Menu
Busca sábado, 04 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Jornalistas da Folha experimentam métodos ‘antirressaca’

13 fevereiro 2013 - 12h26

Os jornalistas da Folha de São Paulo fizeram uma reportagem diferente neste carnaval. Partindo do consenso de que a ressaca é uma das maiores preocupações dos foliões e baladeiros de plantão, os profissionais toparam a ideia de se dividirem em dois testes distintos para tentar anular o incômodo da ressaca.

De acordo com o portal UOL, a experiência começou na noite anterior a última sexta (8), em um bar. A intenção era que os participantes bebessem até que esta repórter -a única que não ingeriu nada alcoólico- avaliasse que todos tinham atingido razoável grau de embriaguez.

Antes da ida ao bar, a reportagem pediu orientações ao hepatologista Fernando Pandullo, do hospital Albert Einstein. Após a experiência, ele foi novamente consultado para explicar como o organismo de cada um reagiu aos métodos adotados.

DURANTE A NOITE

Algumas reações dariam a pista de que as doses de cachaça e os copos de caipirinha, caju-amigo, daiquiri, gim-tônica, margarita e mojito já surtiam efeito: entre elas, risada fácil, desinibição e idas seguidas ao banheiro.

Ninguém tomou nenhum tipo de remédio nem antes nem depois do teste. Tampouco foram tomadas precauções, como alternar os drinques com água e não misturar bebidas diferentes.

Para que ninguém "desanimasse", foram servidos petiscos gordurosos, como porções de pastéis e de queijos. "Enquanto as pessoas estão bebendo, a gordura faz com que o álcool seja absorvido numa velocidade menor, o que leva a beber por mais tempo", diz Pandullo.

A "botecagem" seguiu das 20h30 à 1h. Neste horário, todos mostravam sinais de embriaguez. E o combinado era que eles descansariam por sete horas antes de testar os "antídotos" contra a ressaca.


NA MANHÃ SEGUINTE

Às 9h30 da sexta, todos estávamos juntos de novo. Dessa vez, para testar os métodos contra a ressaca recomendados pelo médico (suco de fruta e água de coco) e os desaconselhados, mas que são popularmente difundidos (chá de boldo e refrigerante).

Foi definido por sorteio quem tomaria cada "antídoto". O mais eficaz foi a água de coco, que ajudou a aliviar a desidratação produzida pelo álcool e a desintoxicar.
O suco de fruta não deu o efeito esperado porque o abacaxi estava ácido. O refrigerante e o chá de boldo, como já havia sido alertado pelo médico, pioraram a situação.


"ÁGUA DE COCO ME HIDRATOU E REDUZIU O ENJOO"

"Uma dose de cachaça, duas caipirinhas, um drinque com vodca e outro com rum foram os responsáveis pela minha ressaca.

Para o alívio da minha sede sem-fim, o 'antídoto' que testei foi a água de coco. Antes de tomá-la, sentia calafrios só em pensar em ingerir qualquer coisa, mas a água de coco me caiu bem.

Cerca de 40 minutos depois, eu me sentia melhor. A dor de cabeça persistiu, enquanto a náusea deu uma trégua -o que abriu o meu apetite. Comi uma porção de ovos mexidos e um pão na chapa. Matei a fome, mas o enjoo voltou. O remédio foi voltar para a cama."


O QUE O MÉDICO DIZ

"A água tem um pouco de açúcar, o que ajuda o fígado a metabolizar mais rapidamente as substâncias tóxicas. Ela tem minerais e potássio, que aliviam a desidratação que o álcool produz.

A dor de cabeça persistiu porque a água de coco não tem efeito na toxicidade do acetaldeído, que provoca a dor de cabeça.

O enjoo voltou quando ela comeu a omelete por causa da gema, que é gordurosa. Ingerir coisas gordurosas durante a ressaca é ruim porque sobrecarrega o fígado."


"TOMAR CHÁ DE BOLDO SÓ PIOROU O MEU ESTADO"

"Três daiquiris, duas caipirinhas e um mojito. Esse foi o saldo da noite etílico-jornalística. Para tentar amenizar a ressaca, o 'antídoto' que recebi por sorteio foi o chá de boldo.

A ideia de tomar um chazinho no dia seguinte não me pareceu má: a sensação de ingerir uma bebida morna soava agradável.

Por ser uma dica popularmente difundida, botei fé. Mas, xícaras e xícaras depois, a sensação de enjoo só aumentava. Tive um único sintoma e o chá não foi capaz de curá-lo."


