Menu
Busca sábado, 15 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Jornalista cria exposição virtual com fotografias do MS

24 janeiro 2011 - 13h00

Fotografias inéditas e publicadas no livro “Mato Grosso do Sul” podem ser vistas a partir de agora na internet. “Para escrever o livro eu percorri sozinho mais de doze mil quilômetros pelo Estado, pesquisando e fotografando por onde passei”, conta o jornalista Paulo Renato Coelho Netto. A obra, lançada em português e inglês em 2002, chegou a duas edições e vendeu mais de dois mil exemplares.

As fotos foram feitas em Campo Grande, 19 cidades do interior, no pantanal e no Forte Coimbra. Há registros também de queimadas no pantanal, prédios, casarios, igrejas, ferrovias, pássaros, jacarés, boiadas e patrimônio histórico.

Há cenários que o próprio sul-mato-grossense desconhece, como o canyon de Costa Rica, no Parque Estadual das Nascentes do Rio Taquari, foto que ilustra a capa do livro. “Temos um canyon maravilhoso na região nordeste que é praticamente ignorado pela população”, diz o jornalista.

Entre as curiosidades clicadas estão o pé-de-cedro plantado por Zacarias Mourão, em Coxim, árvore que virou um dos ícones da cultura de Mato Grosso do Sul, e a ponte de Paranaíba, à época ainda em construção, que dá acesso do Estado a Minas Gerais, São Paulo e Goiás.

Seguindo a mesma pauta crítica que orientou as pesquisas dos textos do livro, as fotografias revelam ainda queimadas criminosas no pantanal, animais atropelados nas rodovias e crianças índias, em condições de miserabilidade, vendendo artesanato nas estradas de Mato Grosso do Sul, além de prédios históricos abandonados.

No total foram feitas cerca de mil fotografias para o livro, durante mais de dois anos de viagem de carro e de barco. Todo material foi produzido em croma, com uma câmera analógica Nikon N90s.

Exposição virtual - A “Galeria Mato Grosso do Sul” é a primeira exposição virtual que o jornalista disponibiliza no site. A ideia é usar a internet para publicar outros trabalhos fotográficos, sempre com focos temáticos. “Seja por falta de tempo, hábito, dinheiro ou até por isolamento geográfico, muita gente não freqüenta exposições. O computador deixou de ser privilégio de poucos. A internet é uma ferramenta acessada diariamente por bilhões de pessoas e pode ser um veículo também de divulgação de arte e cultura, além de informação e lazer”, diz.

As fotografias podem ser acessadas no site www.paulorenato.net.br/fotos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Relojoaria na Avenida Marcelino Pires é furtada
DOURADOS
Relojoaria na Avenida Marcelino Pires é furtada
Em menos de 24h, polícia prende três indivíduos com mandados de prisão em aberto
REGIÃO
Em menos de 24h, polícia prende três indivíduos com mandados de prisão em aberto
De MS, Cowboy leva outro ouro e dupla feminina vai para Tóquio
PARADESPORTO
De MS, Cowboy leva outro ouro e dupla feminina vai para Tóquio
Polícia encerra festa com aglomeração em Bonito e apreende aparelho de som
REGIÃO
Polícia encerra festa com aglomeração em Bonito e apreende aparelho de som
Seminário online gratuito debate acessibilidade e inclusão digital
DIREITOS HUMANOS
Seminário online gratuito debate acessibilidade e inclusão digital
PANDEMIA
Dourados confirma mais de 200 novos casos de coronavírus e dois óbitos
POLÍTICA
Senado vai analisar projeto com novas regras para o licenciamento ambiental
REGIÃO
Bandidos invadem fazendas no interior do Estado
INTERNACIONAL
Israel destrói prédio em Gaza que abrigava escritórios de imprensa
ANAURILÂNDIA
Em MS, homem é autuado em R$ 65 mil por degradar área de córrego

Mais Lidas

CORONAVÍRUS
Murilo Zauith passa por reabilitação e segue internado em SP
TRÁFICO DE DROGAS
Chefe do 'Comando Vermelho' e foragido há seis meses é preso em Dourados
DOURADOS
Criança encontrada morta apresentou problemas estomacais uma semana antes
CACHOEIRINHA
Polícia fecha ponto de distribuição de drogas e prende abastecedor