Menu
Busca terça, 26 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Lei proíbe agentes do sexo masculino em presídios de mulheres

29 dezembro 2009 - 16h00

Em menos de seis meses, todas as penitenciárias femininas do País deverão contar apenas com agentes do sexo feminino na segurança de suas dependências internas.

Isso é o que determina a Lei 12.121/09, sancionada no último dia 16 pela Presidência da República.

A nova norma, originada do Projeto de Lei 6048/02, do deputado licenciado Alberto Fraga (DEM-DF), altera a Lei de Execução Penal (7.210/84), determinando a exclusão dos agentes masculinos dos presídios femininos e dando prazo de 180 dias para que a regra seja cumprida.

Alberto Fraga afirma que, em visitas a penitenciárias, notou as más condições com que detentas eram tratadas e os constrangimentos que a presença dos agentes homens causavam. “

Essa segurança precisa ser feita por mulheres que conhecem bem as necessidades de outras mulheres, não só para evitar os constrangimentos sofridos pelas presas, mas também por outras mulheres que visitam essas presas”, ressalta.

Ele acrescenta que existem também muitas denúncias de maus tratos que teriam sido cometidos por agentes do sexo masculino, inclusive de abuso sexual.

Esses atos que motivam denúncias acabam gerando também embaraços para as próprias administrações dos presídios e autoridades da área de Segurança Pública.

“Ficava muito difícil manter a ordem nesses lugares. As mulheres têm mesmo que conviver com mulheres”, afirma.

Sem exceções
O autor concorda com uma modificação feita no texto original do projeto pelo relator na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara, deputado Flávio Dino (PCdoB-MA).

Pelo projeto, haveria a possibilidade de contratação de agentes homens, temporariamente e em caráter excepcional. Dino, no entanto, retirou essa possibilidade.

"A proposta não deve contemplar exceções em relação ao gênero dos agentes. Considerando a realidade dos estabelecimentos penais, há grande chance de a exceção vir a tornar-se a regra", argumentou Dino.

Fraga explica que essa possibilidade de contratação temporária havia entrado no projeto como uma concessão. “Se conseguiram transformá-lo em lei sem necessidade dessas exceções, melhor ainda. A proposta na verdade foi melhorada”, destaca.

O projeto tramitou na Câmara entre 2002 e 2007 e foi aprovada pelo Senado no último dia 1º de dezembro.

A proposta não prevê punição para as administrações de penitenciárias que não se adequarem no prazo estabelecido, mas o deputado licenciado não considera isso problemático.

“Quando há boa vontade, quando existe vontade política, essas coisas se resolvem em bem menos tempo que isso”, acredita.

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVID-19
Dourados tem 36 pacientes recuperados e 136 em isolamento domiciliar
RIO DE JANEIRO
Operação Placebo aprofunda investigações sobre corrupção na saúde
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher
FIM DA ROTA
Investigação iniciada em Minas resultou em operação que prendeu 17 em MS
INFORME PUBLICITÁRIO
Sopa? Sim, Paraguaia! Saiba a história dessa iguaria tão amada pelos sul-mato-grossenses que faz parte do cardápio da Casa de Vó
COVID-19
Saúde confirma mais 28 casos de coronavírus e Dourados chega a 180 pessoas com a doença
BANDEIRANTES
Homem morre esmagado por caminhonete após motorista se assustar com animais e capotar veículo
ALTA INCIDÊNCIA
Após terceira morte, Dourados notifica 70 suspeitas e confirma 22 casos de dengue
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
PANDEMIA
Taxa de isolamento do Estado é ruim, mas 40 municípios de MS conseguem ter números piores

Mais Lidas

DOURADOS
Prefeitura estende toque de recolher em 2h em Dourados
PANDEMIA
Dourados tem mais de 150 casos de Covid-19 e secretário diz ser assustadora a crescente na região
PANDEMIA
Dois meses após decreto de emergência, Dourados confirmou 127 casos de Covid-19
PANDEMIA
Número de pacientes internados por coronavírus em Dourados sobe 50% em 24h