Menu
Busca quinta, 28 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Justiça é cautelosa em questão agrária, diz ministro

18 janeiro 2010 - 17h22

Ao ser questionado sobre o polêmico Programa Nacional de Direitos Humanos, lançado pelo governo federal nos últimos dias de 2009, o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, disse que o Judiciário é cauteloso na execução de suas liminares. Uma das propostas do Decreto 7.037, que cria o 3º Programa Nacional de Direitos Humanos, é que liminares relativas a conflitos coletivos, agrários ou urbanos, só sejam concedidas depois de tentativas de conciliação entre as partes.

De acordo com o texto, a ideia é “propor projeto de lei para institucionalizar a utilização da mediação como ato inicial das demandas de conflitos agrários e urbanos, priorizando a realização de audiência coletiva com os envolvidos, com a presença do Ministério Público, do poder público local, órgãos públicos especializados e Polícia Militar, como medida preliminar à avaliação da concessão de medidas liminares, sem prejuízo de outros meios institucionais para solução de conflitos”.

"É difícil compatibilizar essa proposta com a Constituição. O Judiciário está tomando todas as cautelas necessárias quanto se trata de conflitos coletivos, agrários ou urbanos, de sorte que embora dê liminares, a execução dessas liminares tem sido cautelosas", disse o presidente do Supremo e do Conselho Nacional de Justiça.

Para o ministro, os debates devem se intensificar se forem encaminhados projetos de lei ao Congresso pelo governo. Na avaliação do ministro, como o debate ainda é inicial, "falta o espírito santo jurídico", ou seja, aquele debatedor que vai apontar se determinada proposta é compatível com o arcabouço jurídico do país.

A Associação de Juízes Federais da 2ª Região (Rio e Espírito Santo) já se manifestou contra a proposta. Para o presidente da entidade, juiz Fabrício Fernandes de Castro, “nos termos em que formulada, representa um verdadeiro retrocesso nas garantias dos cidadãos na defesa de seus direitos, ao tempo em que interfere indevidamente na independência do Poder Judiciário e no Estado democrático e de Direito”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Ainda com baixa incidência, taxa de contágio de MS é uma das maiores do país
BRASIL
Aras se manifesta contra pedido para apreender celular de Bolsonaro
PANDEMIA
Novo coronavírus ainda não chegou aos distritos de Dourados
DOURADOS
Primeiro dia de barreira sanitária flagrou três suspeitos de coronavírus
ARTIGO
Home Office
COVID-19
MPE pede multa diária de R$ 30 mil ao município por falta de estudo epidemiológico de casal
COVID-19
Curva segue ascendente e Dourados ultrapassa 200 casos de coronavírus
APARECIDA DO TABOADO
Proprietário de fazenda é autuado em quase R$ 13 mil por exploração ilegal de madeira
DOURADOS
Na reta final, vacinação contra Influenza só atingiu meta em dois grupos até agora
SAÚDE PÚBLICA
Segundo do país em incidência, MS se aproxima de 60 mil notificações por dengue

Mais Lidas

DOURADOS
Paciente com suspeita de coronavírus afasta mais de 20 profissionais da saúde no HV e UPA
PANDEMIA
Dourados é "campeã" de casos de coronavírus em MS pelo 3º dia consecutivo
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher