Menu
Busca terça, 18 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Julgamento de morte de cacique Veron entra em segundo dia

22 fevereiro 2011 - 09h45

Começou por volta das 9h desta terça-feira, o segundo dia do julgamento dos três acusados de assassinar o cacique guarany-kaiwá Marcos Veron, em janeiro de 2003, no município de Juti, em Mato Grosso do Sul. O juri é realizado em São Paulo, no Fórum Federal Criminal.

Nesta terça-feira, segundo a assessoria de imprensa da Justiça Federal, terá início a instrução do processo. Sete vítimas indígenas devem ser ouvidas.

O primeiro dia de julgamento foi encerrado por volta de 17 horas de ontem. Na sessão, seis homens e uma mulher foram escolhidos como jurados e a juíza federal Paula Mantovani Avelino, da 1ª Vara Federal Criminal, realizou a leitura das peças do processo por causa da ausência das sete vítimas indígenas.

A expectativa, de acordo com a Justiça, é que o julgamento dure de oito a 15 dias, por causa do grande número de testemunhas que devem ser ouvidas.

Crime
O cacique foi morto em um acampamento indígena de Juti, em 2003. Quatro homens armados espancaram e atiraram em chefes indígenas. O cacique foi levado para o hospital com traumatismo craniano, mas não resistiu e morreu.

De acordo com a Justiça Federal de Primeiro Grau em São Paulo, dois homens respondem por tentativa de homicídio qualificado e o terceiro acusado responde também por homicídio consumado. Eles respondem ainda pelos crimes de tortura, sequestro e formação de quadrilha. Um quarto acusado, que está foragido, teve seu processo desmembrado e suspenso.

No decorrer do processo, o júri foi transferido de Mato Grosso do Sul para São Paulo a pedido do Ministério Público Federal, que alega que naquele estado não há condições de isenção suficientes para garantir um julgamento imparcial. O Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) também determinou que o júri ocorra em São Paulo para evitar que a decisão sofra influência social e econômica dos supostos envolvidos no crime.

Em 2010, o julgamento chegou a ser suspenso duas vezes. No primeiro julgamento, o adiamento ocorreu porque a defesa dos réus apresentou atestado médico. O segundo adiamento ocorreu em maio, por conta da impugnação do tradutor designado para atuar na sessão. O Ministério Público abandonou o julgamento e ele foi suspenso.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Modelo híbrido pode ser menos flexível do que o esperado
NEGÓCIOS & CIA
Modelo híbrido pode ser menos flexível do que o esperado
Agesul estima R$ 52 milhões para asfaltar quase 25 km entre Maracaju e Dourados
MS-162
Agesul estima R$ 52 milhões para asfaltar quase 25 km entre Maracaju e Dourados
Após perseguição, polícia apreende carro com fuzis, pistolas, munições e 850 kg de drogas
REGIÃO
Após perseguição, polícia apreende carro com fuzis, pistolas, munições e 850 kg de drogas
Veículo com mercadoria ilegal é apreendido a caminho de Dourados
PATRULHAMENTO
Veículo com mercadoria ilegal é apreendido a caminho de Dourados
Duplicação da rua Coronel Ponciano vai entrar em fase de licitação
DOURADOS
Duplicação da rua Coronel Ponciano vai entrar em fase de licitação
BENEFÍCIO
Prazo para pedir revisão da pontuação do Bolsa Atleta termina amanhã
BELEZA & ESTÉTICA
BB Glow é técnica queridinha do momento e a Essence Care traz esse diferencial; Veja aqui
CAMPO GRANDE
Homem é preso com veículo roubado e família mantida refém libertada
DOURADOS
Ladrão leva até talheres de vítima que esperava ônibus para ir ao trabalho
FUTEBOL
Quatro brasileiros entram em campo hoje pela Libertadores da América

Mais Lidas

POLÍCIA
'Apaixonado', rapaz furta objetos na PED para ser preso e reencontrar marido
CLIMA
Frio mais intenso do ano é previsto para esta semana em Dourados
REGIÃO
Mulher mata o marido a facadas após discussão em MS
FEMINICÍDIO
Mulher é encontrada morta com golpe de faca no pescoço na região do João Paulo II