Menu
Busca quinta, 02 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Jovem chega ao mercado sem completar estudo

24 fevereiro 2005 - 12h56

A geração que chega agora ao mercado de trabalho, embora tenha freqüentado mais a escola que seus antecessores, tem poucos anos de estudo completos e "está aquém das crescentes exigências de qualificação de grande parte dos postos de trabalho", diz o economista João Saboia, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).
Ele foi o coordenador do estudo "Os Jovens no Mercado de Trabalho no Brasil", realizado pelo Instituto de Economia da universidade em parceria com a empresa de recursos humanos Gelre. Usando dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE, o relatório mostra que a escolarização entre jovens de 15 a 24 anos aumentou entre 1993 e 2003 no Brasil, mas a média de anos de estudo completos ainda é baixa.
Embora tenha crescido de 61,9% para 82,4% a proporção de adolescentes de 15 a 17 anos na escola e de 18,3% para 26,8% a fatia de jovens entre 20 e 24 anos estudando, o número médio de anos de estudo completos para essa faixa dos 20 e poucos anos, no Brasil, ainda era de 8,5 anos em 2003.
Ou seja, minimamente acima dos 8 anos requeridos para completar apenas o nível fundamental --terminar a oitava série. "A defasagem ou atraso escolar é um traço marcante do sistema educacional brasileiro", diz o estudo. Defasagem Além disso, o trabalho mostra que a defasagem é muito maior entre pardos e pretos. Embora a diferença nas taxas de escolarização para os brancos seja pequena -85,6% de brancos na escola entre 15 e 17 anos, contra 79,2% de pardos e pretos-, na faixa de 15 a 17 anos a maior parte desses jovens ainda está no primário (58,8%, contra 40,6% no ensino médio).
Entre os brancos da mesma faixa etária, 64,7% cursavam alguma série do ensino médio, contra 34% ainda no ensino fundamental. Entre 20 e 24 anos, há 29% de pretos e pardos ainda cursando o ensino fundamental e outros 42,9% no ensino médio. Apenas 21,6% freqüentavam a universidade. Entre os brancos na escola desse grupo de idade, 61,4% faziam curso superior; 23,1%, o ensino médio; e apenas 10,1% o nível fundamental.
 Entre as causas apontadas para a grande defasagem, diz o estudo, está "o fato de que muitos brasileiros dividem seu tempo entre a escola e o trabalho, o que dificultaria uma maior dedicação aos estudos e, por conseguinte, favoreceria o atraso escolar".
 Renda influencia Para os que estudam e trabalham, o tipo de ocupação também contribui para prejudicar o rendimento escolar. Para quase 40% dos jovens de 15 a 24 anos ocupados em 2003, a renda média mensal não passava de um salário mínimo, e quase 70% deles trabalhavam mais de 40 horas semanais.
A renda da família, obviamente, influencia em maior ou menor grau a possibilidade de dedicação integral aos estudos. Na faixa de 15 a 17 anos, entre os jovens que vivem em famílias que têm renda per capita de até meio salário mínimo, 55,7% só estudam (não trabalham) e 9,2% só trabalham. Na mesma faixa etária, entre os que têm renda per capita acima de dois mínimos, 79,1% só estudam e apenas 2% só trabalham.
 A taxa de atividade (jovens que trabalham) entre os que têm de 20 a 24 anos permaneceu constante no período (73% em 1993 e 73,2% em 2003), mas caiu entre os adolescentes de 15 a 17 anos (53,3% antes e 39,4% dez anos depois).

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÁFICO DE DROGAS
“Negão da Borracharia” é preso com 13 kg de maconha na Capital
AVANÇO DA PANDEMIA
Ministério confirma 58 novas mortes por coronavírus, e total chega a 299
DOURADOS
Exame de jovem que morreu no HU testa negativo para coronavírus
OPERAÇÃO
Polícia identifica criminoso que pretendia praticar roubo milionário em MS
ECONOMIA
Dólar sobe pouco, mas tem novo recorde de fechamento
MATO GROSSO DO SUL
Paulista é flagrado com pescado, barco, motor e petrechos
FRONTEIRA
Ação conjunta fecha 48 comércios e prende uma pessoa em Ponta Porã
SAÚDE
Governo de MS diz ter três desafios diante da pandemia do coronavírus
BRASIL
Laboratórios agropecuários poderão atuar no diagnóstico de covid-19
CORONAVÍRUS
MPF impede deliberação da Anvisa sobre agrotóxico durante a pandemia da covid-19

Mais Lidas

REGIÃO
Ex-assessor de Mandetta é encontrado morto em apartamento na Capital
COVID-19
Primeiro óbito por coronavírus do Estado é registrado em Dourados
NOVA ANDRADINA
Hospital confirma três profissionais com coronavírus em unidade que atendeu idosa
BOLETIM DA SES
Dourados registra mais um caso de coronavírus e MS tem 51 confirmações