cuidado para que ele não se ofenda e não “vire a casaca” e se torne um instrumento nas mãos de adversários. Quem já participou de campanha eleitoral sabe como são complexos esses problemas. Parentes são “sensíveis demais”, se sentem “injustiçados” por qualquer coisa e acham que merecem tratamento especial do candidato. Qualquer incidente acaba ganhando uma versão pública espetacular, com dimensão bem maior que o fato ocorrido.
Se o candidato deve focar sua atenção nos adversários, não pode perder tempo em apagar incêndios internos a ponto de levar desvantagem no decorrer da campanha. Deve prevalecer a velha máxima: se não ajudam, que pelo menos não atrapalhem e estará de bom tamanho.  
Mas que os candidatos não se iludam que irão ficar livres da parentalha em caso de vitória. Só alguns casos famosos para refrescar a memória: o irmão do ex-presidente Carter que lhe trazia problemas quando bebia demais, o mano do Sarney que gostava de aparecer, o irmão de Lula que tentou levar vantagem com trafico de influência e a Neuzinha que tanta dor de cabeça deu ao Brizola no Rio de Janeiro. Quanto aos exemplos domésticos, é conveniente ignorá-los.  

 

Manoel Afonso
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

REGIÃO
Tribunal de Justiça abre leilão de veículos apreendidos em ações penais
Homem é preso suspeito de apontar arma para indivíduo por conta de recibo
JARDIM
Homem é preso suspeito de apontar arma para indivíduo por conta de recibo
PMA apreende petrechos proibidos de pesca nos rios Dourados e Brilhante
DOURADOS
PMA apreende petrechos proibidos de pesca nos rios Dourados e Brilhante
Covid-19: sexta-feira tem imunização em quatro pontos de Dourados
VACINAÇÃO
Covid-19: sexta-feira tem imunização em quatro pontos de Dourados
Mulher tem que treinar braço? As vantagens de exercitar os membros superiores
BELEZA E ESTÉTICA
Mulher tem que treinar braço? As vantagens de exercitar os membros superiores
PANDEMIA
Dourados tem mais nove confirmações de Covid e ultrapassa 100 casos ativos
DOURADOS
Alan anuncia o pagamento antecipado do 13º salário no Dia do Servidor Público
DOURADOS
Vídeo mostra caminhão 'entalado' no túnel de acesso ao Parque das Nações
BRASIL
Fiocruz e AstraZeneca assinam acordo para importação de IFA em 2022
DOURADOS
Condutor de caminhonete que "roletou" preferencial levava o avô para fazer exame

Mais Lidas

DOURADOS
Jovem formou consórcio com amigos para comprar e usar ecstasy em festas
LAGUNA CARAPÃ
Motorista morre prensado ao tombar caminhão na MS-379
DOURADOS
Jovem que se formou há dois meses é presa com ecstasy no Parque Alvorada
DOURADOS
Jovem negro e com tatuagem "Jesus Cristo", vítima fatal de acidente ainda não foi identificada