O QUE O MÉDICO DIZ

"O chá de boldo não é recomendado em nenhuma situação. Ele afeta o fígado e, na ressaca, piora o quadro de gastrite. Prova de que receitas populares nem sempre funcionam.

A sensação de que uma bebida morna daria certo conforto é relevante. Se ela tivesse trocado o boldo por erva-doce ou camomila, um chá poderia ter ajudado. Mas teria de ser morno mesmo. Não quente.

Algo gelado é mais indicado: um sorvete de frutas -que não seja muito gorduroso nem de fruta ácida. Uma boa opção é o sorvete de coco, de palito. O gelado alivia a inflamação e atua como analgésico. E seria uma forma de começar a se alimentar."


"TOMAR REFRIGERANTE AGRAVOU A SENSAÇÃO DE NÁUSEA E GASTRITE"

"Se era para ter uma verdadeira ressaca, cumpri o combinado. Após cinco drinques -a maioria com gim- e algumas doses de cachaça, a madrugada deu seu recado.

No dia seguinte, um refrigerante tentaria me salvar da indisposição matinal. Até imaginei que a injeção de açúcar e cafeína levantariam o ânimo, mas a apatia parecia ser irrecuperável.

Cerca de 40 minutos depois, duas garfadas em ovos mexidos fizeram com que eu voltasse a ficar enjoado. Precisei dormir um pouco.

A vida é mesmo irônica. Minha mulher está grávida e sou eu quem passa mal."


O QUE O MÉDICO DIZ

"Ele teve uma intoxicação aguda, provavelmente por ter bebido mais e misturado mais drinques que os outros. O refrigerante só piorou as coisas porque o gás distende o estômago, piora o enjoo e a gastrite.

No lugar do refrigerante, deveria ter tomado um suco de fruta. No lugar da omelete, gordurosa por causa da gema, uma canja", diz o hepatologista Fernando Pandullo.


"SUCO DE ABACAXI COM HORTELÃ ME DEIXOU AINDA MAIS INDISPOSTA"

"No dia seguinte a um caju-amigo, um daiquiri, duas margaritas e uma bebida com licor de café, tive dor de estômago, enjoo e dor de cabeça.

Meu remédio natural contra ressaca foram dois copos de suco de abacaxi com hortelã. O método não pareceu ruim.

Num primeiro momento, atenuou a sonolência e a vontade de correr de volta para a cama -e lá permanecer.

Mas, depois de quase uma hora, senti uma forte irritação estomacal, que se associou ao enjoo e formou um bloco único de desconforto pós-ressaca. Não só meu 'antídoto' não foi eficiente, como piorou meu estado."


O QUE O MÉDICO DIZ

"Apostar em sucos de fruta durante a ressaca funciona. Provavelmente não deu certo porque o abacaxi usado no suco estava muito ácido.

Se estivesse mais maduro, mais doce, ajudaria. Melhor substituir frutas ácidas por melão, melancia ou manga. Para a dor de cabeça, não havia saída: ela é alérgica a dipirona, o analgésico recomendado para quadros de ressaca."

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Polícia localiza jovem que estava desaparecida desde quarta-feira
POLÍTICA
'Médico não abandona paciente', diz Mandetta sobre eventual demissão
CAPITAL
Mulher vê filha ser estuprada pelo avô que também a violentou quando criança
COVID-19
Saúde de MS recebe seis mil testes rápidos para diagnóstico do coronavírus
FRONTEIRA
Polícia Militar apreende 327 quilos de maconha em dois veículos
Marie Claire
Ex-BBB20 Felipe Prior é acusado de violentar mulheres, diz revista
SEU BOLSO
Governo antecipa prazo final de saque do abono do PIS-Pasep
JUSTIÇA
Mulher ofendida por rede social será indenizada por dano moral
ESCOLTA
PRF realiza escolta no repatriamento de brasileiros vindos da Bolívia
SAÚDE
Estudantes da UFGD criam site para divulgar dados atualizados da covid-19

Mais Lidas

DOURADOS
Exame de jovem que morreu no HU testa negativo para coronavírus
COVID-19
Dourados tem mais um caso confirmado de coronavírus
DOURADOS
Jovem morre no HU e município pede agilidade no resultado do exame de coronavírus
CORONAVÍRUS
Dourados registra mais dois casos de Covid-19 e MS tem 60 confirmações