Menu
Busca quarta, 05 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Jovens suspeitos de jogar ácido em crianças são ouvidos

19 agosto 2004 - 18h16

Os adolescentes suspeitos de jogar ácido em 10 crianças, na entrada da escola municipal Nagen Jorge Saad, no São Pedro, em Campo Grande, estão neste momento prestando esclarecimentos em uma sala na sede da Cepol (Centro Integrado de Polícia Especializada). Conforme informações da diretoria da escola, as crianças foram atendidas no posto de saúde da região, com queimaduras nos braços, barriga, pescoço e costas e já foram levadas para casa. A diretora do local, Maria Luiza e uma aluna da escola que reconheceu os adolescentes, também estão na delegacia para prestar queixa. Não há mais informações sobre o caso.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Trabalhadores da educação, transporte e limpeza com 55 anos já podem se vacinar
IMUNIZAÇÃO
Trabalhadores da educação, transporte e limpeza com 55 anos já podem se vacinar
CAPITAL
Técnica em enfermagem denuncia colega por falsificar declaração de vacina
AVANÇO DA PANDEMIA
Brasil registra mais 2.791 mortes por Covid; média móvel aponta estabilidade
PMR recupera caminhonete roubada e apreende arma de fogo
PONTA PORÃ
PMR recupera caminhonete roubada e apreende arma de fogo
SENADO
CPI da Covid convoca Ernesto Araújo, Wajngarten e representantes de vacinas
CAPITAL
Professor é preso acusado de estuprar cinco alunas em lar beneficente
REGIÃO
Abertas inscrições para seleção de estagiários de Direito em Bela Vista
FRONTEIRA
Casal suspeito de roubo de carros é cercado e homem queimado vivo
SELIC
Copom eleva taxa básica de juros de 2,75% para 3,5% ao ano
CRIME AMBIENTAL
Homem incendeia 48 hectares e é autuado e multado em quase R$ 50 mil

Mais Lidas

INVESTIGAÇÃO
Homem é preso suspeito de estuprar quatro sobrinhas em Dourados
DOURADOS
Fumaça em estrada causa colisão entre caminhões e leva transtorno a moradores; vídeo
PANDEMIA
Decreto reduz toque de recolher em Dourados na semana do Dia das Mães
REGIÃO
Mãe e filha são executadas em locais diferentes na fronteira