Menu
Busca domingo, 24 de outubro de 2021
(67) 99257-3397

Jovem de 17 anos é aceito em mestrado de universidade paulista

08 abril 2008 - 14h01

Enquanto a maioria dos jovens de 17 anos se prepara para entrar na faculdade, Aldo Vieira Pinto dedica as suas horas de estudo para o curso de mestrado em matemática na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), onde pretende seguir a carreira de professor e pesquisador. Ex-aluno da rede pública de ensino, Aldo diz que seu progresso na vida acadêmica é resultado de muito estudo e dedicação e que ele não se considera superdotado.

"Sempre gostei muito de estudar em casa, fora do horário de aula. Geralmente eu lia a matéria antes de ir para a escola e tinha muita facilidade em assimilar conteúdos. Por isso, pulei três anos da escola e cheguei à universidade aos 14 anos", conta.

Por causa de seu desempenho acima da média, Aldo cursou as duas primeiras séries do ensino fundamental em um ano e pulou a 5ª série do ensino fundamental e também o 2º ano do ensino médio. Ele diz que nunca se preocupou em fazer algum exame para atestar se ele é ou não superdotado e que as mudanças de série aconteciam por recomendação dos próprios professores.

"Os professores observavam o meu desempenho escolar e as minhas notas e, por consenso, decidiam que seria melhor eu pular alguma série. Eles achavam que seria mais produtivo para mim e assim aconteceu", diz o estudante.

O jovem mestrando disse que sofreu com a diferença de idade no começo, quando saltava de série ainda criança. Ele afirma, no entanto, que depois de algum tempo fazendo terapia, superou essa dificuldade e hoje consegue lidar muito bem com a diferença de idade entre ele e seus colegas de classe.

"Eu tinha problemas de relacionamento com os colegas, eu tinha dificuldade para me enturmar. Passei a freqüentar uma psicóloga e com apoio dos meus pais e professores eu consegui superar isso. Esse apoio foi fundamental para o meu crescimento", afirma o garoto.


A matemática chegou 'por acaso'
Aos 14 anos Aldo terminou o ensino médio e prestou vestibular para biologia em uma instituição particular de Lages, em Santa Catarina. Filho de uma auxiliar de cozinha e de um barbeiro, ele conta que seus pais não tinham dinheiro para pagar a mensalidade do curso e, por isso, ele migrou para o curso de matemática, que era mais barato.

"Eu era muito jovem e não sabia muito bem o que queria. Como o curso de matemática era mais barato e sobraram vagas eu resolvi me matricular e cursar. Rapidamente eu me identifiquei com a carreira e não me arrependo de não ter feito biologia. Acho que isso foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida", diz.

Na universidade, Aldo diz que nunca teve problemas de relacionamento com os colegas porque "já estava acostumado" com o fato de ser o mais novo da turma e despertar a curiosidade dos colegas. "Eu comentava com a minha mãe que não daria para eu fugir dessa situação. É normal na minha condição e eu aprendi a me adaptar a isso, à curiosidade das pessoas. Antes eu ficava um pouco tímido, mas hoje eu ajo com naturalidade. Com o tempo, as diferenças foram vencidas", afirma o estudante.

Além de ser o mais jovem da turma, Aldo cursou os quatro anos do curso de matemática em três. Como era aluno do noturno, ele conseguia adiantar várias disciplinas durante o período da manhã. "Minha carga horária de disciplinas ficou um pouco pesada, por isso o curso foi um pouco mais trabalhoso. Mas, no geral, deu para cursar super bem", disse.

O mestrado na UFSCar
Depois de concluir o ensino superior, Aldo começou a procurar alguma instituição que o aceitasse como aluno do mestrado. Se inscreveu em várias e recebeu a resposta positiva da UFSCar, que fica no interior de São Paulo. "Eles me ligaram e ligaram na minha faculdade para falar com os professores que fizeram carta de referência sobre mim. Me aceitaram e já estamos em aula há um mês. Estou adorando", afirma o aluno, que vai dedicar os estudos para a área de equações diferenciais parciais ou análises.

Aldo saiu de Lages (SC) e foi morar em São Carlos (SP). Segundo ele, a mãe e o irmão devem se mudar para a cidade quando ele chegar ao doutorado. "Por enquanto eles ficam lá e eu aqui. A experiência está sendo boa", disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Carro batido é abandonado no Jardim América
DOURADOS
Carro batido é abandonado no Jardim América
UTI Covid segue com seis internações em Dourados
PANDEMIA
UTI Covid segue com seis internações em Dourados
Vendaval atinge Dourados e deixa rastro de destruição
CLIMA
Vendaval atinge Dourados e deixa rastro de destruição
TST considera fraudulento contrato de jogador e reconhece natureza salarial do direito de imagem
BRASIL
TST considera fraudulento contrato de jogador e reconhece natureza salarial do direito de imagem
LAVA JATO
Justiça Eleitoral vai julgar ação sobre empréstimo de R$ 12 milhões ao banco Schahin
MUNDO
Biden e Macron discutem defesa europeia e se reunirão em Roma
MS
Jovem é autuado pela PMA por maus-tratos a uma cadela Pit Bull
STF
Ministra Cármen Lúcia suspende reintegração de posse em Rondônia
RIO MIRANDA
Catarinenses são multados em R$ 1,8 mil por pesca predatória em Bonito
JUDICIÁRIO
STJ define retorno de sessões presenciais para fevereiro de 2022 e dia de eleição para ministros

Mais Lidas

PRESIDENTE VARGAS
Escola dispensa alunos em Dourados após mensagens de ameaças
CÁRCERE PRIVADO
Tentativa de sequestro a criança termina com jovem preso em Dourados
DOURADOS
Print tirado de conversa entre alunos resultou em mal-entendido e levou pânico a escola
DOURADOS
Homem é removido de grupo de whats e procura a delegacia