Menu
Busca quinta, 06 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Justiça em MS vende imóveis de devedores do INSS

05 setembro 2004 - 13h54

Comprar uma casa em Campo Grande (MS) por R$ 18 mil, divididos em 60 parcelas, poderia ser um sonho para a auxiliar de enfermagem Nadir Emílio, viúva, mãe de dois filhos e recém chegada da capital paulista. Mas isso foi possível graças ao leilão de bens e imóveis promovido pelo INSS, Caixa Econômica Federal e Procuradoria Nacional da Fazenda. Interessada em um imóvel, Nadir foi uma das 200 pessoas que superlotaram o auditório da Justiça Federal para acompanhar a primeira praça dos mais de 100 itens levados a leilão. A segunda praça será no dia 15 de setembro, no mesmo local, na Rua Carlos Bastos, 128, Parque dos Poderes.No Mato Grosso do Sul, os três órgãos realizam o leilão há três anos e, cada vez mais, aumenta o número de interessados. Aumentam também as negociações dos devedores do INSS com a Previdência Social. A chefe da Procuradoria da Gerência de Campo Grande, Miriam Noronha, explica que os “devedores sempre procuram acertar as contas quando são divulgadas as datas dos leilões”. O procurador-chefe da Fazenda Nacional, Josiberto Martins de Lima, é um dos mais otimistas com os resultados alcançados. “Estamos recebendo pessoas cada vez mais interessadas em saber como funciona o leilão e muitas fazendo bons negócios. Hoje, o leilão dos três órgãos tem credibilidade pela forma de venda, que é direta, sem qualquer intermediário, além das facilidades disponíveis para o arrematante”, comenta. Foi o que aconteceu com a auxiliar de enfermagem Nadir Emília. Ela foi buscar informação sobre o parcelamento e ficou sabendo que poderia comprar um imóvel no leilão, bastando para isso estar presente e levar a Carteira de Identidade e o CPF. A auxiliar explicou que “até poderia deixar para concorrer na segunda praça, onde teria a possibilidade de arrematar por um preço um pouco mais baixo, mas preferi não arriscar”, conta. No próximo dia 15 de setembro acontece a segunda praça do leilão. Os bens estão avaliados em pouco mais de R$ 11 milhões, sendo que desse total, quase R$ 1,3 milhão foi negociado nesta primeira praça. As condições continuam as mesmas. Para os imóveis penhorados em Processos de Execução Fiscal de interesse da Fazenda Nacional, o arrematante tem a opção de parcelar o valor em até 30 meses, com parcela mínima de R$ 200. Para os imóveis do Instituto Nacional do Seguro Social, os bens arrematados podem ser pagos em até 60 meses, com parcela mínima de R$ 200. (CSN/JEF) 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia localizam laboratório de processamento de cocaína na fronteira
PARAGUAI
Polícia localizam laboratório de processamento de cocaína na fronteira
SENADO
CPI da Covid ouve hoje ministro da Saúde e presidente da Anvisa
MS lança 6° campanha do agasalho Aqueça Uma Vida nesta quinta-feira
SOLIDARIEDADE
MS lança 6° campanha do agasalho Aqueça Uma Vida nesta quinta-feira
Advogado suspeito de matar lider do PSL volta para a prisão após internação
NOVA ANDRADINA
Advogado suspeito de matar lider do PSL volta para a prisão após internação
TEMPO
Quinta-feira de sol com aumento de nebulosidade em Dourados
Homem é preso com caminhonete e pistola na MS-164 logo após assalto
POLÍTICA
Senado Federal aprova penas mais duras contra crimes cibernéticos
APARECIDA DO TABOADO
Homem é esfaqueado ao tentar impedir mulher de sair para comprar drogas
IMUNIZANTE
Mais 628 mil vacinas da Pfizer chegam ao Brasil nesta quarta-feira
RIBAS DO RIO PARDO
Detetive particular já condenado é preso por dirigir embriagado após acidente

Mais Lidas

PANDEMIA
Decreto reduz toque de recolher em Dourados na semana do Dia das Mães
DOURADOS
Pancadaria em motel termina na delegacia com três pessoas detidas
REGIÃO
Mãe e filha são executadas em locais diferentes na fronteira
PONTA PORÃ
Vítima de execução na fronteira registrou boletim de ocorrência contra o namorado